Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Para 2014 também está bem



Já circulavam rumores sobre problemas na pós-produção e agora confirmam-se: "Foxcatcher", cujo teaser trailer foi lançado online no dia de ontem, viu a sua estreia protelada para a Primavera de 2014, impedindo assim a sua competição à cerimónia dos Óscares deste ano, para a qual era apontado como um dos principais favoritos a várias categorias. A sua distribuidora, a Sony Pictures Classics, está do lado da equipa de produção do filme (o que é sempre boa notícia, ou não esqueçamos ainda que esta semana, a acompanhar a mudança de "Grace of Monaco" para 2014, vinha uma missiva da The Weinstein Company que o filme mudaria para 2014 porque não estaria em campanha para os Óscares e nele só viam possibilidade comercial - pobre Nicole Kidman...) e com esta mudança pretende conferir a Bennett Miller (o realizador, cujos esforços prévios resultaram em inúmeras nomeações aos Óscares - "Moneyball" e "Capote") e companhia mais tempo para finalizar a película.

Apesar da Sony Pictures Classics ter ordenado a remoção dos trailers da Internet, ainda é possível encontrar alguns por aí, pelo que aqui fica (até tempo indefinido, porque penso que a SPC conseguirá encontrar e bloquear os restantes que existam). Do vídeo , o que me fica sobretudo é o enorme potencial da interpretação do cómico Steve Carell, num registo bem mais escuro e dramático. 



A corrida, agora, parece estar à mercê de um saque por parte de "American Hustle"; se não, "12 Years A Slave", "Captain Philips" e "Gravity" repartem o favoritismo entre si. Via aberta para O. Russell finalmente levar o troféu principal?


Saramago, Gylenhaal e Villeneuve


Do primeiro sou um fã assumido desde que pelas minhas mãos passou "Ensaio sobre a Cegueira" - à profunda admiração seguiu-se a obsessão quando devorei "O Ano da Morte de Ricardo Reis", recomendação obrigatória para qualquer pessoa que goste de literatura portuguesa (aliás, qualquer fã de literatura). Não foi por acaso que José Saramago foi Prémio Nobel.

O segundo tem no currículo "Donnie Darko", "Brokeback Mountain" e "Zodiac". Para mim isso significa passe vitalício. Mesmo "End of Watch", "Brothers", "The Good Girl" e "Bubble Boy" foram bem melhores do que esperava. Uma boa carreira para um moço com apenas 32 anos, com uma nomeação ao Óscar (e provavelmente esteve muito perto de vencer esse ano) e próximo da A-List. Jake Gylenhaal tem tudo para ascender a ícone da sua geração mais cedo ou mais tarde.

O terceiro é quem tem de me convencer. "Incendies" foi um bom filme, mas nada de extraordinário para as hossanas que a crítica lhe lançou. Não conheço a filmografia dele para trás (meu erro talvez, eu sei) mas sei que os seus dois novos filmes - este "Enemy" e "Prisoners" - foram muito elogiados em Toronto. O segundo já estreou inclusive em território americano (o primeiro vai ter vida difícil para ser distribuído, penso eu) com bom resultado de bilheteira. Fico à espera de ser surpreendido (ou ver confirmado o talento que a espaços Denis Villeneuve exibiu no candidato ao Óscar de Filme Estrangeiro de 2011).


Tudo isto para mencionar que "Enemy" ganhou hoje o primeiro poster e primeiro teaser trailer e que estou embeiçado por ambos (por ambos, pela Mélanie Laurent e pela Sarah Gadon - que duas enormes actrizes!). Olhem-me esta beleza de poster (em comparação, por exemplo, com o poster insípido de Labor Day - lançado esta semana também - que ganhou certamente inspiração nesta outra criação pálida) Venha o Outono e finalmente os filmes que interessam! 


Sai um Óscar para o Matthew McConaughey?


No seguimento da maior ressurreição de uma carreira deste lado de Robert Downey Jr, Matthew McConaughey surge em grande destaque no primeiro trailer de "Dallas Buyers Club", de Jean Marc-Vallée, no qual interpreta o papel principal, o do texano Ron Woodroff que no seio da epidemia do VIH/SIDA durante a década de 1980 nos Estados Unidos, começou a contrabandear AZT (uma droga na época não aprovada pela FDA) da América Latina para o seu país, após ter sido diagnosticado com a doença e terem-lhe sido dados trinta dias de vida. Uma história emocionante, portanto, à somar à imensa transformação física a que McConaughey - e também Jared Leto - se submeteram promete inspirar os votantes da Academia a votar no filme. Para já, cá fica o primeiro trailer:


Encantador




Parece-me. O filme... e o livro, dizem-me. Está no topo da minha lista a ler. Não tarda nada estou a pegar nele. Mal posso esperar. Depois disto e de "Monsieur Lazhar", parece-me que a Saoirse Ronan ("Atonement") tem nova herdeira no que a interpretações juvenis de excelência diz respeito. A Sophie Nelisse não engana. E a Emily Watson é sempre bem-vinda.

Interessados no Capitão Phillips?



Confesso que este segundo trailer me deixou mais intrigado. "Captain Phillips" é, como saberão, um thriller de acção protagonizado por Tom Hanks (duplo vencedor do Óscar de Melhor Actor) e realizado por Paul Greengrass (que realizou um dos meus filmes favoritos da última década, "United 93") que narra a história verídica do capitão Richard Phillips e do assalto ao seu navio por piratas da Somália. 

O filme é distribuído cá em Portugal pela Warner Brothers e chega aos nossos cinemas dia 17 de Outubro.

O Azul é a cor mais quente



O vencedor da Palme d'Or deste último Festival de Cannes, "Blue is the Warmest Color", de título original "La vie d'Adèle - Chapitres 1 & 2", de Abdellatif Kechiche e protagonizado por Léa Seydoux e Adele Exarchopoulos, ganha o seu primeiro trailer internacional.



Penso que basta a menção de "vencedor da Palma de Ouro" para ser presença obrigatória nos filmes a ver deste ano. Se ainda não consta, devia constar. Deve chegar até nós via Lisbon & Estoril Film Festival. Abre nos mercados americanos a 25 de Outubro. 

E a Judi Dench vai à luta pelo Óscar no trailer de "Philomena", de Stephen Frears



Não me admira nada que a The Weinstein Company tenha adquirido os direitos deste filme em Cannes. Parece-me que esta nomeação está no papo, basta o filme - ou a interpretação - serem minimamente bons. Mas eu também disse isto da Maggie Smith o ano passado ("The Best Exotic Marigold Hotel") e olha, enganei-me bem.

"Philomena" segue a jornada de uma mulher, a titular Philomena (Judi Dench), que parte em busca de um filho que foi obrigada a abandonar cinquenta anos antes, assistida por um ex-jornalista da BBC, interpretado pelo comediante (e o argumentista do filme) Steve Coogan. Material para caçar Óscares, dirão já alguns. Pois bem, "Philomena" competirá nos Festivais de Veneza e Toronto e daí já poderemos perceber ao que o filme vem.

"The Fifth Estate" ganha trailer e sobe-me as expectativas...


Com um elenco de luxo - Benedict Cumberbatch, Daniel Brühl, Stanley Tucci, Laura Linney, Alicia Vikander, David Thewlis, Anthony Mackie, Carice van Houten e Dan Stevens - e um bom realizador (Bill Condon, conhecido pelo fantástico "Gods and Monsters") e especialmente uma boa história para contar, "The Fifth Estate" prometia introduzir-se na corrida aos Óscares deste ano. 


O trailer, acabado de lançar, não defrauda as previsões. Aliás, posso dizer que até me aumentou as expectativas. A narrativa, que segue a ascensão de Julian Assange e de WikiLeaks, vai certamente pôr muita gente a falar. Esperemos para ver se vai atrair também a Academia a um tema que não é propriamente o seu cup of tea (mas "The Social Network" já provou que não são totalmente resistentes). E vamos ver se finalmente Benedict Cumberbatch se adapta confortavelmente à maior relevância internacional que o seu talento e estatuto, nos últimos anos, têm adivinhado (com "Star Trek: Into Darkness" já estreado internacionalmente e com isto, "August: Osage County", "12 Years a Slave" e a segunda parte de "The Hobbit" aí a chegar).

Danado do Woody...



Que me sabe sempre chamar a atenção. Não se faz, pores a minha Cate Blanchett num papel tão bom, numa altura em que pouca gente lhe dá os papéis que ela merece (a moça até preferiu voltar, nos últimos anos, à cena teatral australiana, vejam lá bem!). E ainda lhe juntas mais pessoal que admiro, de Alec Baldwin a Bobby Canavale e sobretudo Sally Hawkins. A Sally Hawkins, tão roubada que ela foi de uma nomeação aos Óscares há uns anos.


Ó Woody, espero mesmo que não me desiludas, que já não tenho paciência para os teus "Midnight in Paris" e muito menos para um novo "Whatever Works". Ao menos parece pelo trailer que as peças encaixaram, que pareces estar de volta a um nível mais acídico, mais demoníaco. Promete. Para mal dos meus pecados, que habituei-me a criar distância antes de cada novo filme teu, para não me desapontar depois.