Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

L'ILLUSIONNISTE (2010)



A história de um mágico francês, profundamente deprimido e solitário, que viaja pelo Reino Unido à procura de apresentações pouco convincentes dos seus dotes de magia, é o ponto de partida para uma belíssima e inesperada história de amor, que nos é dada a conhecer pela "mão" de um dos mais irreverentes e adorados realizadores/argumentistas europeus: Sylvain Chomet. Depois de ter surpreendido a sétima arte com Belleville Rendez-Vous, Chomet consolida o seu lugar com mais uma história fantástica, desenhada com um charme e uma classe apaixonantes, que o transformam, com toda a legitimidade, num dos realizadores de culto deste início de século. Não há ninguém com Sylvain Chomet no cinema e o que ele faz, mais ninguém consegue fazer.


Mais uma vez, tal como no seu primeiro filme, L'illusionniste é marcado por poucos diálogos. As emoções estão todas "no papel". Cada um dos desenhos, com os seus gestos, atitudes e emoções das personagens, conduzem a história de uma forma tão sentimental quanto melodiosa, transformando os seus breves oitenta minutos em pouco mais de cinco deliciosos minutos de cinema. L'illusionniste cativou-me. É uma história de um amor trágico (e infelizmente, já revelei mais do que pretendia) onde um decrépito mágico, abandonado pela sociedade e pela magia da vida, se arrasta pelo mundo sem objectivos ou desejos. Quando conhece a jovem Alice, que o segue depois de um espectáculo, aceita-a como amiga e acolhe-a como sua companheira de viagem. Alimenta-a e veste-a com bonitos e requintados mimos.


Toda a relação entre estas personagens é uma complexa incógnita. Por mais que se veja o filme, nunca ficarei totalmente esclarecido sobre os verdadeiros sentimentos que nutrem um pelo outro e o significado da dramática e inesperada cena final. Se o leitor gostou de Belleville Rendez-Vous, também vais gostar de L'illusionniste. Não o acho tão brilhante quanto o primeiro, mas é igualmente um óptimo pedaço de arte.


Nota Final:
A-



Trailer:





Informação Adicional:

Realização: Sylvain Chomet
Argumento: Jacques Tati
Ano: 2010
Duração: 80 minutos

LES TRIPLETTES DE BELLEVILLE (2003)


Criado a partir da imaginação e arte de Sylvain Chomet (criador do aclamado L'illusionniste), este filme rompe com alguns dos preconceitos do actual cinema de animação: Les triplettes de Belleville é não só pequeno (oitenta minutos de duração), como também parco das tecnologias que criam efeitos e dimensões "especiais". Os desenhos do filme são lindíssimos, de uma clareza e expressividades que nos marcam e nos tornam nostálgicos, ao fazer-nos relembrar, através da clara influência do lápis de desenho em todas as figuras, dos primórdios do cinema de animação.


Uma história com sangue português, onde a Avózinha Souza, que vive em Paris com o seu neto e o seu adorável cão Bruno, dos quais cuida com amor e carinho, faz tudo para criar o seu benjamim num ambiente feliz. Ao perceber que o rapaz sentia uma forte atracção pelo ciclismo (e em especial pela Volta à França), decide comprar-lhe um tricíclico, a partir do qual o jovem trabalha e fortalece a sua grande paixão. Com o passar dos anos, a Avó Souza transforma-se no treinador pessoal do jovem, que vive para o ciclismo.


É, por altura da sua participação na Volta à França, que um estranho acontecimento se sucede e destrói todos os planos da Avó Souza em ver o seu neto vencer gloriosamente a mais dura prova de ciclismo. O jovem claudica e é raptado pela máfia francesa da cidade de Belleville, para a qual é transportado como se de um escravo se tratasse. Belleville, embora representada como pertencente a França, é uma pura e inteligentíssima sátira à cidade de Nova Iorque e à sociedade americana. Lá, todos os cidadãos são obesos (e nem a Estátua da Liberdade escapa), vive-se de hamburgers (a cidade do cinema é Hollyfood) e a sociedade comporta-se com o egoísmo e presunção caracteristicamente americanas.


A avó Souza, acompanhada de Bruno, persegue o navio onde o seu neto é transportado e atravessa um oceano inteiro para o resgatar. Em Belleville conhece as triplettes de Belleville, já num degradante e penoso final de carreira, que a ajudam a libertar o seu neto e a acolhem numa difícil e arrogante cidade, onde nem os escuteiros escapam à crítica mordaz de Chomet.


Uma obra-prima, a todos os níveis. Com uma banda sonora contagiante, que engrandece uma história conseguida graças ao dom ímpar de Chomet, Les Triplettes de Belleville é daqueles filmes que são obrigatórios numa sala de cinema. É aquilo que animação deveria sempre ser.


Nota Final:
A


Trailer:



Informação Adicional:
Realização: Sylvain Chomet
Argumento:
Sylvain Chomet
Ano:
2003
Duração:
80 minutos

DAFA 2010: Melhor Peça Musical




Bem-vindos à primeira edição dos Dial A For Awards, a cerimónia de prémios de cinema do nosso blogue, Dial P For Popcorn. Iremos revelar, categoria a categoria, os nossos seis nomeados e três vencedores entre aqueles que foram, para nós, os melhores filmes de 2010.


Hoje vamos a mais duas (bem, quatro!) categorias dos prémios, a ver se terminamos antes de Abril terminar. A primeira dessas categorias serve de encerramento da minha avaliação à música no cinema em 2010. Como não consegui limitar-me a seis nomeados, nesta categoria (excepcionalmente) vamos ter dez nomeados. Aqui vos apresento os meus nomeados para Melhor Peça Musical em Banda-Sonora:



"Dream is Collapsing"
INCEPTION

O mundo desaba. O sonho acaba. Revolução total.



"Flow Like Water"
THE LAST AIRBENDER - #3

Um potente tónico à mais fantástica cena de acção do filme.



"Forbidden Friendship"
HOW TO TRAIN YOUR DRAGON - #2

Enternecedora e fantasiosa, aventureira e enérgica.



"Intriguing Possibilites"
THE SOCIAL NETWORK

Tão rápida e deliciosamente recheada de pequenos pormenores quanto o diálogo que acompanha.



"Illusionist Theme"
L'ILLUSIONISTE

De fazer chorar.



"Monsters Theme"
MONSTERS

A melhor apresentação de sempre de monstros num filme de ficção científica.



"Obliviate"
HARRY POTTER AND THE DEATHLY HALLOWS, PART 1

Queriam música mais perfeita a servir de introdução a esta última parte? Não havia.



"Perfection"
BLACK SWAN - #1

Imersão total na escuridão sombria da partitura de Tchaikovsky alterada por Mansell. Sublime.



"Ride to Death"
TRUE GRIT

Tudo aquilo que se poderia esperar de um hino protestante adaptado a rito funerário por Carter Burwell.



"The Ghost Writer"
THE GHOST WRITER

O Fantasma espia no silêncio da noite. A música sugere desde logo que algo vai correr inesperadamente mal.