Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Previsões Óscares 2013 (II): Filme


Continuemos a saga das previsões (eu bem sei que me devia deixar disto que o pessoal não gosta mas depois penso "porra o blogue é meu e eu gosto de tagarelar sobre os Óscares!" portanto pensem assim, quanto mais artigos eu despejar sobre o tópico durante o fim-de-semana, mais depressa acabo de falar sobre o tema, por isso aguentem que já passa) e falemos das duas categorias mais interessantes (não para mim, mas para o público em geral, que dos Óscares só quer saber quais são os melhores filmes e pouco mais): melhor filme e melhor realizador. Comecemos pela categoria rainha.


Com tanta desistência, o ano não se está a adivinhar muito famoso. Verdadeiros competidores só temos três e ambos vão estrear no mercado norte-americano nas próximas semanas: "Captain Philips" de Paul Greengrass (sim, é o moço que realizou o "United 93" e dois dos filmes do Jason Bourne), protagonizado por um senhor que dispensa apresentações (Tom Hanks) e muito elogiado pelos críticos que viram o filme em antestreia e há dias no Festival de Nova Iorque; "Gravity" de Alfonso Cuarón, protagonizado por Sandra Bullock e George Clooney (star power!), aclamado criticamente tanto em Veneza como em Toronto; "12 Years a Slave" de Steve McQueen (realizador dos estupendos "Shame" e "Hunger"), com um elenco vastíssimo encabeçado por Michael Fassbender, Sarah Paulson, Chiwetel Ejiofor e Lupita N'yongo, carregado de Oscar buzz e já rotulado como favorito depois da resposta entusiástica de Toronto. 


Entre os já estreados, é melhor contarem com "The Butler" de Lee Daniels, que em receita de bilheteira já fez mais que metade dos filmes que cá vou mencionar vão fazer em conjunto e tem a Oprah Winfrey como trunfo importantíssimo do seu lado. Também ajuda que a temática do filme seja a história dos Estados Unidos lado a lado com o movimento anti-segregação racial. Outro filme já nos cinemas (americanos, não portugueses - as if!) é "Fruitvale Station", sensação de Sundance que parecia estar a caminho de materializar-se na mais recente história de sucesso do festival (seguindo os passos de "Beasts of the Southern Wild", "Precious" ou "Winter's Bone"), mas a bilheteira não ajudou e a conversa em torno do filme... esfumou-se. Ainda vem a tempo de fazer um comeback mas irá convencer os votantes? Duvidoso. Finalmente, há que mencionar "Prisoners". Boas críticas em Toronto, bom elenco (Gylenhaal, Jackman, Davis, Leo), bom realizador (Villeneuve) e aparentemente a crescer na receita de bilheteira. Cuidado com este filme se ultrapassar a barreira dos cem milhões. Com os adversários mais fortes da corrida a tombar e a fugir para 2014, não me admirava nada... Hipóteses mais remotas são "Before Midnight" (que devia ser presença obrigatória na corrida mas dificilmente não passará ao lado) e "Blue Jasmine" (que merecia que o pessoal visse para além de Cate Blanchett; but that ain't happening, folks!) - e nem falemos, por exemplo, de outros bons filmes do ano, como "Short Term 12" ou "Frances Ha"


Cannes pode voltar a fazer mossa na corrida (depois de "Amour" e "The Tree of Life" terem sido premiados no belo paraíso mediterrânico e conquistado múltiplas nomeações junto da Academia), com vários pretendentes. "Inside Llewyn Davis" é a aposta sensata, porque é dos irmãos Coen, porque já passou pelos festivais de fim-de-ano em território americano continuando as boas indicações e porque tem no elenco nomes conhecidos como Carey Mulligan, Oscar Isaac e Justin Timberlake, que sempre ajuda na altura de comparecer em carpetes vermelhas. A aposta dos "tolos", por assim dizer, é "Blue is the Warmest Color", que continua a fazer manchete nas notícias, mesmo do outro lado do Atlântico - o problema é que as notícias não são propriamente as mais simpáticas nem têm nada a ver com o filme propriamente dito. Acabarão por auxiliar o filme a encontrar audiência? Veremos. Pode pelo menos chamar mais gente à procura de saber de que se trata a confusão toda em torno de Adele Exarchopoulos e descobrirem uma interpretação passível de ser nomeada. Caladinhos mas firmes estão "Nebraska" e "All is Lost". Produtos americanos com selo de qualidade, o primeiro vem de Alexander Payne ("Sideways", "The  Descendants") que provavelmente ficou perto do prémio máximo pelo seu último filme e que escolheu esta história de uma road trip entre pai (bêbedo negligenciador) e filho para seu próximo projecto. Digamos que promete. O segundo vem de J.C. Chandor, que espantou muitos com a sua nomeação para argumento original pelo seu anterior filme ("Margin Call") e que desta vez opta por um filme sem diálogo, em torno da lenda americana Robert Redford. A aclamação crítica que recebeu deixa-me a pulga atrás da orelha. De Toronto não abordei também "August: Osage County" e "Dallas Buyers Club", que emparelho aqui por uma razão muito simples: as críticas fazem principalmente referência às interpretações, não ao filme, o que me faz suspeitar que daqui só vão sair nomeações para os actores (se o filme resultar na bilheteira, a minha opinião muda, obviamente, especialmente se tal filme for "Dallas Buyers Club", porque combina vários pontos que fazem a Academia estremecer de satisfação, desde ser uma história verídica a ser protagonizada por um actor que sofreu uma grande transformação física para interpretar um homem doente) - o mesmo digo de "Labor Day".


Do que ainda está para vir, realço dois caça-Óscares óbvios. O novo filme de David O. Russell (que parece estar em estado de graça com a Academia agora), "American Hustle", conta com Jennifer Lawrence, Amy Adams, Christian Bale, Jeremy Renner e Bradley Cooper nos principais papéis (uau, eu sei) e com uma narrativa que tresanda a potencial. Será este the one para O. Russell? Ou será de novo batido por uma história baseada em factos reais, uma história do triunfo do espírito humano, mais leve e com dois enormes actores de classe mundial no topo de um elenco cheio de nomes conhecidos? Sim, estou a falar de "Saving Mr. Banks", que quem já viu deixa antever um filme fantástico mas cuja aparência me deixa mais prever um "Hitchcock" que outra coisa melhor. Todavia, não será a combinação Hanks + Thompson + Mary Poppins impossível de resistir, mesmo que o filme seja mau?


Falando de histórias mais leves, a corrida assim parece tender muito para o pesado, só dramas e thrillers, correcto? Parece que falta cá qualquer coisa mais esperançosa, mais simpática (pensem "The Blind Side"). O ano também tem algumas ofertas dessas. A começar por "Philomena", de Stephen Frears, que conta com Judi Dench no papel titular, uma idosa que parte à procura do filho que teve de entregar para adopção cinquenta anos antes; "Rush" é um nível diferente de satisfação, uma película desportiva alucinante sobre a história da rivalidade entre Nikki Lauda e James Hunt, pela mão de Ron Howard (uma das minhas kryptonites cinematográficas); "The Book Thief" é baseado na obra-prima "The Girl who Stole Books" de Marcel Zusak, em pezinhos de lã lançou um trailer e com um elenco com Emily Watson e Geoffrey Rush, um lançamento pleno de oportunismo na época natalícia e um estúdio disposto a lutar pela candidatura - 20th Century Fox, que o ano passado levou "Life of Pi" a dez nomeações e parece confiante que terá desfecho igual com este filme... E se não for com este, poderá ser com "The Secret Life of Walter Mitty", realizado por Ben Stiller (esse, o actor de "There's Something About Mary" e os mil filmes dos Fockers), a proposta mais intrigante da temporada cinematográfica (com um trailer que, confesso, deixou-me maravilhado com as possibilidades). Muito por onde escolher.

Falta falar da que é para mim a maior incógnita: "Her" de Spike Jonze. Já ouvi de tudo. Estreia em Nova Iorque dentro de dias, pelo que não teremos de esperar muito para saber com o que contar. Os elogios de Aronofsky surpreenderam-me. Um filme romântico pela mão de Spike Jonze? Quem diria. Pode ser espectacular e ganhar rios de nomeações... ou ser ignorado e ficar sem nada. A rever, quando soubermos mais do filme.

Organizando então as opções por probabilidade, fico com alguma coisa deste género (a verde os meus nomeados previstos):

MUITO PROVÁVEIS
American Hustle
Captain Phillips
12 Years a Slave

PROVÁVEIS
The Butler
Gravity
Saving Mr. Banks
Philomena

COM ALGUMAS RESERVAS
Her
Rush
Inside Llewyn Davis

PARA LÁ DOS 10...
Fruitvale Station
Dallas Buyers Club
Nebraska
Prisoners
The Book Thief
The Secret Life of  Walter Mitty
All is Lost
August: Osage County
Blue is the Warmest Color
Before Midnight

Agora deixo com vocês - que trocas faziam nas minhas previsões?

Previsões Óscares 2013 (II): Actualizações


Como sempre cá pelo estaminé, deixei as previsões a meio e entretanto já passaram os festivais de Veneza, Toronto e Telluride e ainda houve tempo para começar o de Nova Iorque, que basicamente deram um rodopio em várias categorias da corrida aos Óscares, pelo que era essencial que eu me obrigasse a sentar à secretária e destilar uns raciocínios inspirados sobre o que me parecem ser agora as principais figuras de cada categoria. Comece-se então por actualizar as quatro categorias que já tinha cá abordado, as quatro categorias de representação.


MELHOR ACTRIZ



Em Agosto profetizava-se a força que Cate Blanchett teria nesta corrida. Depois de visto o filme, posso dizer que muito dificilmente o Óscar lhe será roubado. Era preciso uma Amy Adams do outro mundo em "American Hustle". É que nem Meryl Streep (críticas boas, mas não os hossanas que seriam precisos para ganhar um quarto troféu), nem Judi Dench (só se os Weinstein arranjarem uma narrativa que apele ao lado sentimental dos votantes por uma das maiores actrizes da actualidade não ter um Óscar de melhor actriz) parecem candidatas à altura e Sandra Bullock precisa que "Gravity" seja um sucesso geral, com várias nomeações. A categoria perdeu Nicole Kidman, Marion Cotillard e Jessica Chastain para 2014, Naomi Watts foi pisoteada pelos críticos no Reino Unido (e acontecerá o mesmo nos Estados Unidos), Kate Winslet vai provavelmente sofrer pelas más críticas a "Labor  Day" (aconteceu o mesmo a Theron e "Young Adult"), Berenice Bejo perdeu o lançamento que Cannes deu a "Le Passé" (muito menos apreciado em Toronto) e diz tudo da categoria quando para preenchermos os lugares de candidatos precisamos de recorrer a jovens como Brie Larson, Shailene Woodley e Adele Exarchopoulos. A corrida atingirá provavelmente o pico de interesse quando Adams e especialmente Emma Thompson estrearem, na época natalícia. Será que alguma delas tem o que é preciso para destronar Blanchett? Provavelmente não. 

Previsão:
Amy Adams, "American Hustle"
Cate Blanchett, "Blue Jasmine"
Judi Dench, "Philomena"
Meryl Streep, "August: Osage County"
Emma Thompson, "Saving Mr. Banks"


MELHOR ACTOR



Curiosamente, a melhor das quatro corridas. Nada por resolver, muitos candidatos sérios ao lugar do topo. Que fazer, que fazer... Em Agosto a minha opinião era esta. Não mudei muito. Mantenho que Robert Redford é provavelmente o favorito, Bruce Dern terá na nomeação um bom prémio de carreira e Tom Hanks volta ao Dolby pela sua melhor interpretação (dizem) da última década (já vão treze anos desde "Castaway") - se não tivesse já dois, acredito que vencesse facilmente (algo que, como Day Lewis provou o ano passado, não é impossível). Chiwetel Ejiofor recebeu críticas magníficas pela sua interpretação em "12 Years a Slave" e portanto já quase nem há questão - tendo em conta que o filme está na posição principal para o Óscar de melhor filme - que será nomeado. A questão reside agora em três pontos fundamentais: (1) "Wolf of Wall Street" estreará em 2013? Os últimos rumores dizem que não, o que significa que até ver DiCaprio salta da lista. (2) Que tipo de papel é o de Christian Bale em "American Hustle"? Será suficiente para ganhar a nomeação? Os protagonistas de O. Russell costumam ser os mais 'quietos', por assim dizer. E (3) entre Oscar Isaac e Matthew McConaughey, quem vai ser o contemplado para ocupar a última vaga (isto se a corrida se revelar tão simples)? De fora fica Michael B. Jordan, à espera que "Fruitvale Station" seja melhor sucedido com a Academia do que tem sido com o público e a crítica. Parece-me mesmo que Melhor Actor vai ser a categoria mais difícil de decifrar, andando em fluxo entre os diversos prémios precursores.

Previsão:
Robert  Redford, "All is Lost"
Tom Hanks, "Captain Philips"
Chiwetel Ejiofor, "12 Years A Slave"
Bruce Dern, "Nebraska"
Matthew McConaughey, "Dallas Buyers Club"


MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA



A categoria com menos entusiasmo e, diria mesmo, com maior falta de concorrentes em condições. Temos Oprah e temos Lupita N'yongo e depois vem o resto. Sarah Paulson só não tem sido mais falada porque custa a crer que "12 Years a Slave" consiga dupla nomeação mas do jeito que a categoria está só se aparecer agora algum filme no Outono que desafie as expectativas. Do contingente "August: Osage County" há-de sair alguém (do filme elogiadas mesmo só as interpretações, algo que não é incomum às produções John Wells), mas quem? Margo Martindale ou Julia Roberts numa interpretação secundária "falsificada"? Ou Scarlett Johansson por "Don Jon"? Os festivais, tirando N'yongo, não ajudaram a categoria em nada, dando apenas sugestões - além de Paulson, também June Squibb tem os seus apoiantes, bem como Carey Mulligan (precisa que o filme dê o clique com os votantes), Viola Davis (precisa de bilheteira para "Prisoners") e Octavia Spencer (o buzz de "Fruitvale" foi-se mesmo abaixo). De Linney a Harris, tudo o resto passou ao lado. Falta ainda vermos das meninas de "The Counselor", em especial Cameron Diaz (embora se possa contar sempre com a Penelope Cruz para roubar um filme), de Blanchett em "The Monuments Men", Moore em "Carrie" (o que parecia ridículo começa a desenhar-se como uma possibilidade viável agora) e Jennifer Lawrence em "American Hustle". E com tudo isto, será que alguém ainda se lembra do quão fantástica está a  Sally Hawkins em "Blue Jasmine"?

Previsão:
Jennifer Lawrence, "American Hustle"
Lupita N'yongo, "12 Years a Slave"
Sarah Paulson, "12 Years a Slave"
Octavia Spencer, "Fruitvale Station"
Oprah Winfrey, "The Butler"


MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO



A mais preponderante adição à corrida é a de Daniel Brühl, com "Rush" a ser uma surpresa tanto para a crítica como o grande público, que na semana de estreia tem aderido em massa ao novo filme de Ron Howard (para meu desencanto, que não suporto o estilo do realizador). Continuam a parecer boas opções Bradley Cooper e Michael Fassbender (este até reforçada pelos elogios à interpretação e ao filme), enquanto que à semelhança do raciocínio feito acima para DiCaprio, até ter notícias salta fora McConaughey daqui (e agora até começo a questionar se Jonah Hill não será melhor hipótese, pelo mesmo filme) e também vai fora Ruffalo com a mudança de "Foxcatcher" para 2014. A estreia de "Captain Philips" esta semana traz a incógnita Barkhad Abdi, numa interpretação aparentemente memorável mas difícil de digerir (o que lhe retira o automático coro de "nomeação garantida!" com que seria brindado de outra forma). De resto, mantenho a opinião que a corrida ainda tem muito que desvendar, porque os concorrentes que temos agora disponíveis são pouco convincentes para serem nomeados (não que não o mereçam, é diferente). Vistos até agora temos os rapazes de "Blue Jasmine" (Cannavale, Baldwin e Dice Clay, mas a algum merecer menção, será Cannavale), Josh Brolin por "Labor Day", McConaughey por "Mud", Jared Leto com boas críticas por "Dallas Buyers Club" (mas precisará, assumo eu, que McConaughey também consiga a nomeação para sonhar ele próprio em ser nomeado), George Clooney ("Gravity"), Steve Coogan ("Philomena" - mais provável em argumento), Benedict Cumberbatch e Chris Cooper ("August: Osage County"), Will Forte ("Nebraska)", Cooper e Gosling por "Place Beyond the Pines", James Franco por "Spring Breakers", David Oyelowo ("The Butler") e John Goodman ("Inside Llewyn Davis"). Falta sabermos dos rapazes de "The Monuments Men" e "The Counselor", de "American Hustle", de "Saving  Mr. Banks"... Resumindo, sabemos muito pouco, para já.

Previsão:
Barkhad Abdi, "Captain Philips"
Daniel Brühl, "Rush"
Bradley Cooper, "American Hustle"
Michael Fassbender, "12 Years A Slave"
Jared Leto, "Dallas Buyers Club"

Previsões Óscares 2013 (I): Actriz Secundária



Já falamos da questão Meryl Streep aqui, quando abordamos as candidatas a melhor actriz. Não vale a pena demorar-me de novo no assunto - se a Academia ceder e nomear a actriz nesta categoria, será uma forte candidata a vencê-la (o mesmo aconteceria se nomeada para actriz principal). O problema da colocação de Streep acaba é por complicar a campanha de outras actrizes do elenco do seu filme, à cabeça Margo Martindale, Juliette Lewis, Abigail Breslin e Julianne Nicholson, o que é injusto, especialmente no caso da veterana actriz, vencedora recente do Emmy, que poderia ter aqui outro momento para brilhar. Outro ponto de interrogação na categoria é a colocação de Amy Adams por "American Hustle", podendo-se passar o mesmo que Streep. Seria outra forte candidata a vencer (sobretudo se Streep não fosse nomeada aqui e se Jennifer Lawrence não roubar o holofote pelo mesmo filme e conseguir a nomeação ao invés de Adams). Adams tem mesmo outra grande possibilidade de nomeação, pelo novo filme de Spike Jonze, "Her". Uma dupla nomeação (e finalmente uma vitória para a actriz) não me parece uma hipótese tão remota assim de acontecer. A terceira grande candidata da categoria é Oprah Winfrey, de volta à representação em "The Butler" de Lee Daniels que, apesar das críticas medianas do filme, tem obtido excelentes elogios à sua prestação, sendo quase ponto assente que a actriz é um dos nomes fortes para nomeação - o problema é também a sua colocação, num papel que muitos consideram maior demais para consideração como actriz secundária. Até ver, é aqui que os Weinstein a querem colocar, mas com as vicissitudes da corrida, quem sabe não mudam de ideia...


Quem também conseguiu boas críticas pela sua prestação foi Carey Mulligan, que em Cannes recebeu os típicos louros por mais uma interpretação feliz em "Inside Llewyn Davis". Algum dia ela terá de regressar ao Dolby - será este ano, depois de ignorada por forte trabalho em "Never Let Me Go" e "Shame"? Também por Cannes passou June Squibb, com boas críticas pela sua prestação em "Nebraska" de Alexander Payne - se o filme pegar entre os membros da Academia e conseguir várias nomeações, a nomeação desta veterana pode ser uma delas. Mais duas actrizes já tiveram os seus filmes vistos e o seu trabalho bem recebido: Octavia Spencer em "Fruitvale Station" e Sally Hawkins em "Blue Jasmine". A primeira parece-me ter tudo para conseguir mais uma nomeação; já a segunda, depois de ignorada por "Happy-Go-Lucky" e "Made in Dagenham" há alguns anos atrás, apoia uma interpretação de alto calibre de Blanchett, sendo obrigada a ser ofuscada durante a maioria da sua película. Muitas vezes este é o tipo de performance mais difícil de executar bem e talvez por isso acabe de novo fora das nomeadas.


A época dos festivais trará mais interpretações a jogo, entre elas a de Cate Blanchett em "The Monuments Men" (a ter, aparentemente, um óptimo ano, deverá ser por "Blue Jasmine" que o reconhecimento virá mas uma dupla nomeação como conseguiu em 2007 não se pode descartar, a Academia quando gosta dela, gosta mesmo dela), a de Penelope Cruz e Cameron Diaz (particularmente esta; o papel é supostamente fantástico) em "The Counselor", Nicole Kidman em "The Railway Man" (também a jogo por "Grace of Monaco" como melhor actriz e com melhores probabilidades lá), Laura Linney em "The Fifth Estate" (um filme que dará que falar, uma actriz triplamente nomeada), Naomie Harris por "Mandela: A Walk to Freedom" (resta saber se é co-protagonista ou mesmo actriz secundária), Kristin Scott-Thomas por "The Invisible Woman", Jennifer Garner em "Dallas Buyers Club" (outro filme que, à custa de McConaughey, vai estar debaixo de todos os olhares) e Lupita Nyong'o em "12 Years a Slave" (uma das grandes apostas do ano). Também no final do ano mais três candidatas de peso poderão revelar-se: Vanessa Redgrave em "Foxcatcher", Julianne Moore por "Carrie" e Catherine Keener por "Captain Phillips". E depois há a questão Viola Davis: a Academia deverá ter vontade, digamos, de corrigir a nega que deram à actriz em 2010. Até agora a actriz manteve-se em low profile - e fez ela bem, voltando este ano com dois bons papéis, em "The Disappearance of Eleanor Rigby" e "Prisoners". Será que algum deles lhe trará a glória? Ou pelo menos mais uma nomeação?


Muitas candidatas, cinco lugares apenas. Os festivais diminuirão a lista significativamente, até ficarem sete a dez nomes plausíveis para a época das festividades reduzir para seis, sete candidatas - como de costume. A surpresa o ano passado, como já é hábito há muitos anos, foi pouca. Como eu vejo a corrida agora, serão estas as candidatas mais fortes...

Previsão das nomeadas:
Amy Adams, "Her"
Cameron Diaz, "The Counselor"
Margo Martindale, "August: Osage County"
Octavia Spencer, "Fruitvale Station"
Oprah Winfrey, "The Butler"


Previsões Óscares 2013 (I): Actor Secundário


Como habitualmente, esta promete ser uma categoria difícil de resolver (no que a nomeados diz respeito) mas fácil de premiar (o vencedor é - excepção feita ao ano passado - alguém que costuma fazer uma limpeza geral aos prémios todos do circuito). A categoria do ano passado, apesar de excitante de seguir pelo fluxo de gente a entrar e a sair a cada conjunto de nomeações e prémios anunciados e pelos múltiplos vencedores que foi tendo ao longo da época de premiações, acabou por reunir uma colecção de antigos galardoados com o prémio algo enfadonha, quando um bocadinho de colorido aqui e ali - McConaughey ("Magic Mike"), Samuel L. Jackson ou Leonardo DiCaprio ("Django Unchained") ou Javier Bardem ("Skyfall") - traria mais alguma diversidade e interesse à corrida. A vitória sorriu a Christoph Waltz, que reciclou para "Django Unchained" a sua personagem Hans Landa de "Inglorious Basterds". Pronto, o homem dá-se bem com diálogos do Tarantino - e daí? Quer dizer que o homem ganha um Óscar basicamente sempre que lhe apetece fazer por isso? Daqui a pouco é o novo Daniel Day-Lewis (já não falta muito, só mais uma estatueta).


Muitos dos homens mencionados acima voltam à corrida este ano. Matthew McConaughey terá uma temporada de campanha em cheio, porque seja como actor principal ("Dallas Buyers' Club") seja como actor secundário ("Mud" e "Wolf of Wall Street", provavelmente este último será a sua melhor hipótese, embora terá também que lutar internamente contra Jonah Hill, nomeado em 2011 e que poderá ter possivelmente nova hipótese), tem várias oportunidades para tentar a nomeação. Outro actor roubado de uma nomeação o ano passado  (podemos falar de duas consecutivas, contando com "Shame" o ano antes também) foi Michael Fassbender. O homem regressa à competição tanto em actor principal ("The  Counselor") como em actor secundário - e deverá ser nesta última que terá mais hipóteses, por "12 Years a Slave" de Steve McQueen. O papel clama atenção da Academia (vilão, crueldade para os escravos, filme de época, actor no timing certo - tudo aquilo que eles gostam nesta categoria). Veremos se pega. 


Um recente nomeado de volta é Mark Ruffalo por "Foxcatcher", o novo filme de Bennett Miller que promete fazer estrago na corrida - é um projecto pessoal do próprio (que conseguiu nomeações para filme, actor e um dos seus actores secundários para os seus dois primeiros filmes, "Capote" e "Moneyball"), é uma história verídica perturbante e conta com um elenco fantástico (liderado por Carell - já falado em actor principal, Ruffalo e Channing Tatum, outro com possibilidade de nomeação aqui). Ruffalo é querido pela indústria, já conseguiu o mais difícil - ser nomeado (2010), que parecia que nunca iria acontecer - e portanto pode pensar (o papel também ajuda) em repetir o feito. Outros nomeados recentes a ter em conta também são Bradley Cooper e Jeremy Renner pelo novo filme de O. Russell (se "American Hustle" provar ser tão diverso e dar tanto que fazer como os filmes prévios de O. Russell, é de esperar que algum dos actores secundários - entre Renner, Lawrence e Cooper - consiga um bom papel e respectiva nomeação), Matt Damon ou George Clooney (falta sabermos quem é o real protagonista de "The Monuments Men" e se haverá mais alguém do elenco secundário a roubar cenas, como Bob Balaban ou Bill Murray por exemplo) e Javier Bardem (que já venceu a categoria, tal como Clooney) e Brad Pitt por "The Counselor" de Ridley Scott. George Clooney tem ainda um papel secundário que desperta muita curiosidade em "Gravity" de Alfonso Cuarón (temo que este filme não vá resultar ou não vá ser do agrado da Academia, à la "Children of Men", mas Clooney e Bullock são mel para a crítica e para o grande público por isso pode ser que se dê bem) e Jeremy Renner obteve ainda boas críticas pela sua prestação em "The Immigrant" de James Gray, já discutido previamente. Também falado anteriormente em melhor actor mas de nota aqui é a interpretação de Josh Brolin em "Labor Day" de Jason Reitman - isto porque a interpretação pode tão facilmente ser considerada principal como secundária, como penso que irá acontecer - o que o fará (tendo em conta o papel), se o filme tiver sucesso, um dos favoritos a vencer.


Além da grande percentagem de regressos que comummente pautam as listas de nomeados aos Óscares todos os anos, constam sempre nomes novos (não o ano passado mas, como já referido, foi uma excepção).  Tony Danza ("Don Jon") numa espécie de prémio por uma carreira relevante na indústria (e parcialmente porque toda a gente gosta do homem), Will Forte ("Nebraska") se o filme cativar muitos membros da Academia e arrastar consigo algumas nomeações menos óbvias para lá de argumento, realizador, filme e actor - o mesmo é aplicável a Jared Leto ("Dallas Buyers Club"), Daniel Brühl ("Rush") porque todos os anos há sempre um actor com uma transformação física espantosa na conversação, Tim Roth ("Grace of Monaco") pelas mesmas razões de Will Forte só que muda actor para actriz - o mesmo se aplica a Steve Coogan ("Philomena") e a Benedict Cumberbatch ("August: Osage County"), se bem que este tem ainda o bónus adicional de estar no momento exacto e na transição para A-List para esta premiação suceder. Falta ainda referir o homem camaleão, um dos verdadeiros character actors da actualidade, que surge em vários filmes por ano e em todos é bom mas acaba sempre por não obter reconhecimento - será este o ano de John Goodman? E por que filme? "Saving Mr. Banks", "Inside Llewyn Davis" (pelas críticas, o mais provável) ou "The Monuments Men"?

Pergunta final: e começar a montar uma campanha para Ewan McGregor ser nomeado por "August: Osage County"? É que não é só "Moulin Rouge!", "Trainspotting", "Velvet Goldmine", "Shallow Grave", "Big Fish", "Young Adam"... Já vai numa sequência seguida de grandes interpretações - "I Love You Philip Morris", "The Ghost  Writer", "Beginners", "The Impossible"... Quanto mais tempo demorarem, Academia, maior é a vergonha...


Previsão dos nomeados:
Javier Bardem, "The Counselor"
Bradley Cooper, "American Hustle"
Michael Fassbender, "12 Years a Slave"
Matthew McConaughey, "Wolf of Wall Street"
Mark Ruffalo, "Foxcatcher"

Previsões Óscares 2013 (I): Actor



MELHOR ACTOR

Falemos agora de melhor actor.  A categoria parece, para já, repleta de potenciais candidatos. A época de festivais deverá ajudar a separar os reais competidores de quem não veio para concorrer a sério. O campo parece promissor, com antigos vencedores, os veteranos, os habitués e o sangue novo à caça do prémio mais ambicionado do planeta. Vamos por partes.

Veteranos


Robert Redford (por "All is Lost" de J.C. Chandor) e Bruce Dern (por "Nebraska" de Alexander Payne) estiveram em destaque no festival de Cannes, tendo mesmo o último vencido o prémio de melhor interpretação masculina do certame. Tudo indica que ambos terão que ser levados a sério para vencer o troféu - tanto um como outro são muito queridos pela indústria e não obstante Dern nunca ter sido nomeado pela Academia apesar da sua longa carreira, Redford - que já tem Óscares (por "Ordinary People") - nunca venceu um Óscar por representação, sendo um dos maiores actores vivos. Uma corrida a dois que promete.


Antigos Vencedores


O duplo vencedor Tom Hanks espera imitar Denzel Washington o ano passado e também ele voltar às nomeações por "Captain Phillips" de Paul Greengrass. Também Forrest Whitaker, que não tem levantado grande entusiasmo na sua carreira depois da sua vitória em 2007, está de volta com "The Butler" de Lee  Daniels. E apesar de não haver grande confiança no projecto - aguardamos notícias de Toronto - Colin Firth é sempre alguém a ter em conta na corrida, desta feita por "The Railway Man".


Os Habitués


No topo da lista de actores com mais prestígio sem Óscar está Leonardo DiCaprio - algo que é inadmissível para alguns. Confesso que é um actor que me é indiferente - e precisa de mostrar novas facetas para levar o prémio. Depois de "Django Unchained" e "The Great Gatsby", esta colaboração mais colorida com Scorsese em "The Wolf of Wall Street" poderá finalmente trazer-lhe sucesso. Outro grande candidato - embora não seja habitual nas cerimónias, tem que ser considerado aqui, até porque já venceu um Óscar, se bem que noutra categoria - é Christian Bale, com duas possibilidades este ano - "American Hustle" de David O. Russell e "Out of the Furnace" de Scott Cooper. Qualquer um dos dois é uma boa aposta. Esperar para ver qual - se algum - será candidato a sério. Depois de ter sido provavelmente o segundo classificado da corrida do ano passado (ou pelo menos gosto de pensar que sim), Joaquin Phoenix volta este ano com mais duas películas: "Her" de Spike Jonze e "The Immigrant" de James Gray. Ambos os filmes parecem completamente desenquadrados com o tipo de filme que a Academia gosta de premiar mas seria qualquer coisa de sensacional se o actor conseguisse nova nomeação (talvez melhor sorte para o ano com "Inherent Vice"?). Depois temos a questão "The Monuments Men", o novo filme de George Clooney, que conta com um largo elenco mas que parece ser presidido pelo próprio ou por Matt Damon. Quando o filme for visto saberemos mais - inclusive se é para ser levado a sério - mas terá um protagonista declarado ou será como "Argo"? Finalmente, outros candidatos a considerar: Hugh Jackman e Jake Gylenhaal ("Prisoners"), Josh Brolin ("Labor Day" e "Oldboy") e Bradley Cooper ("Serena").


Sangue Novo


Quando se fala em sangue novo referimo-nos habitualmente a juventude. Contudo, da faixa etária mais jovem só duas possibilidades surgem à cabeça: Miles Teller por "The Spectacular Now" que não parece ter hipótese nenhuma e Michael B. Jordan, que protagoniza o êxito de Sundance "Fruitvale Station" e que pode alcançar uma nomeação fácil se (e é um grande se) o seu filme encantar o público como encantou a crítica - e os Weinstein fizerem uma campanha forte. No sangue novo quis incluir também gente que nunca foi nomeada (e que nalguns casos já devia ter sido) e que portanto poderá conseguir a primeira nomeação este ano. Falo de Michael Fassbender (por "The Counselor" de Ridley Scott), Chiwetel Elijofor (por "12 Years a Slave" de Steve McQueen), Steve Carell (por "Foxcatcher" de Bennett Miller), Idris Elba (por "Mandela: A Walk to Freedom"), Benedict Cumberbatch (por "The Fifth Estate" de Bill Condon), Oscar Isaac (por "Inside Llewyn Davis" dos irmãos Coen), James McAvoy (há muito à espera de uma nomeação, por "The Disappearance of Eleanor Rigby") e o rejuvenescido Matthew MacConaughey (por "Dallas Buyers Club" de Jean-Marc Vallée). Gostava de pensar que Mads Mikkelsen ("The Hunt") terá alguma hipótese - bem como Paul Rudd e Emile Hirsch ("Prince Avalanche") mas é mais fruto da minha imaginação que outra coisa. E que dizer do enigma Ben Stiller ("The Secret Life of Walter Mitty")?

De qualquer forma, aqui temos uma corrida interessante, com muitos candidatos. Arriscando uma lista de nomeados...


Previsão dos nomeados:
Christian Bale, "American Hustle" ou "Out of the Furnace"
Bruce Dern, "Nebraska"
Leonardo DiCaprio, "The Wolf of Wall Street"
Tom Hanks, "Captain Phillips"
Robert Redford, "All is Lost"


Previsões Óscares 2013 (I): Actriz


Com a peculiar possibilidade que surgiu na imprensa esta passada semana de Meryl Streep estar a planear competir na categoria de melhor actriz secundária aos próximos Óscares por "August: Osage County" (filme, relembre-se, baseado na peça premiada com um Pulitzer de Tracy Letts, na qual a sua personagem, Violet Weston, é claramente uma co-protagonista), lembrei-me que já era tempo de começar a alinhavar qualquer coisa no que a previsões diz respeito. Então cá estão as minhas primeiras previsões aos Óscares de 2013, começando pela categoria de melhor actriz.

MELHOR ACTRIZ


Dos filmes já vistos, um concorrente firme já surgiu: Cate Blanchett em "Blue Jasmine" de Woody Allen conquistou as tão ambicionadas críticas brilhantes que uma interpretação como a sua precisava para vincar a sua posição na corrida. Será uma montanha complicada de trepar, uma vez que só por uma vez o grande Woody Allen conseguiu uma nomeação para uma actriz principal dos seus dramas (a lendária Geraldine Page, por "Interiors"; adenda: eu tive de corrigir para dramas, porque não tinha incluído, como bem me apontaram, a vitória de Diane Keaton por "Annie Hall"; o meu ponto de vista era que em dramas, o velho Woody não tem tanto sucesso na Academia). Outros concorrentes já conhecidos e com alguma - apesar de mínima - hipótese na corrida são a Berenice Bejo por "Le Passé" de Ashgar Farhadi ("A Separation") e a Julie Delpy pela terceira parte da trilogia de Richard Linklater, "Before Midnight". Ambos os filmes parecem mais destinados a nomeações na categoria de melhor argumento original do que aqui, embora se a competição encurtar, os seus nomes provavelmente virão à baila com os críticos e aí, tudo pode acontecer. Em Cannes também a tipicamente excelente Marion Cotillard obteve boas críticas pela sua prestação em "The Immigrant" de James Gray; contudo, apesar da personagem parecer conter traços que a Academia noutro filme festejaria de bom grado, Gray, Phoenix e a própria Cotillard não parecem merecer uma simpatia global capaz de lhe conseguir essa nomeação (se não conseguiu o ano passado por "Rust and Bone", dificilmente o fará este ano). [adenda: esqueci-me de mencionar aqui Adele Exarchopoulos de "Blue is the Warmest  Color" que vários críticos americanos consideram uma fortíssima possibilidade a nomeação]


Diria que as suas hipóteses são mínimas porque com a queda da folha chegam os pesos pesados. À cabeça está Amy Adams, aparentemente transcendente (ainda mais?) em "American Hustle" de David O. Russell. Diz quem sabe que o papel é fantástico, que ela é extraordinária nele, que mostra uma faceta desconhecida do público e da crítica até agora e que será, possivelmente, o melhor O. Russell até agora. Expectativas no alto. Estamos a falar de uma actriz quadruplamente nomeada. Depois temos a situação Meryl Streep. Se a nomeação vier como actriz secundária, a categoria basicamente estará ganha. Mas irá a Academia aceitar esta situação a bem? Veremos. De "August: Osage County" também temos outra candidata de peso: Julia Roberts, de volta aos grandes papéis. Será que a crítica, o público e a Academia se vão voltar a juntar num festival we-love-Julia como em 2000? Os Weinstein parecem estar a apostar grande neste filme. As outras duas grandes jogadas no seu baralho passam pela narrativa "a Judi Dench nunca venceu um Óscar de actriz principal e pode ser esta a sua última oportunidade" - a septuagenária protagoniza o novo filme de Stephen Frears, "Philomena", e parece fabulosa nele - e "a Nicole Kidman é a Grace Kelly". Não há dúvida que no caso desta última parece uma jogada de risco - por cada "The Hours" se faz um "Cold Mountain", não é verdade? A qual dos lados do espectro irá "Grace of Monaco" pertencer? A mesma pergunta se faz sobre Naomi Watts em "Diana", ainda por cima tendo em conta a distribuidora que comprou os direitos do filme e o facto do buzz em Cannes ser inexistente, sendo que seria à partida uma venda fácil.


Provavelmente também não será sensato descartar das contas as duas principais candidatas ao troféu o ano passado, de volta à competição este ano, Jennifer Lawrence em "Serena" da Oscarizada Suzanne Bier ("In a Better World") e Jessica Chastain em "The Disappearance of Eleanor Rigby", um filme bipartido, que conta a história da perspectiva do membro masculino e do membro feminino do casal, o que garantirá à partida alguma curiosidade adicional sobre o projecto. Da faixa etária mais jovem ouvem-se boas coisas sobre a prestação de Brie Larson em "Short Term 12" e de Greta Gerwig em "Frances Ha" de Noah Baumbach, mas será algo sensacional se alguma das duas chegar a fase avançada da corrida. O mesmo diria de Shailene Woodley por "The Spectacular Now" de James Ponsoldt e Felicity Jones no segundo filme de Ralph Fiennes, "The Invisible Woman" (se Vanessa Redgrave foi esquecida por "Coriolanus", que real chance tem Jones?) 


E finalmente falta falarmos de três antigas vencedoras da categoria, de regresso para tentarem mais um prémio: Kate Winslet em "Labor Day" de Jason Reitman é sempre uma aposta segura se o filme tiver boas críticas, Sandra Bullock tenta vencer os críticos mais acérrimos da sua interpretação vencedora em 2009 emparelhando com o reputado visionário Alfonso Cuarón em "Gravity" e a amada Emma Thompson interpreta P.L. Travers, a opinionada escritora de Mary Poppins, em "Saving Mr. Banks", um dos - diz-se - grandes candidatos a mais nomeações no dia do anúncio. 

Por esta altura, então, como ficamos?

Previsão das nomeadas:
Amy Adams, "American Hustle"
Judi Dench, "Philomena"
Meryl Streep ou Julia Roberts, "August: Osage County"
Emma Thompson, "Saving Mr. Banks"
Kate Winslet, "Labor Day"

Previsões e indecisões, a poucas horas dos Óscares


Adivinha-se uma madrugada complicada para os gurus dos Óscares. Com mais de uma dezena de corridas ainda por solucionar, com poucos vencedores já verdadeiramente garantidos e sem se perceber muito bem se a Academia vai ser mais audaciosa ou mais conservadora do que o habitual, a noite dos Óscares deste ano promete. Já troquei as minhas previsões mais que uma dezena de vezes e mesmo assim continuo sem grande certeza. Deixo já ficar o aviso, para quem se quiser aventurar a fazer um brilharete: não me parece que vamos ter uma noite para percentagens de acerto em condições. Alguns vão-se sair muito bem, claro, como sempre. Mas a maioria vai ficar decerto triste com o resultado final. Eu tentei um meio-termo entre a segurança e o instinto e mesmo assim acho que não consigo nem 50% de acerto (só mesmo com alternativas). 

Cá vos deixo, então, os meus raciocínios e palpites:


Melhor Filme
"Argo" (alternativa: "Silver Linings Playbook")
Em teoria, o prémio é de "Argo". Depois de ter feito a limpeza geral dos troféus de Melhor Filme por todo o lado que passou, dos críticos aos Globos até aos prémios em terra de sua Majestade, o thriller de Ben Affleck parece em boa posição para reinar sobre o certame deste ano. A minha segunda hipótese, tendo em conta o potencial amor de alguns sectores da Academia e o factor Harvey Weinstein, é "Silver Linings Playbook". Sim, considero que será o segundo mais votado, acima de "Life of Pi" e "Lincoln". Tempos houve que achava que "Lincoln" ganharia as principais categorias à mesma; a corrida não me parece da mesma forma.

Melhor Realizador
Ang Lee, "Life of Pi" (alternativa: Steven Spielberg, "Lincoln")
Nem sei que pensar. Consigo excluir Behn Zeitlin e pouco mais. Haneke como surpresa da noite parece-me possível - embora ache que é bem mais provável surpreender Tarantino em Argumento Original - e Lee e Spielberg, teoricamente, serão os dois mais votados. Teoricamente. Na prática, não será que "Silver Linings Playbook", admirado em vários circuitos - especialmente o dos actores, que é o maior da Academia - não conseguirá mais votos e assim empurrar David O. Russell para a vitória? Com zero segurança, vou à luta com Lee e Spielberg mas temo uma vitória para O. Russell.

Melhor Actor
Daniel Day-Lewis, "Lincoln" (alternativa: Bradley Cooper, "Silver Linings Playbook")
Negócio fechado, Daniel Day-Lewis leva o terceiro Óscar para casa. Por muito que eu gostasse de ver o enorme Joaquin Phoenix (que tem sempre azar nos anos em que é nomeado) ou um dos novatos da categoria premiado - Jackman ou Cooper - para variar, não há como fugir ao actor irlandês. Junta-se a Bergman, Streep, Brennan, Nicholson e Hepburn no clube dos 3+ Óscares.

Melhor Actriz
Jennifer Lawrence, "Silver Linings Playbook" (alternativa: Emmanuelle Riva, "Amour")
Era uma luta a dois, mas nós não sabíamos era que duas. A 'coça', passe a expressão, que Lawrence deu a Chastain acaba por explicar a minha escolha. Se tivesse havido disputa entre as duas e agora entrasse Riva em sobressalto, era capaz de apostar na francesa. Como Lawrence já vem dominando a categoria e o buzz desde que o filme saiu de Toronto, é-me difícil ver Riva a levar o prémio. Era das melhores surpresas que poderiam acontecer e terei certamente pena de não ter previsto Riva em vez de Lawrence, mas todas as indicações apontam para a vitória da americana - ausência de precursores para Riva e o facto de que interpretações estrangeiras premiadas só as de Cruz, Loren e Cotillard (todas jovens na altura) e todas em circunstâncias especiais (Cruz não teria vencido Winslet se esta tivesse sido nomeada como Actriz Secundária, Loren e Cotillard foram dois verdadeiros upsets então e Cotillard fez de Piaf - Oscar bait! - e Loren ganhou numa altura que filmes estrangeiros tinham mais amor dentro da Academia). O único precedente que chega perto é a vitória de Tandy sobre Pfeiffer em 1989, só que nesse caso estamos a falar de uma gigante do teatro americano num filme vencedor de Melhor Filme e rei da bilheteira contra uma actriz a subir em Hollywood (provavelmente achavam que teriam outra hipótese de premiá-la). Muita indecisão, mas fico-me pela Lawrence. Quem troca Streep por Bullock... Não me merece confiança.


Melhor Actor Secundário
Christoph Waltz, "Django Unchained" (alternativa: Tommy Lee Jones, "Lincoln")
Qualquer um dos cinco pode ganhar. Arkin depende de quantos prémios "Argo" levar, DeNiro tem feito campanha como doido, Waltz e Hoffman são protagonistas nos seus filmes - vantagem enorme sobre os outros competidores - e Lee Jones era suposto ser o favorito e de facto venceu o SAG. Se houver repartição dos votos, Lee Jones ganhará, porque tem o voto dos actores, o contingente maior da Academia. O meu raciocínio para escolher Waltz é, contudo, bastante simples. Se Tarantino ganhar Argumento Original, Waltz também vence Actor Secundário. Como eu acho que Tarantino vai ganhar, por consequência aposto em Waltz também em primeiro. A Internet acha, no geral, que vai para DeNiro. Todavia: irá a Academia premiar DeNiro, outrora favorito mas que não era nomeado há 22 anos e andou mais de uma década em papéis imerecedores do seu talento?

Melhor Actriz Secundária
Anne Hathaway, "Les Misérables" (alternativa: Sally Field, "Lincoln")
Mais uma corrida para lá de resolvida. Anne Hathaway vai vencer o seu primeiro Óscar. Penso que não cansou demasiado a imprensa e a Academia com a irritante personalidade que exibiu durante toda a temporada de campanha. Se não for ela, será Field. Mas não contem com isso.

Melhor Argumento Original
"Django Unchained" (alternativa: "Amour")
De entre "Django Unchained" (vencedor do Globo e do BAFTA), "Zero Dark Thirty" (vencedor do Critics' Choice e do WGA) e "Amour", qual soa a mais favorito? Eu diria Tarantino, mas Boal ou Haneke têm boas hipóteses de surpreender. Em 2009, eu apostei em Boal à última hora, quando a maioria diria Tarantino. É que Boal tinha vencido o BAFTA e o WGA e era o argumento do mais que provável Melhor Filme do ano. Era difícil a Tarantino batê-lo. Este ano, contudo, Boal já venceu e "Zero Dark Thirty" viu o seu buzz cair a pique com a controvérsia da tortura e Haneke, que obviamente parecia favorito a vencer o BAFTA, perde-o para Tarantino. Será um sinal?

Melhor Argumento Adaptado
"Argo" (alternativa: "Silver Linings Playbook")
Ainda me recordo com saudade quando Kushner, há um mês, tinha este prémio na mão. Como um mês pode mudar uma corrida. Chris Terrio lá conseguiu aproveitar o furacão "Argo" e agora parece ter o prémio à mão de semear. Se não for "Argo", soa-me que "Silver Linings Playbook" e David O. Russell poderão ter aqui um prémio de consolação por não lhe poderem dar mais nada. Em terceiro lugar vem "Lincoln". Qualquer um dos três pode, contudo, ganhar. Nada garantido.

Melhor Filme Animação
"Brave" (alternativa: "Wreck-it Ralph")
Uma categoria curiosa, que acabou por se resumir a uma luta entre o moderno e inovador "Wreck-it Ralph" e o mais tradicional "Brave", da Pixar, quando muitos esperavam que Tim Burton, numa jogada digna do destino, conseguisse o seu primeiro Óscar onde começou a trabalhar no cinema, na animação. Parecia perfeito, mas não sucedeu. A Pixar ganhou 6 das suas 9 nomeações nesta categoria, mas o filme que mais parece da Pixar é "Ralph", não "Brave", que se assemelha mais aos filmes de princesa da casa mãe, o que aparentemente lhe poderá dar vantagem. O Annie foi para "Ralph", bem como o PGA, mas "Brave" foi a escolha (mais segura, parece-me) dos Globos e dos BAFTA. Que escolher, que escolher? Olhem, eu cá vou com "Brave", mais não seja porque a Academia por vezes arma-se em múmia e aposta mais no familiar (ver "Shrek", "Wallace & Gromit", "Happy Feet", "Up"). Esta é, apesar de tudo, uma aposta que aposto que não vai resultar e "Ralph" vai levar o Óscar.


Melhor Filme Estrangeiro
"Amour" (alternativa: "No")
Haneke já perdeu esta categoria antes, quando poucos o previam ("The White Ribbon", 2009). Não me parece que tal vai acontecer este ano. "Amour" foi nomeado a Melhor Filme, com mais três nomeações adicionais além desta de Melhor Filme Estrangeiro. "No", "Kon Tiki" e "War Witch" quase não foram vistos. Resta "A Royal Affair" e quem é que tem vontade de apostar neste filme para surpreender "Amour"? Pois.

Melhor Documentário
"Searching for Sugarman" (alternativa: "How To Survive a Plague")
Quando um só documentário ganha os prémios todos, ou é muito bom ou a categoria está muito má. Seja como seja, depois de vencer virtualmente tudo, como apostar contra "Sugarman"? Pelo assunto, parece-me que os opositores imediatos seriam "Plague" e "The Invisible War", mas é improvável que cheguem sequer perto do favorito.

Melhor Produção Artística
"Anna Karenina" (alternativa: "Life of Pi") "Lincoln"
Temo muito que a mestria do design de "Anna Karenina" vá passar ao lado do Óscar em detrimento do não menos meritório mas em última análise menos contributivo trabalho de "Life of Pi" ou "Les Misérables". "Karenina" não teria funcionado sem a sua inteligente produção. Dos outros, já não digo o mesmo.

Melhor Fotografia
"Life of Pi" (alternativa: "Skyfall")
Fotografia e Efeitos Visuais - dois prémios que dificilmente não vão acabar nas mãos da equipa de "Life of Pi", tal como em 2010 ("Inception") e 2011 ("Hugo"). O oponente a Fotografia será Roger Deakins, que com dez nomeações e uma carreira lendária ainda não venceu uma estatueta. Seria merecido pelo seu magnífico trabalho em "Skyfall", mas o que Claudio Miranda fez em "Life of Pi" é também igualmente fantástico. Qualquer um que ganhe, será merecido. 

Melhores Efeitos Visuais
"Life of Pi" (alternativa: "Prometheus")
E o adversário em Efeitos Visuais será ou "Prometheus" ou "The Hobbit", mas não me parece sequer que tenham hipótese. O trabalho em CGI no tigre Richard Parker merece, só por si, mil Óscares. 


Melhor Música Original
"Skyfall" (alternativa: não precisa de ter, mas "Suddenly")
A vitória mais segura da noite? Adele vai juntar aos Grammys ganhos um Óscar.

Melhor Banda Sonora Original
"Life of Pi" (alternativa: "Argo")
Voto em Mychael Danna porque foi, no fundo, a escolha mais consensual no circuito - foi nomeado a todos os prémios, ainda não venceu apesar de longa carreira, reúne a maioria de géneros musicais numa banda sonora e está num filme com onze nomeações. Se a "Life of Pi" se atirar um ou outro Óscar pelo seu contributo técnico, este será dos mais fáceis a dar. Cuidado com Desplat, que ainda (!) não venceu um Óscar e Williams, sempre perigoso descartar. Acredito que o voto britânico em Thomas Newman, como aconteceu nos BAFTA, não se irá repetir aqui.

Melhor Guarda-Roupa
"Anna Karenina" (alternativa: "Mirror, Mirror")
"Anna Karenina" é o natural favorito - e Jacqueline Durran, que já devia ter vencido em 2007, lá vai segurar, se tudo correr bem, um merecido Óscar. No entanto, a memória saudosista da iconoclástica Eiko Ishioka poderá prevalecer e a japonesa vencer, a título póstumo, o troféu.

Melhor Edição / Montagem
"Argo" (alternativa: "Zero Dark Thirty")
William Goldenberg vai vencer o Óscar. Isso de certeza. Por qual dos filmes é que não se sabe. "Argo",  por ser o candidato principal a Melhor Filme, é o mais provável, até por ter sido o vencedor da maioria dos prémios de Edição da campanha deste ano. "Zero Dark Thirty" é indiscutivelmente o melhor trabalho dos cinco nomeados e será o segundo mais votado. "Life of Pi" contentar-se-á com o terceiro lugar. E depois deles virão "Lincoln" e "Silver Linings Playbook", os dois filmes que não me parece que tenham hipótese de vencer este prémio.


Melhores Efeitos Sonoros (Edição Som)
"Life of Pi" (alternativa: "Zero Dark Thirty")
Difícil decisão entre "Life of Pi", "Skyfall" e "Zero Dark Thirty". No fundo, é uma questão de sorte acertar no vencedor. A razão diz-me que "Zero Dark Thirty" é o melhor de longe e por isso será fácil à Academia no seu todo ver isso. Contudo, se pensarmos que "Life of Pi" vai em teoria limpar as categorias técnicas, este não será um prémio fácil de conseguir? E "Skyfall", uma das histórias de sucesso do ano, só leva Canção Original para casa? Nenhuma categoria técnica para o filme de acção do ano - pelo menos para a Academia? 

Melhor Mistura Som
"Les Misérables" (alternativa: "Skyfall")
A campanha fortíssima feita pela equipa de "Les Misérables" acerca da música gravada ao vivo no set garantiu, penso eu, esta estatueta. Foi o que se ouviu o ano todo. O pobre Greg P. Russell vai voltar a ser a dama de honor e ver passar a noiva, por assim dizer (16 nomeações / 0 vitórias).

Melhor Maquilhagem e Cabelo
"Les Misérables" (alternativa: "The Hobbit")
Assumindo que "Hitchcock" teve como prenda esta miserável nomeação, a corrida é entre os outros dois. "The Hobbit" é a escolha sensata, mas será que esse filme entusiasma realmente alguém para lhe darem o prémio? Parece-me a mim que será mais uma vitória para a team Les Mis.

Melhor Curta, Animação
"Paperman" (alternativa: "Adam and Dog")
Muitas vezes, o favorito e mais conhecido não vence esta categoria. Neste caso, porém, parece-me que "Paperman" reúne o factor artístico e o factor popular necessários para triunfar. Se não for o caso, "Adam and Dog", o vencedor do Annie, sairá por cima.

Melhor Curta, Live Action
"Curfew" (alternativa: "Asad")
É sempre uma das categorias que não consigo acompanhar e por isso a previsão depende muito do tema e do que ouço falar pela Internet fora. "Curfew", "Asad" e "Buzashky Boys" são os mais falados. Dos três, a vitória para "Curfew" parece-me a mais provável.

Melhor Curta, Documentário
"Open Heart" (alternativa: "Inocente")
Um palpite, mais nada. "Mondays at Racine" também poderá ganhar.



Acerto: 21 em 24 sem alternativas (87,5%) | 23 em 24 com alternativas (95,8%)
Uma excelente noite, que nada fazia prever.


Previsões Óscares - finais (a 2h das nomeações)


E é mesmo!

Peço desculpa pelo atraso, mas quando as acabei ontem já estava demasiado cansado para as vir cá colocar. Cá ficam, de qualquer forma. Deixo o aviso: se vos parecerem demasiado absurdas, é porque se  calhar são. Nesta altura, a percentagem de acerto pouco me importa. O que importa é acertar nas coisas que mais ninguém adivinha. Essa é que é a piada do jogo.

Dentro de 2h, Emma Stone e Seth MacFarlane anunciarão os nomeados de 2012

Melhor Filme
"Argo"
"Lincoln"
"Zero Dark Thirty"
"Silver Linings Playbook"
"Les Misérables"
"Life of Pi"
"Django Unchained"
Estou a prever sete - até dez diria:
"The Master"
"Beasts of the Southern Wild"
"Amour"
Alternativa: "Moonrise Kingdom"

São os dez títulos que mais têm aparecido em listas. Adicionei o "Amour" porque tenho um pressentimento que se sairá bem com a Academia.

Melhor Realizador
Steven Spielberg, "Lincoln"
Ben Affleck, "Argo"
Kathryn Bigelow, "Zero Dark Thirty"
Ang Lee, "Life of Pi"
Tom Hooper, "Les Misérables"
Alternativa: Paul Thomas Anderson, "The Master"

No final, para mim, só os três primeiros estão seguros. Consigo ver perfeitamente O'Russell, Haneke, Paul Thomas Anderson, entre outros, a roubar um dos dois últimos lugares. Contudo, não serão as minhas duas escolhas as melhores apostas? 

Melhor Actor
Daniel Day-Lewis, "Lincoln"
Denzel Washington, "Flight"
Hugh Jackman, "Les Misérables"
Bradley Cooper, "Silver Linings Playbook"
Joaquin Phoenix, "The Master"
Alternativa: John Hawkes, "The Sessions"

Cooper tem aparecido mais do que eu esperava e como todos sabemos Hollywood adora coroar uma nova história de sucesso. Hawkes vinha sendo previsto desde Sundance e embora eu ainda ache que é plausível ele surgir aqui arrumando com Phoenix, se formos a ver, quem é que vai garantir mais votos #1? A seguir a Day-Lewis e Jackman, não será Phoenix? E se aparecer outro quinto nomeado (à la BAFTA ontem, que sacaram um Ben Affleck da cartola)? Tudo é possível.

Melhor Actriz
Jennifer Lawrence, "Silver Linings Playbook"
Jessica Chastain, "Zero Dark Thirty"
Naomi Watts, "The Impossible"
Marion Cotillard, "Rust and Bone"
Helen Mirren, "Hitchcock"
Alternativa: Emmanuelle Riva, "Amour"

Não consigo ver segurança na nomeação da Naomi, ao contrário da maioria da blogosfera. No entanto, se for nomeada, não vos parece que o buzz em torno da performance a pode levar mesmo a ganhar? A somar ao SAG, Globo e BAFTA que a actriz conseguiu, parece... segura? Bem, enfim. Cotillard parece também mais garantida que Riva, Wallis ou Weisz mas não conseguem facilmente visualizar uma situação em que ela não apareça? Hmm. E o que fazer de Helen Mirren... Eu gostava de ser ambicioso e arriscar Riva mas sem virtualmente nenhum precursor à excepção do prémio de críticos de Los Angeles e com Helen Mirren a fazer de Helen Mirren (coisa que a Academia dificilmente resiste) tenho dificuldade em encaixá-la nos nomeados. Não vos parece que neste tipo de anos que a Academia tem fracos nomeados são os anos que a Academia mais inventa (tipo Helen Mirren em 2009, Judi Dench em 2006)? Pois. Vai a Helen, sonho com a Riva.

Melhor Actor Secundário
Tommy Lee Jones, "Lincoln"
Philip Seymour Hoffman, "The Master"
Alan Arkin, "Argo"
Robert deNiro, "Silver Linings Playbook"
Christoph Waltz, "Django Unchained"
Alternativa: Javier Bardem, "Skyfall"

Eu ainda não acredito que a categoria solidificou em torno destes quatro (Jones, Hoffman, deNiro, Arkin), mas assim é. Redmayne, Waltz, DiCaprio, McConaughey, quem será o último? E se viesse um John Goodman, um Bryan Cranston ou outro assim que ninguém esperasse? Seria interessante. Acredito que DiCaprio ou Waltz consigam votos suficientes para conseguir o último lugar. Tendo em conta que Waltz é protagonista, aparece o filme todo mas é considerado secundário e recicla a interpretação de "Basterds", diria que é mais óbvio para mim vê-lo nomeado. Um grande ponto de interrogação: Javier Bardem, "Skyfall".

Melhor Actriz Secundária
Anne Hathaway, "Les Misérables"
Sally Field, "Lincoln"
Helen Hunt, "The Sessions"
Maggie Smith, "The Best Exotic Marigold Hotel"
Amy Adams, "The Master"
Alternativa: Nicole Kidman, "The Paperboy"

Aqui reside o meu principal problema. Amy Adams. Como a tirar? Como não a deixar? Ela entrou e saiu da lista dos precursores, por troca com Nicole Kidman e Judi Dench. Mas alguém imagina que uma destas interpretações seja nomeada pela Academia acima de Adams ou Smith? Smith já preenche o requisito 'old Dame we love to love' por isso Dench não ganha pontos aí. "Skyfall" ainda lhe retira pontos extra porque a Academia não gosta de James Bond. Kidman é fácil de explicar a hesitação: QUANTOS na Academia é que se vão atrever a ver "The Paperboy"? Se muitos, ela é garantidamente nomeada. Mas é preciso ser vista. Outras incógnitas que podem abanar a corrida: Jacki Weaver. Jennifer Ehle. Samantha Barks. Terão poder? Duvido. Mas cá fica o aviso. 

Melhor Argumento Original
"Zero Dark Thirty"
"Amour"
"Django Unchained"
"Moonrise Kingdom"
"Looper"
Alternativa: "The Master"

Melhor Argumento Adaptado
"Lincoln"
"Argo"
"Silver Linings Playbook"
"Life of Pi"
"Beasts of the Southern Wild"
Alternativa: "The Perks of Being a Wallflower"

Porque muitas vezes estas categorias renunciam ao óbvio e fazem umas escolhas surpreendentes.

Melhor Filme Animado
"Brave"
"Frankenweenie"
"Wreck-it Ralph"
"ParaNorman"
"Le Tableau"
Alternativa: "Rabbi's Cat"

Há sempre um falhanço high profile nesta categoria todos os anos e entre "ParaNorman" e "Rise of the Guardians" um cederá (talvez não), porque um dos cinco lugares disponíveis costuma ir para uma preciosidade estrangeira (os dois com mais buzz são estes e entre os dois parece-me que "Le Tableau" soa melhor).

Melhor Filme Estrangeiro
"Amour"
"The Intouchables"
"No"
"A Royal Affair"
"War Witch"
Alternativa: "Beyond the Hills"

Zero confiança que "Beyond the Hills" ou "Sister" cheguem aos cinco finalistas. Não sei explicar, parte disto é a ridícula capacidade de selecção da Academia nesta categoria. Parte disto é o facto que nenhum dos filmes se enquadra tipicamente no estilo de filmes nomeados nesta categoria ao longo dos anos. Por isso é que apesar de parecem o mais óbvio, coloquei no seu lugar "War Witch" (filmes com base africana tendem a sair-se bem). "No" também me parece muito duvidoso mas o que colocar em seu lugar? Um dos filmes desastre ao dispor? Hmm. Ter Gael Garcia Bernal dá visibilidade e por isso confio que arranque uma nomeação.

Melhor Maquilhagem e Cabelo
"Lincoln"
"The Hobbit"
"Les Misérables"
Alternativa: "Hitchcock"

Parece-me o mais sensato.

Melhor Guarda-Roupa
"Anna Karenina"
"Les Misérables"
"Lincoln"
"Django Unchained"
"A Royal Affair"
Alternativa: "Mirror, Mirror"

A nomeação póstuma para "Mirror Mirror" vai-me custar o acerto nesta categoria, está-me a parecer. Mas não é verdade que a Academia nunca resiste nesta categoria à realeza? Pois bem. Só se "Snow White" ou "Mirror, Mirror" for considerado nesse parâmetro. All in na minha aposta em "A Royal Affair". Esta é das poucas categorias da Academia em que não há problemas em nomear filmes estrangeiros.

Melhor Fotografia
"Lincoln"
"Life of Pi"
"Skyfall"
"Les Misérables"
"Zero Dark Thirty"
Alternativa: "The Master"

Kaminski, Miranda e Deakins parecem-me seguros. Aposta de última hora, troca entre "The Master" e "Zero Dark Thirty". A minha lógica por detrás desta decisão foi a seguinte: se Cohen consegue ser nomeado por "The King's Speech", não será para ele fácil ser nomeado por "Les Misérables"? E porque não Seamus McGarvey? Gostava de ter ponderado melhor.

Melhor Produção Artística
"Anna Karenina"
"Les Misérables"
"Lincoln"
"Django Unchained"
"The Hobbit"
Alternativa: "Life of Pi"

Ainda acredito que "Life of Pi" possa aparecer e roubar a nomeação a qualquer um dos cinco. O mesmo digo de "Skyfall".

Melhores Efeitos Visuais
"Life of Pi"
"The Hobbit"
"Prometheus"
"The Avengers"
"The Dark Knight Rises"
Alternativa: "Skyfall"

Exclusão de partes.

Melhor Edição (Montagem):
"Argo"
"Lincoln"
"Life of Pi"
"Zero Dark Thirty"
"Les Misérables"
Alternativa: "Skyfall"

Talvez demasiado sonhador com a aposta em "Les Misérables" mas enfim. Normalmente esta categoria é para os melhores filmes do ano.

Melhor Banda Sonora
"Argo"
"Life of Pi"
"Lincoln"
"Anna Karenina"
"Beasts of the Southern Wild"
Alternativa: Johnny Greenwood, "The Master"

Tantas indecisões, com oito candidatos a cinco poleiros (a juntar a estes seis, "Cloud Atlas" e "Brave"). No fim, fui com o coração: como é possível alguém da Academia ver "Beasts" e não pensar que a música é o melhor do filme - que por si só é muito bom? Se não for "Beasts", recompensarão Greenwood pelo roubo em 2007? Se não for Greenwood, será "Cloud Atlas" - irá Tom Twyker conseguir uma nomeação ao Óscar nesta categoria? Tantas indecisões.

Melhor Música Original
Suddenly, "Les Misérables"
Skyfall, "Skyfall"
Learn Me Right, "Brave"
Ancora Qui, "Django Unchained"
Still Alive, "Paul Williams: Still Alive"
Alternativa: Touch the Sky, "Brave"

Nem comento. Além das duas primeiras, tudo pode acontecer.

Melhores Efeitos Som (Edição Som)
"Zero Dark Thirty"
"The Dark Knight Rises"
"Skyfall"
"The Avengers"
"Life of Pi"
Alternativa: "The Hobbit"

Melhor Mistura de Som
"Zero Dark Thirty"
"Skyfall"
"The Dark Knight Rises
"The Avengers"
"Les Misérables"
Alternativa: "Life of Pi"

Melhor Documentário
"Searching for Sugarman"
"The Gatekeepers"
"How to Survive a Plague"
"The Invisible War"
"The Imposter"
Alternativa: "Chasing Ice"

Melhor Curta Animada
"Paperman
"Adam and Dog"
"The Eagleman Stag"
"Combustile"
"Head over Heels"
Alternativa: "Dripped"

Melhor Curta, Documentário
"Paraiso"
"Inocente"
"Education of Mohammad Hussein"
"Open Heart"
"Redemption"
Alternativa: "Mondays at Racine"

Melhor Curta, Live Action
"Curfew"
"Death of a Shadow"
"Buzasky Boys"
"A Fabrica"
"Henry"
Alternativa: "Salar"


Previsões Óscares - Outono: Actores e Actrizes



Já era hora, digam lá, já ganhava vergonha, ainda para mais um blogue que gosta de se armar em guru de cerimónias*! Eis que volto a fazer previsões aos Óscares, quando faltam pouco mais de quatro meses para a cerimónia do próximo ano (a ter lugar dia 24 de Fevereiro). Nesta altura, depois dos festivais de Toronto, Veneza, Telluride e Nova Iorque terem originado alguns candidatos e destruído outros e depois da poeira assentar, é mais fácil organizar na nossa cabeça os verdadeiros candidatos às nomeações e começar a anotar algumas apostas. A corrida começa finalmente a ganhar interesse. Começo pelas quatro categorias de representação e pelas duas principais em particular. 


MELHOR ACTRIZ

PROVÁVEIS 
(por ordem decrescente de probabilidade):

Jennifer Lawrence, "Silver Linings Playbook"
Marion Cotillard, "Rust and Bone"
Helen Mirren, "Hitchcock"
Naomi Watts, "The Impossible"
Meryl Streep, "Hope Springs"

OUTRAS POSSIBILIDADES:
Emmanuelle Riva, "Amour"
Quvenzhané Wallis, "Beasts of the Southern Wild"
Keira Knightley, "Anna Karenina"
Maggie Smith, "Quartet"
Amy Adams, "Trouble with the Curve"


Uma categoria que está muito difícil de ler, para além de Jennifer Lawrence que neste momento parece ter não só assegurada a nomeação, mas também a vitória. Teremos em princípio Marion Cotillard e Emmanuelle Riva a lutar pela vaga estrangeira, sendo que se é verdade que Emmanuelle Riva é tida como espectacular em "Amour", Cotillard recebeu críticas não menos elogiosas por "Rust and Bone", o que significa que ou ambas ficarão de fora, ou (o mais provável) é só uma ter lugar e o meu dinheiro está do lado da actriz Oscarizada que tem uma carreira crescente em Hollywood. Os Óscares gostam mais de voltar a premiar os seus. 


Jennifer Lawrence e Bradley Cooper, "Silver Linings Playbook"

"Hitchcock" é uma incógnita a este ponto mas assumindo que sendo a interpretação de Helen Mirren minimamente boa (como em "The Last Station"), eles a nomeiam, então é seguro dizer que as hipóteses dela por "Hitchcock", em que interpreta Alma Reville, a mulher do realizador mais famoso do planeta, são bastante boas. Da época de festivais começaram a vir ecos da interpretação de Naomi Watts em "The Impossible", a confirmar dentro de algumas semanas. Muitos asseguram que o filme - e Watts - são dignos de muitas nomeações. À falta de maiores certezas, deixo-a cá ficar. Vai ter que ser muito boa para ultrapassar a noção de um filme catástrofe ser nomeado para uma categoria major nos Óscares. Finalmente, apostei em Streep por duas razões: 1) o filme é bastante bom e ela e o Tommy Lee Jones são impecáveis e 2) não há grandes candidatos nesta categoria, o voto vai-se repartir e não será plausível que ela vá ser um dos nomes mais consensuais, até porque acabou de vencer o seu terceiro Óscar à 17ª nomeação? 


Meryl Streep e Tommy Lee Jones, "Hope Springs"

Das minhas outras possibilidades, era em Amy Adams que eu apostava mais mas apesar das boas indicações e críticas, o buzz não está lá. Pode ser que reapareça com os primeiros prémios de críticos. Maggie Smith e Keira Knightley precisam que os seus filmes ganhem mais buzz e que sejam abraçados pelos críticos para terem hipóteses. A outra grande questão da categoria é se Quvenzhané Wallis consegue ser nomeada ou não com a tenra idade de oito anos (ainda para mais depois de ter sido desqualificada pelos SAG). Em teoria penso que sim, razão pela qual que penso que facilmente Watts e Streep podem dar lugar a Riva e Wallis. Na prática... É difícil. É um filme pequeno, com buzz moderado e que dificilmente entrará em grandes nomeações. E depois vai haver gente do contra que há-de vir dizer que ela não representa, que tudo aquilo lhe vem naturalmente. Não sei. Para já, fico assim.


MELHOR ACTOR

PROVÁVEIS:

Daniel Day-Lewis, "Lincoln"
Joaquin Phoenix, "The Master"
John Hawkes, "The Sessions"
Denzel Washington, "Flight"
Hugh Jackman, "Les Misérables"

OUTRAS POSSIBILIDADES:
Anthony Hopkins, "Hitchcock"
Jean Louis Trintignant, "Amour"
Bradley Cooper, "Silver Linings Playbook"
Tom Hanks, "Cloud Atlas"
Tommy Lee Jones, "Hope Springs"

Aqui há menos dúvidas. Day-Lewis, Phoenix (mesmo com a campanha anti-Óscares deste) e Hawkes estão praticamente garantidos entre os nomeados, Denzel Washington vai a caminho e agora a luta é entre os lançamentos a caminho, "Hitchcock" e "Les Misérables". Se algum falhar, há candidatos para ocupar os seus lugares. Vamos por partes. Day-Lewis está seguríssimo, depois das críticas de Nova Iorque virem dar razão aos apostadores. Não será suficiente para uma terceira vitória, talvez, mas é uma nomeação que está garantida. De Phoenix pode-se dizer o mesmo. Aliás, pode-se dizer até que a vitória seria dele se fizesse  campanha. Como não o fez, irá à mesma ser nomeado, graças à sua fenomenal - diz-se - interpretação, mas ganhar... é mais difícil. Hawkes vem numa onda positiva de buzz desde Sundance, tem vindo a perder estofo mas com os primeiros prémios de críticos e as nomeações para Globos, Critics' Choice  e SAG este antigo nomeado ("Winter's Bone", 2010) devem ajudar a que a nomeação não fuja. 


Helen Mirren e Anthony Hopkins, "Hitchcock"

Denzel Washington só não está carimbado também porque a nomeação virá se o filme tiver sucesso na bilheteira (este tipo de dramas, para ganhar nomeações major, precisa de receita de bilheteira significativa, como "The Blind Side" conseguiu para Sandra Bullock) - tem para já a crítica do seu lado (e bem sabemos que a Academia gosta dele). A minha última vaga vai para um de três entre Trintignant (se Riva for nomeada, há boa probabilidade que "Amour" ganhe mais nomeações noutras categorias; uma delas é esta, porque Trintignant é tão bom como Riva e o filme vive do dueto dos dois), Hopkins (no trailer não impressionou; irá a interpretação no seu todo ser bastante melhor? E outra coisa: há quantos anos este Oscarizado actor não se mete num papel a sério?) e Jackman, que foi quem escolhi. "Les Misérables" tem grande potencial para ser o candidato de topo aos Óscares. Jackman é querido pela indústria (e pela Academia, a julgar pelo sucesso a apresentar em 2008), tem provas dadas no cinema e no teatro (ganhou um Tony em 2005) e tem uma excelente voz. Será desta? Relembremos que Tom Hooper conseguiu 3 nomeações para actores pelo seu último filme e que se este filme resultar, mais uma chuva de nomeações irá vir.


Emmanuelle Riva e Jean-Louis Trintignant, "Amour"

Outras opções bastante populares são Tom Hanks por "Cloud Atlas" (não consigo perceber qual vai ser a reacção geral do público e da Academia a este filme), Bradley Cooper ("Silver Linings Playbook" vai ser um dos grandes candidatos, quantas nomeações por arrasto vai conseguir? Cooper será um dos que à cabeça poderá usufruir e ele é, diz-se, muito bom) e Tommy Lee Jones (possibilidade remota, ainda para mais quando ele tem uma nomeação certa por "Lincoln" para Melhor Actriz Secundário à espreita). Ben Affleck ("Argo") pode também ser possível, se o filme arrastar consigo várias outras nomeações, bem como Jack Black ("Bernie") ou Matt Damon ("Promised Land"), que podem ser empurrados pelos críticos à la Demian Bichir o ano passado (ainda me custa que Michael Shannon tenha perdido essa corrida). E mais uma possibilidade que me lembrei agora: e se "The Master" gerasse dois protagonistas nomeados em vez de um, ao contrário do que a campanha sugere? O filme é supostamente um tête-à-tête entre Phoenix e Philip Seymour Hoffman, logo... Pode acontecer.



Philip Seymour Hoffman e Joaquin Phoenix, "The Master"

Não faço previsões


Mais logo decorre a entrega dos Emmys, os prémios major da televisão americana (como o João já fez questão de relembrar) e para variar, este ano, não faço previsões. Não as faço porque, pela primeira vez desde que comecei a acompanhar atentamente, não vou seguir a cerimónia. 


Ao invés de fazer apostas, vou deixar cá cinco desejos para logo (não interessa se se realizam ou não):


"Mad Men" vence de novo e vira recordista de Emmys para Melhor Drama: olhem, eu sou um confesso admirador de todos os nomeados da categoria (menos "Downton Abbey", que segunda temporada desastrosa!) e até considerava dar o prémio a todos. "Breaking Bad" e "Homeland" são ferozes competidores, de facto, mas o drama de época de Matthew Weiner continua a ser do mais alto quilate de produção televisiva. A quinta temporada é capaz de ser a minha favorita, em pé de igualdade com a enorme terceira temporada e assim sendo não hesito em dar-lhe, mais uma vez, o título de melhor série da televisão norte-americana. Uma achega: "The Good Wife" devia estar entre estes nomeados. Enfim.


Amy Poehler vença algum dos prémios para o qual está nomeada: é assim, eu não sou muito de defender que se apele a factores externos para justificar uma vitória neste tipo de cerimónias, mas se há alguém que merece que se tenha um bocado de pena do que se passa na vida pessoal e se aproveite e se premeie essa pessoa com um troféu, é Amy Poehler. Isto porque na categoria de Melhor Actriz, não há uma concorrente melhor que ela. Sim, também gosto da Julia Louis-Dreyfus no "Veep", mas o episódio que submeteu foi o único em que achei que a usaram no máximo das suas capacidades. A Melissa McCarthy e a Tina Fey estão nas nomeadas para fazer figura (se bem que Tina tem um episódio excepcionalmente bom este ano, fosse para o ano e era ela que vencia, por ser a última temporada de "30 Rock"), a Edie Falco foi nomeada para premiar a melhoria substancial da série dela este ano e a Zooey tem mais anos para ganhar (a isto junta-se o facto que meia Hollywood - aliás, meio mundo - a acha irritante). Portanto resta a Lena Dunham. Pessoal, eu gosto muito de "Girls", é muito bem escrita e realizada, mas a Lena Dunham, apesar de competente, não é das melhores actrizes de sempre. Já na outra categoria a que vai a votos, Poehler só perde para Chris McKenna ("Community"), mas tendo em conta aparentemente que tem vindo a crescer um  movimento anti-"Modern Family" (mais um ano ou dois e a coisa começa a estalar) e um Emmy para "Community" seria quase um sinal do apocalipse, vá lá, se roubarem o Emmy à Amy para Melhor Actriz, ao menos dêem-lhe para Melhor Escrita.


Eu adoro o Jim Parsons, mas por favor não lhe dêem outro Emmy: é assim, o Jim Parsons é bestial e um excelente actor, mas o Sheldon Cooper este ano parecia ter quase saído de um cartoon, de tão estereotipado que é. Salvo um ou outro episódio com alguma profundidade emocional, o Sheldon só apareceu este ano para inúmeras punchlines e ser motivo de risota pelos seus pânicos e medos habituais. Numa categoria que tem o Larry David mais acessível de sempre, um Louis C.K. de luxo e uma estrela de cinema como Don Cheadle numa interpretação bastante curiosa em "House of Lies" (nem peguemos em Jon Cryer e Alec Baldwin), é um insulto que se dê um terceiro Emmy a Parsons (ele que roubou um Emmy a Carell o ano passado) por brincar com um tambor. No. way.


Finalmente, um prémio grande da indústria para Julianne Moore: é um escândalo que esta mulher não tenha um Globo de Ouro, um Óscar, um BAFTA e um SAG com o seu nome gravado por "Far From Heaven". Nem preciso de escrever mais, a sua Sarah Palin vai para a história como uma das grandes interpretações televisivas não só do ano, mas da década. Se a Nicole Kidman lhe rouba o Emmy (ou a Connie Britton, também) por uma interpretação tão hórrida como a dela no telefilme "Hemingway and Gellhorn", lamento dizer que a sanidade da Academia está por um fio.


Proibir mais vitórias de "Modern Family" nas categorias secundárias: olhem, eu gosto de "Modern Family". Não sou o maior defensor da série, é um facto, acho que a terceira temporada foi na maior parte das vezes intragável mas quando a comédia funciona, é do melhor que há em televisão. Dito isto: estou farto que a Academia ache que todos os actores têm que ser nomeados. Não fizeram isso com "Friends", por exemplo. Não fizeram isso com "Sex & the City", "Will & Grace", "Seinfeld", "Cheers"... e a lista continua. O último exemplo recente que me lembro desta situação é o de "Everybody Loves Raymond" e o de "Frasier", que passavam a vida a entupir categorias onde actores muito melhores caberiam. Por favor, quem me disser que a Patricia Heaton mereceu os dois Emmys e as mil nomeações que teve acima da Courteney Cox, por exemplo, que se atire para dentro de um poço e lá fique. Voltando a "Modern Family"... Gente, eu acho que  o Ty Burrell, a Julie Bowen e o Eric Stonestreet merecem ser nomeados. E mereceram as três nomeações e a vitória que conseguiram. A sério que acho. Mas os outros? São típicas nomeações por arrasto. Estou para ver quando vai acabar e que consequências isso tem. Por exemplo, se isto continua mais um ano e "Parks & Recreation" for cancelado para o ano, vamos ter uma das personagens mais extraordinárias da televisão actual - Ron Swanson - completamente ignorado pela Academia, que preferiu abrir umas vagas para mais uns tristes de "Modern Family" não se sentirem excluídos? Santa paciência! Por tudo isto, eu peço à Academia que se lembre de dar o prémio ao Max Greenfield (era tão lindo!) e à Kristen Wiig. Os dois merecem. Muito. E são as melhores interpretações das suas categorias. Provavelmente ganharão de novo Ty e Julie, o que para mim também está muito bem.


E vocês: que cinco desejos esperam ver cumpridos na noite de hoje? Alguma surpresa que prevêem?