Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

DAFA 2010: Melhor Poster e Trailer




Bem-vindos à primeira edição dos Dial A For Awards, a cerimónia de prémios de cinema do nosso blogue, Dial P For Popcorn. Iremos revelar, categoria a categoria, os nossos seis nomeados e três vencedores entre aqueles que foram, para nós, os melhores filmes de 2010.

Em mais uma tentativa de acabar (finalmente) com os prémios de cinema - até porque os premiados em televisão estão já ao virar da esquina - aqui vão mais duas categorias dos meus prémios, Melhor Poster e Melhor Trailer.




MELHOR POSTER:
BLACK SWAN - #1
CATFISH
FISH TANK
I AM LOVE - #2
THE ART OF THE STEAL
THE RUNAWAYS - #3

Finalistas:
"Enter the Void"
"Happythankyoumoreplease"
 "Monsters"
"The Social Network"


Pelo impacto, pelo arrojo e pelo belíssimo efeito artístico presente em todos os posters, principalmente o conjunto internacional (aqui, aqui e aqui), "Black Swan" é presença obrigatória nesta lista. Para representar toda a colecção, escolhi este que é o meu favorito. Pela beleza, pela elegância, pela grandiosidade e pelo lírico estilo de letra, "I Am Love" é outra escolha inquestionável. O efeito aquário no poster alternativo de "Fish Tank" é merecedor de menção só por si, mas a ousadia por detrás do conceito torna-o realmente especial. "The Runaways" é exímio na forma como promove o assunto do filme não se impondo nenhum limite, vendendo pura sexualidade e irreverência. Icónico. "Catfish" consegue executar um conceito que poderia ter sido bastante errado, criando curiosidade pela forma como interliga as redes sociais e a expressão "Don't let anyone tell you what it is". O uso do estilo de letra e formato do Facebook e os usa para criar uma sombra estranha é um bónus delicioso. Finalmente, o design de "The Art of the Steal", reminiscente deste design de "Small Time Crooks", é inteligente, inspirado e apropriado, usando recortes de jornais. Brilhante impressão que deixa em quem vê o poster, criando interesse para o documentário.


MELHOR TRAILER:
BLACK SWAN - #2
INCEPTION (aqui)
SCOTT PILGRIM VS. THE WORLD (aqui)
SHUTTER ISLAND (aqui)
THE SOCIAL NETWORK - #1
TRUE GRIT - #3

#1:



Ousado, emocionante e, admitamos, um pouco bizarro.

#2:



Provocante, louco, chocante? Isso tudo e muito mais.

#3:



Poderoso, excepcionalmente bem editado, excitante. Tudo aquilo que um bom trailer deve ser.

Grandes Posters: Edição Musicais


Uma vez que nas últimas semanas revi "Moulin Rouge!", "West Side Story" e ainda "An American in Paris" para o nosso mês especial de celebração e depois de constatar o quão bem executados estão os posters dos três para a época em que se encontram e sobretudo para o tipo de audiência-alvo que buscam,  decidi fazer uma pequena pesquisa pelos posters da maioria dos grandes musicais da história do cinema e avaliar a sua qualidade. Decidi aproveitar esta ideia, já que me dei ao trabalho, para ressuscitar uma velha rubrica cá do blogue e foi assim que este artigo teve origem. Deixo-vos abaixo as minhas selecções para os melhores vinte posters de filmes musicais:

#20-18:


O enorme espaço em branco em "Hello, Dolly!" tira-me do sério, compensado contudo pela forma inteligente de vender o filme: a sua grande estrela (Barbra Streisand) em destaque e com um dos chapéus mais mirabolantes - e cativantes - de que há memória. Outro que sabe bem vender o produto é o poster de "Nine" que apesar de feio e tosco tem no poder dos nomes do elenco a sua grande vantagem. Difícil é não querer assistir a um filme com Day-Lewis, Cruz, Hudson, Loren, Dench, Kidman e Cotillard. Para a época, penso que a Disney fez um bom trabalho com "Mary Poppins", ilustrando bem a sensação de felicidade, de "estar nas nuvens" que o filme nos transmite, dando a entender também que esta senhora, de nome Mary Poppins, é especial.

#17-15:

 
"New York, New York" é um musical muito peculiar e o poster sabe vender bem essa atmosfera meio mística e especial. O único senão que lhe posso apontar é a grande porção de espaço vazio a preto que, hoje em dia, arruina muitos posters modernos. O de "Sound of Music" está irrepreensível, focando-se no que interessa: a sua grande estrela, Julie Andrews; o ar musical; e as colinas. O de "An American in Paris", contudo, é ainda melhor - dá ou não dá vontade de saltar para o poster e dançar nas ruas de Paris?

#14-12:



Um poster divertido é o que se pede para promover "Funny Girl" e, de facto, a imagem estilizada é promissora. A grande quantidade de espaço vazio preto peca por ser excessiva mas, neste caso, funciona bem para reforçar a imagem portanto eu vou deixar passar. Um bom uso do preto pode ser encontrado no poster de "The Rocky Horror Picture Show" que depois contém uma imagem central que vende bem o filme, irreverente, atraente, diferente. Finalmente, "Sweeney Todd". Que grande poster. Completamente Tim Burton.

#11-9:


Hesitei em colocar "Singin' in the Rain" tão alto mas a verdade é que para um poster dos anos 50 este conceito resulta excepcionalmente bem. Alegre, colorido e envolvente, a imagem com o trio à chuva contagia-me e faz-me desejar fazer o mesmo. Cumprindo assim tão eficientemente a sua missão e não alienando nenhuma pessoa que desgoste de musicais, merece esta posição alta. O estilizado, bonito e com belíssimo uso de cor poster de "Dreamgirls" quase que não merece o filme que promove. Dá ideia de um filme completamente diferente. Um bom trabalho. O poster de "Love Songs" tem três grandes elementos que o fazem funcionar: o trio de atraentes protagonistas; a cor e o tom; o desenho de Paris e pela frente o título do filme, brilhantemente executado. Promove tão bem o filme sem contar bem o que nele se passa.

#8-6:


Perfeito a capturar o ambiente e a atmosfera dos anos 20 e a segurar o seu público-alvo mostrando, através das roupas das protagonistas, do efeito risqué do título do filme e do poder dos três grandes nomes envolvidos, o poster de "Chicago" resultou muito bem. Já o poster de "Hedwig and the Angry Inch" é um caso bastante particular. Este não é um filme fácil de promover ou sequer de explicar. É preciso tê-lo visto para se compreender. Ainda assim, penso que a equipa de marketing trabalhou imensamente bem na concepção do poster, optando por escolher a melhor forma de promover o filme: uma enorme imagem da chocante personagem principal do filme. "Dancer in the Dark" poderia só ter os nomes de Björk, Catherine Deneuve e especialmente de Lars von Trier para ser relevante, mas só o facto de terem arriscado numa imagem tão arrojada e pouco relacionada com a temática principal do filme - a personagem parece que está a flutuar no ar, numa leveza de espírito, conduzida pela música, como que hipnotizada - merece pontos bónus.

#5-3:


"West Side Story" tem um poster absolutamente fascinante. Uma cor diferente e forte mas que resulta muito bem em contraste com o preto do título, também este num tipo de letra arrojado. Gosto muito ainda do pequeno pormenor das escadas da varanda e os dois amantes a branco. Lindo. "My Fair Lady" tem vários posters, alguns óbvios (como aquele todo a branco apenas com a cabeça gigante de Audrey Hepburn ao centro) e alguns, como este, estranhos mas belos. Também tem Audrey e Rick Harrison em destaque mas fá-lo de forma subtil, encantada, bonita. O resultado final é esta espécie de pintura romântica, de cores claras e suaves. Fantástico. O poster de "Moulin Rouge!", para mim, define-se em apenas três palavras: mágico, apaixonante, estonteante. Aliás, a colecção inteira dos posters merecia um artigo especial só dedicado a elas. São todos óptimos.
#2:


Um dos poucos casos em que o preto trabalha em benefício da arte, o poster de "All That Jazz" (que apresenta uma variante em vermelho também muito interessante) vende o filme apenas com o título e nada mais. Aquela tag é, além disso, fenomenal. Um musical de Bob Fosse, chamado "All That Jazz" (reminiscente da música do seu musical "Chicago", o que nos indica que podemos estar perante uma semi-autobiografia) e o título em lâmpadas. Que mais é preciso dizer? Luzes, câmara... It's show time!
#1:


Havia posters mais bonitos. Havia posters mais artísticos. Mas mais ousados e originais que este... duvido. Life is a "Cabaret", Sally Bowles em festa no topo. O texto em arco-íris em contraste com fundo preto faz o resto. Brilhante, festivo, atraente.

Passo-vos agora a palavra: quais destes posters vos chamaram à atenção?

ÚLTIMA HORA: Trailer e Poster de THE IDES OF MARCH




Um dos grandes candidatos aos Óscares deste ano e pronto para abrir o Festival de Veneza (passando depois pelo TIFF e por Telluride), "THE IDES OF MARCH" é realizado por George Clooney (que realizou anteriormente o criticamente aclamado "Good Night and Good Luck") e conta com um elenco impressionante - Ryan Gosling, George Clooney, Philip Seymour Hoffman, Marisa Tomei, Jeffrey Wright, Evan Rachel Wood e Paul Giamatti. Baseado na peça de teatro "Farragut North", que por sua vez havia sido baseada nas primárias da corrida presidencial de Howard Dean em 2004, "The Ides of March" vê o idealista Steven Myers (Gosling) ter de enfrentar o melhor e o pior quando a sua vida pessoal e a sua vida profissional colidem, enquanto ele navega as águas tempestuosas de uma campanha política quando descobre que o seu candidato, o Governador Mike Morris (Clooney), não é assim tão inocente.





Um trailer que promete e - sobretudo - mais um filme que vem contribuir para que este ano seja realmente o Ano do Gosling ("Crazy, Stupid Love"; "Drive"; "The Ides of March").

Crazy, Stupid, Trailers - Parte II

Como prometido, cá está o artigo gigante de comentário sobre os vários trailers que foram lançados no último mês. A parte 1 já foi publicada; abaixo vem a parte 2.


CRAZY, STUPID, LOVE



Já cá tinha colocado o trailer mas como não tinha colocado o poster na altura... Cá estão ambos de novo. Porque nunca é demais perder a vista em tanto talento junto. Quer dizer, juntar Marisa Tomei, Steve Carell, Ryan Gosling, Julianne Moore e Emma Stone no mesmo filme? Fogo. "Crazy, Stupid, Love" estreia esta semana nos Estados Unidos.




THE DARK KNIGHT RISES








Quem também dispensa apresentações é este teaser que saiu esta semana para aquele que será sem sombra de dúvida um dos grandes títulos de 2012: o fim da trilogia Batman da era de Christopher Nolan, "The Dark Knight Rises". Marion Cotillard, Joseph Gordon-Levitt, Tom Hardy e Anne Hathaway são os nomes sonantes que se juntam aos regressados Christian Bale, Michael Caine, Gary Oldman e Morgan Freeman, com Jonathan Nolan a juntar-se de novo ao irmão na escrita do argumento a partir de uma história engendrada por David S. Goyer, uma vez mais. Deve chegar até nós no Verão de 2012.



THE DEVIL'S DOUBLE






Ando há anos a dizer que Dominic Cooper é dos maiores talentos a sair do Reino Unido na última década. Infelizmente, tirando uma ou outra excepção ("An Education"), ele não tem mostrado grande coisa nesse sentido. Parece que finalmente isso vai mudar com "The Devil's Double", no qual ele conseguiu críticas radiosas para a sua interpretação de um civil iraquiano que tem que passar por duplo do filho do infame ditador Saddam Hussein. Estreia esta semana nos cinemas norte-americanos.

DREAM HOUSE




Um dos meus filmes mais antecipados do ano passado, "Dream House" viu-se adiado para este ano. Jim Sheridan, responsável por um dos meus filmes favoritos da década passada ("In America") e por uma das melhores adaptações americanas de um original estrangeiro - embora eu não o tenha achado ("Brothers"), traz desta vez Naomi Watts, Daniel Craig e Rachel Weisz nos principais papéis, num thriller cheio de suspense sobre uma família que se muda para uma casa onde terríveis assassinatos foram cometidos e onde se tornam, de repente, o próximo alvo do assassino. Estreia marcada para 30 de Setembro nos cinemas americanos.



DRIVE






Não há como explicar o quão expectante e alucinado este trailer me deixou. Nicolas Winding Refn, que ganhou (como se recordarão) o prémio do Realizador no Festival de Cannes deste ano, para surpresa de muita gente (não minha, que tinha acompanhado o buzz e as críticas que o filme recebeu por terras francesas), traz-nos Ryan Gosling, Albert Brooks e Carey Mulligan nos principais papéis (também com Christina Hendricks, Ron Perlman e Oscar Isaacs) deste filme que promete ser cheio de acção e adrenalina. Ryan Gosling, particularmente, parece estar a cobrir todas as bases este ano: acção ("Drive"), drama ("The Ides of March"), comédia ("Crazy, Stupid, Love"). E com esta colaboração cheia de sucesso já assinou para mais dois filmes com Refn, "Only God Forgives" e "Logan's Run", ambos para 2012, o que, a juntar à nova colaboração com Derek Cianfrance ("Blue Valentine", no qual Gosling teve a melhor interpretação do ano, masculina ou feminina) - "The Place Beyond the Pines", deve garantir que pelo final de 2012 o mundo inteiro o venere a 100%. Sem estreia marcada para Portugal.




THE FUTURE







"Me, You and Everyone We Know" foi uma das grandes surpresas da década passada, que eu só descobri já estava a década a terminar. Desde logo me comprometi a prestar atenção quando a fabulosa argumentista/realizadora/actriz Miranda July voltasse a fazer um filme. E eis que chega este ano este "The Future", na qual dois trintões enfrentam pela primeira vez a sua mortalidade e tentam ultrapassar uma profunda crise de identidade agora que estão próximos da meia-idade. Hamish Linklater co-protagoniza. Mal posso esperar. Obteve críticas brilhantes em Sundance. Estreou a 13 de Julho nos Estados Unidos.


THE GRANDMASTERS







Três frases: Wong Kar-Wai. Tony Leung. Ziyi Zhang. É preciso mais? Só mesmo Wong Kar-Wai para me deixar entusiasmado por um puro filme de acção sobre a origem do kung fu. O filme é uma biografia de Yip Man, o homem que treinou Bruce Lee e um dos primeiros mestres de artes marciais. O teaser trailer é uma sequência espantosa de luta à chuva. Estou mais do que convencido. "The Grand Master" (ou "The Grandmasters", como já vi noutros sítios) chegará em princípio ainda este ano ao mercado norte-americano.



HAYWIRE







Como eu disse acima, "Contagion" não é o único Soderbergh deste ano. "Haywire" é o outro e claramente rivaliza em potencial e categoria de elenco com o primeiro. Se o primeiro está carregado de vencedores e nomeados para os Óscares, o segundo está cheio de gente porreiríssima e cheia de talento: Michael Fassbender, Ewan McGregor, Bill Paxton, Michael Douglas, Antonio Banderas, Channing Tatum e Michael Angarano, além da lutadora Gina Carano como protagonista desta película de acção e suspense. Se eu tivesse de apostar, este seria o "Traffic" e "Contagion" seria o "Erin Brokovich", se estivéssemos em 2000. É esperar para ver. Para já, estou bastante impressionado com ambos os projectos.



HIGHER GROUND







A estreia de Vera Farmiga como realizadora não podia ter sido mais auspiciosa, com a actriz a conseguir críticas interessantíssimas para o seu primeiro filme, "Higher Ground", no qual ela interpreta Corinne, uma mulher que encontra a paz e a espiritualidade junto de uma comunidade religiosa que a ajuda a recuperar de um acidente horrível. Além de me ter deixado curioso, o elenco parece excelente e Farmiga parece brilhante. Mal posso esperar. Chega aos cinemas a 26 de Agosto.



HUGO





Quando Martin Scorcese faz um filme, somos obrigados a ficar atentos. Infelizmente, quando este filme ganha um trailer que mais parece promover a obra mais recente de Robert Zemeckis do que propriamente um Scorcese... É de desconfiar da qualidade da película. Chloe Moretz e Asa Butterfield protagonizam "The Adventures of Hugo Cabret", título recentemente - e infamemente - encurtado para "Hugo", uma aventura familiar que decerto (espero eu) terá por detrás uma profundidade inesperada e alguma recompensa para os fãs da filmografia do Marty. É que vamos em dois filmes seguidos que me desapontaram. Esperemos que não cheguemos aos três, Martin. Esperemos que não se chegue aos três. Ainda para mais porque "Silence" parecia tão melhor projecto que este para ser adiado.


IMMORTALS



Tarsem Singh é considerado, por muitos, um realizador visionário, com forte poderio visual. Eu nunca concordei muito com tal afirmação e este trailer para o seu novo filme, "Immortals", não me ajuda a melhorar a minha opinião. Parece uma cópia do estilo de "300" e a narrativa também não me fascina. Ainda assim, estou pronto a dar-lhe uma hipótese. Se chegar ao nível de entretenimento de "300" (que não é um mau filme, mas também não é nada de especial), já me dou por satisfeito. Ter Henry Cavill como protagonista - que eu considero ter demasiado talento para o nível baixo de estrelato que possui - é sempre bom indício. O filme estreia a 11 de Novembro nos cinemas mundiais.



THE IRON LADY



Na corrida ao Óscar, Meryl Streep tem que ser sempre tida em conta, a cada novo trabalho que aceita. É já habitual e talvez por isso a Academia nunca sinta necessidade de a premiar devidamente. De qualquer forma, ela está de volta em 2011 com o que se espera ser mais uma interpretação arrebatadora, no papel da famosa primeira-ministra inglesa Margaret Thatcher. O único ponto fraco do filme, na minha opinião, é a realização de Phyllida Lloyd ("Mamma Mia!"), que pode fazer tudo correr muito mal. Ainda assim, estou expectante. "The Iron Lady" chega distribuído pela The Weinstein Company no terceiro trimestre deste ano aos cinema.


LA PIEL QUE HABITO



O mundo do cinema fica sempre mais rico quando os grandes autores saem do seu casulo e lançam novos filmes. Este ano, ao lado de von Trier, de Haneke, dos irmãos Dardenne, vem um novo Pedro Almodovar, que conseguiu críticas mistas, muito divisivas, em Cannes. Antonio Banderas e Pedro reúnem-se muitos anos depois da sua última colaboração, o extraordinário "La Ley del Deseo", num thriller sobre um cirurgião plástico que jura vingar a violação da sua filha. Como para qualquer Almodovar, nem é preciso perguntar, alinho obviamente.

E desta parte, que trailers vos chamam a atenção?

Motion Poster para "The Hunger Games"



A minha nova aquisição literária, a trilogia "The Hunger Games" de Suzanne Collins, verá a sua adaptação cinematográfica chegar aos cinemas no próximo ano, com Jennifer Lawrence ("Winter's Bone") no papel da protagonista, Katniss.

"The Hunger Games" narra a história de Katniss Everdeen, uma jovem de 16 anos que vive em Panem, um país pós-apocalíptico. Todos os anos, uma rapariga e um rapaz de cada distrito é escolhido para lutar uns contra os outros até à morte, até que só um deles sobreviva. Katniss é de um dos distritos mais pobres mas felizmente ela possui imenso talento para a caça e para o arco e flecha, o que faz dela um dos adversários mais temíveis.

Um trailer está para sair em breve - para já, fiquei com o óptimo trabalho feito pela equipa de marketing neste motion poster - por ser barulhento e algo incómodo, fica aqui o poster normal - e deixo-vos AQUI o link para que possam ver o motion poster em toda a sua glória.

Mal posso esperar.

Send in the... trailers - parte I

50/50



Uma das minhas apostas da nova temporada, penso que este "50/50" vai surpreender positivamente esta gente. Desde logo, tem um elenco que impressiona: Seth Rogen, Joseph Gordon-Levitt, Bryce Dallas Howard, Anna Kendrick e Anjelica Huston, entre outros. Um elenco portanto que saberá fazer comédia com um assunto tão pesado e triste. Além disso, o argumento de "50/50" fez parte da Black List, era dos mais cobiçados para este novo ano e o facto que acabou nas mãos de Jonathan Levine ("The Wackness") faz-me ter esperança que vá sair daqui um grande filme. A ver vamos. "50/50" estreia a 30 de Setembro nos Estados Unidos.


THE AMAZING SPIDER-MAN




Nem precisa de apresentações. Marc Webb ("500 Days of Summer"), Andrew Garfield e Emma Stone juntam-se para recomeçar (outra vez) a icónica história da origem de um dos maiores super-heróis da banda desenhada mundial, Spider Man. Será que este vai conseguir ultrapassar as expectativas e ser melhor filme do que o do seu antecessor, o estrondoso êxito de Sam Raimi? Duvido. Mas espero que sim. Até porque Garfield tem melhor figura para Homem Aranha do que Tobey Maguire. E Emma Stone é dez vezes mais impressionante como interesse romântico que Kirsten Dunst. Infelizmente, este teaser é muito fraco. Chega às salas de cinema mundiais a 3 de Julho.


ANOTHER EARTH




A premissa do fim do mundo está, aparentemente, em voga este ano. Um dos títulos mais intrigantes - e mais elogiados - que passaram por Sundance este ano foi este "Another Earth", escrito e protagonizado por Brit Marling, que aborda a história de uma rapariga que, ao descobrir que existe outro planeta Terra, decide fugir ao seu passado neste planeta e mudar-se para outro. O que ela não sabe é que a sua vida - e a vida de quem conheceu - estará para sempre irremediavelmente mudada.  "Another Earth" chega aos cinemas nos Estados Unidos a 23 de Setembro.


THE ARTIST





Poucos trailers me fascinam tanto à primeira vista que não envolvam primariamente cenas de fotografia do filme. No entanto, Jean Dujardin e este "The Artist" deixam tão indelével impressão que me deixaram ficar de facto impressionado com o filme, o verdadeiro grande sucesso de Cannes e que, apesar de ser estrangeiro e de ter como protagonista um actor desconhecido, tem ganho grande Oscar buzz. A preto e branco, sem fala como na era gloriosa do cinema mudo clássico, arrebatou os corações da plateia do sul de França e arrisca fazer o mesmo por todo o mundo. Para já, ter os Weinstein por trás é um bom sinal - mas nada de mais (relembre-se que "Le Concert" também teve o ano passado). "The Artist" estreia em Dezembro nos Estados Unidos.


A BETTER LIFE




Chris Weitz ("About a Boy") volta finalmente a fazer um filme com moderado sucesso. Depois de correr o circuito de festivais de Primavera (Sundance, Tribeca), estreou o mês passado nos cinemas norte-americanos  e foi desde logo bastante elogiado pela simplicidade e honestidade da sua história e pela interpretação fascinante de Demian Bichír. Uma história sobre amor paternal, sobre o que é ver fugir o sonho americano, parece-me um daqueles bons dramas que passam muitas vezes despercebidos. Sem estreia marcada para Portugal.


BEGINNERS




Um dos filmes que estreou nos Estados Unidos na primeira metade do ano que recolheu maiores admiradores e elogios foi este "Beginners" de Mike Mills, protagonizado por Ewan McGregor, Mélanie Laurent e Christopher Plummer, que conta a história da relação entre pai e filho depois do primeiro lhe confidenciar que é gay. Um e outro vão aprender, juntos, a ver a vida com outros olhos. Além da premissa ter bastante potencial, tanto dramático como comédico, tenho muita fé no talento dos dois protagonistas. Aliás, não é por acaso que Christopher Plummer já é considerado um dos favoritos à nomeação para o Óscar de Melhor Actor Secundário. "Beginners" deve chegar a Portugal no terceiro trimestre deste ano.


BEL-AMI





A minha dose anual de Robert Pattinson já transbordou com "Water for Elephants", mas o facto que cá está ele de novo pronto a atacar em época natalícia num filme em que ainda por cima contracena com Christina Ricci, Kristin Scott-Thomas e Uma Thurman é simplesmente... demais. Ainda assim, a demográfica feminina - particularmente aquela que se deleita com a saga "Twilight" - há-de adorar veementemente o filme. Já eu... estou mais interessado nas três actrizes. Não sei que fazer do filme, o trailer intrigou-me mas eu não suporto a falta de capacidade de Pattinson como actor. Estreia marcada para Dezembro nos Estados Unidos.


BRAVE








Venha "Brave" para me fazer esquecer o passo em falso dado pela Pixar este ano. Como todos sabem, eu sou um acérrimo defensor de tudo o que é Pixar, à excepção de uma coisa - "Cars". Não é um bom filme, ponto, e ando farto que me tentem convencer do contrário. É um filme banal, criado pura e simplesmente para entreter crianças e que mesmo que eu tivesse dez anos nunca iria gostar. É-me insuportável aturar os dois protagonistas e sofro sempre que penso que a Pixar decidiu ir à caça do dinheiro e fazer uma sequela. Felizmente, a equipa da Pixar foi inteligente e lançou a melhor jogada de marketing do ano: quando as críticas negativas começaram a chover, o teaser de "Brave" saiu à rua. Pois claro. E não me desapontou. Já estou a salivar por 2012. "Brave" estreia em Julho de 2012.



CONTAGION







Mal vemos o elenco que Steven Soderbergh arranjou para este "Contagion" é impossível não pensar no grandioso filme que daí há-de sair. Vejamos: Jude Law, Matt Damon, Marion Cotillard, Gwyneth Paltrow, Kate Winslet e Lawrence Fishburne. É assim que se faz um thriller de acção em torno de um desastre epidémico. Cheio de suspense do princípio ao fim, mesmo que o trailer revele desde logo um grande spoiler. O que me surpreende ainda mais é que este não é potencialmente o único brilhante Soderbergh que vamos ter este ano. Há um outro, que menciono mais abaixo. Promete. Parece que voltámos a 2000 de novo. "Contagion" tem estreia marcada para o mercado estadounidense para o dia 9 de Setembro.


Agora deixo-vos a palavra: algum destes trailers vos impressionou?



Grandes Posters

Um dos meus filmes favoritos, em termos de design dos posters, é este "2001: A Space Odyssey" de Stanley Kubrick. Originais, inventivos, soberbamente projectados, este que eu seleccionei em particular tornou-se a imagem de marca do filme por acaso, uma vez que a ideia primária de campanha de advertising eram as típicas imagens do espaço. Contudo, após os posters mais tradicionais terem falhado em promoção, Kubrick decidira que tentariam uma abordagem alternativa, com esta imagem de embrião a ser estrela de uma das novas campanhas de marketing - estas sim foram o sucesso que se sabe.

Ainda hoje, esta imagem do embrião, que remete para o tema da evolução humana, me impressiona. É uma excelente ideia e descreve bem o conceito geral do filme.


Grandes Posters: the Hitchcock edition


Há muito tempo que não pegava na nossa rubrica de Posters e fazia uma edição baseada nas principais obras de um realizador. Depois de analisar Malick e Cameron, exemplos claros de realizadores com filmes brilhantes que conseguem sucesso mesmo com fraco merchandising, vamos pegar num expoente claro do contrário: excelentes peças de arte que atiçam ainda mais a nossa atenção para os filmes em questão.

Dos muitos filmes da vasta filmografia de Alfred Hitchcock, resolvi ressalvar estes. Alguns antiquados, é certo, mas há que perceber que para os anos 40 e 50 estes posters estavam já muito à frente do que se fazia na época. Há por aqui um ou outro poster que é na verdade de uma edição comemorativa, portanto bem mais recente, mas na maioria o que dá para perceber é que as imagens que Hitchcock usava nos posters dele são todas muito inventivas, muito curiosas, apelando à nossa atenção, normalmente focando-se em expressões faciais ou gestuais das personagens. Senão vejamos:


The Lady Vanishes (1938) / Rebecca (1940)

  
Shadow of a Doubt (1943) / Notorious (1946)


Rope (1948) / Strangers on a Train (1953) 



Dial M For Murder (1954) / Rear Window (1954)


To Catch a Thief (1955) / The Man Who Knew Too Much (1956)


Vertigo (1958) / North By Northwest (1959)


Psycho (1960) / The Birds (1963) 



Além de vários posters que aprecio, outra coisa fica-me bem clara. Haverá outro realizador com uma filmografia tão rica? E vocês, que pensam? 

Grandes Posters


O detalhe, a cor, o brilho, a expressão na cara da Scarlett Johansson, tão demonstrativa da solidão da sua personagem, o dinossauro gigante, o choque de culturas - que se vê pela confusão que se percebe das ruas de Tóquio... E nem vou pegar na magnífica tagline, "Everybody wants to be found", que se aplica tão bem ao filme e que é tão verdadeira para a vida real também. Este é dos meus posters favoritos, pelo muito que o poster quer transmitir e pela singularidade da reacção de cada um de nós ao poster.