Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

PERSONAGENS DA MINHA VIDA #13


E estamos de volta às "Personagens da Minha Vida", a caminho do final! Hoje trazemos a 13ª edição e um dos bloggers que mais felicidade me deu que colaborasse na nossa rubrica (ainda mais agora que ele está de volta à blogosfera com um novo projecto).



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.



Desde já agradeço ao BRUNO CUNHA (Nekas, que agora escreve para o recém-criado Frank and Hall's Stuff) por ter aceite o desafio de voltar a escrever na blogosfera.



- Personagens da Minha Vida #13 -




Passo a palavra ao Bruno, para que ele explique então as suas escolhas:

Desde já referir, que não foi nada fácil conseguir escolher personagens que me definissem. Vi-me perante um grande dilema e inúmeras escolhas e reparei que escolho bem personagens para definir as outras pessoas mas não a mim. Bem, aqui estão as minhas escolhas embora para me conhecerem têm de estar comigo...


Penso que Totó não necessita de apresentações. É um rapaz que adora cinema e aparece em "Cinema Paradiso". Bem, escolhi esta personagem pelo meu amor ao cinema. Existe um Totó em cada um de nós e de todas as personagens que escolhi, esta foi a que veio logo à minha cabeça!

"(500) Days of Summer" foi um filme que me encantou talvez pela surpresa que foi. Mas mais que o toque pop e incomum do realizador Marc Webb que até à data deste filme só se tinha aventurado nos videoclips foi a personagem de Joseph Gordon-Levitt, Tom Hansen, um promissor rapaz que, como eu, acredita no amor. Acredita no amor da sua vida e acredita que a felicidade vem com isso mesmo. Não podia estar mais de acordo!

Enquanto muitos elegem "The Lion King", eu diria "Toy Story" como o melhor filme de animação de sempre! Uma verdadeira fábula de amizade e como Woody, eu, acredito nos meus amigos, acredito nos nossos momentos. Como Woody, sou, muitas vezes, uma espécie de líder do grupo que nunca terá receio de se arriscar pelos seus amigos.

Agora, começa a minha parte mais obscura. E começa com o famoso Alvy Singer de "Annie Hall". Bem, eu sou um pouco assim. Um pouco compulsivo, irónico, desastrado, inteligente, romântico, venenoso e sarcástico. Gosto de ser como sou é bem verdade e gosto de que me digam que sou boa pessoa mas, por vezes, gosto mesmo de ser mau! (Num sentido inofensivo!)

Dr. House é mais uma das minhas facetas por integrar o lado sarcástico, inteligente e irónico. Posso não ser tão expert em nomes de doenças e fármacos mas sei que sei umas coisinhas. Ah, e também gosto de ser sarcástico como House. A única diferença, é que eu sou melhor pessoa! :)

A última personagem que escolho é Terrence de "Yes Man!" Porquê? Porque gosto de aventuras, gosto de viver a vida ao máximo e, tal como Terrence, gosto de dizer Sim! à aventura.






(vídeo no YouTube: EM BREVE)


As Personagens voltam amanhã...

PERSONAGENS DA MINHA VIDA #12


Continuamos a caminhar para o fim das "Personagens da Minha Vida" (a ter lugar a 19 de Janeiro) e hoje trazemos a 12ª edição. Dizer só que os vídeos no YouTube têm que ser aprovados, o que demora algum tempo (além do tempo que demora fazer o upload deles todos; conto ter isso arrumado também a tempo de arrumar a rubrica).



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.



Desde já agradeço ao ANDRÉ MARQUES (Blockbusters PT) por ter aceite o convite.



- Personagens da Minha Vida #12 -




Passo a palavra ao André, para que ele explique então as suas escolhas:

 
DEXTER:
 
Devido à dualidade na vida existente de Dexter, eu sinto que essa marca forte na personagem se assemelha um pouco comigo em termos psicológicos, porque nunca mostro muito às pessoas como realmente sou (mas não ando para aí a matar pessoas xD).
 
MCLOVIN':
 
Pelo aspecto físico da personagem, porque todas as pessoas que viram o "Superbad" vêm ter comigo depois, e dizem que sou mesmo parecido com ele.
 
STEWIE:
 
Adoro o sarcasmo e o mal estar propositado e até um pouco diabólico do Stewie, e às vezes apetecia-me ser como ele, ou seja, ainda uma criança.
 




(vídeo no YouTube: EM BREVE)


As Personagens voltam amanhã...

PERSONAGENS DA MINHA VIDA #11


E já em contagem decrescente para o fim das "Personagens da Minha Vida" (a ter lugar a 19 de Janeiro, provavelmente, um mês exactamente depois de ter começado), apresento-vos a 11ª edição.



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.



Desde já agradeço ao GONÇALO TRINDADE (Ante-Cinema) por ter aceite o convite.



- Personagens da Minha Vida #11 -






Passo a palavra ao Gonçalo, para que ele explique então as suas escolhas:


Explicar estas escolhas é, para mim, um pouco impossível e até um pouco desconfortável. Escolhi um grupo de seis personagens com as quais me identifico a nível pessoal, em termos de personalidade, e colocá-las aqui é, desde logo, dar a entender a todos a forma como eu me vejo a mim mesmo e como imagino que os outros me vêem. Se explicar muito detalhadamente o porquê de me identificar tanto com a personagem A ou B, acabo por me expor um pouco mais do que gostaria. Encarei este desafio a um nível bastante pessoal; todas aquelas são personagens com as quais me identifico a nível pessoal, personagens onde vejo traços da minha personalidade ou da minha história pessoal. Fisicamente, não sou particularmente parecido com nenhuma delas.

Charles Foster Kane pela ambição, pela ambiguidade, pela complexidade inerente a ele, a mim e a qualquer um de nós. Um homem é nada mais nada menos que a soma das suas contradições, e Kane era o exemplo vivo disso. Identifico-me com ele tal como, creio, qualquer um se identificará até certo ponto.


Jesse pela inocência e ingenuidade, pelo ideal da juventude demonstrado tanto por ele como pelo filme em que entra (o primeiro do díptico). Sou jovem, ele é jovem, e identifico-me com muito daquilo que diz e sente. É um ideal com cabeça, tronco e membros, tal como o somos todos nós com esta idade.


Ted Mosby por todo aquele universo que habita, onde as banalidades se transformam em coisas épicas, e onde a cultura pop está ao virar de cada esquina. Tenho com o meu grupo de amigos conversas por vezes bastante parecidas com aquelas que ele tem com o seu. Digo frequentemente que, com as piadas que eu digo e com as conversas que tenho, a minha vida às vezes parece uma sitcom... e é verdade. Além disso, a forma como encara as relações é, até certo ponto, semelhante à minha. Mas não entremos por aí... Basicamente, temos no geral personalidades parecidas, tanto na espontaneidade como aos problemas a que isso por vezes leva, e identifico-me com ele e com o universo que habita.


Inspector Jacques Clouseau porque sou das pessoas mais patetas e desastradas existentes à face da Terra. Quem é meu amigo sabe bem que isto é verdade, e sou uma verdadeira fonte de gargalhadas. Acontece-me frequentemente de tudo desde partir coisas, a ir contra postes, a cair no metro enquanto transportava um pacote de batatas fritas com molho e estas acabarem por me cair em cima (e eventualmente da Pacabei quase decapitado pelas portas da carruagem), a ter saídas tão parvas que parecem, de facto, saídas de um destes filmes do Pink Panther e da sua personagem principal. Até tenho sotaque, como o Clouseau. Só percebe quem me conhecer.


J.D pelo tipo de amizade que tem com o Turk, muito parecida com a que tenho com alguns (poucos) grandes amigos, e também por todo aquele humor cheio de referências e por toda aquela imaginação da personagem que por vezes o faz ficar a olhar para o ar, algo que me acontece mais que o aconselhável. Temos muito o mesmo tipo de humor, e partilhamos certos traços de personalidade. E aquele humor, aquele humor...


William Miller pela relação com a música. Escrevo neste momento para seis locais diferentes (?!), e só num deles (Ante-Cinema) me dedico ao Cinema, sendo este ainda assim o tema sobre o qual tenho mais experiência de escrita. Entrevisto regularmente músicos, vou com muita (demasiada?) regularidade com acreditação a concertos aos quais faço crítica, e vivo em grande parte para escrever sobre e viver essa arte. Gosto tanto de escrever sobre cinema tanto quanto sobre música, claro, mas escrever sobre o segundo é uma experiência mais envolvente (na forma como exige, e não só) e directa; afinal de contas, ver um filme e ir a um concerto são coisas bastante diferentes, tanto a nível físico como psicológico. No ano passado chegou a ser a loucura de ir a cinco ou seis concertos por semana durante meses inteiros, e é sempre muito exaustivo quanto se chega a casa às duas ou três da manhã (ou frequentemente bem mais tarde, dependendo do local onde se foi ver o concerto...*ahem* Musicbox *ahem*) e se tem ainda um texto para escrever durante a noite que tem de estar já publicado na manhã seguinte. Nessas alturas, deitar-me não antes das cinco da manhã é regra, sabendo bem que no dia a seguir me espera um dia de aulas na faculdade. Escrever sobre música é cansativo, envolvente, e viver esse tipo de vida dá uma adrenalina e um prazer enorme. É-me impossível não me identificar com Will, para quem de certa forma a música significa o mesmo que para mim (repito: gosto tanto de escrever sobre cinema quanto sobre música, e até acho que me safo igualmente bem em ambos, mas escrever sobre música e fazê-lo regularmente é uma experiência diferente; mas ambos significam para mim o mesmo, e ser-me-ia impossível escolher entre os dois). Tenho a imensa sorte de poder escrever sobre as duas artes que mais adoro e que tanto me definem, e se em Almost Famous tudo aquilo fosse no meio do cinema, o nome de Will ainda aqui estaria. Mas seria diferente. Bastante diferente. Sou como Will, a experimentar a vida que quero ter, fazendo aquilo que adoro (sem tanta droga e nudez à mistura...). E estou a adorar cada segundo. Não passo, afinal de contas, de um puto que escreve sobre algo que adora, tentando viver isso ao máximo. É, afinal de contas, por isso mesmo que estou agora a escrever isto, aqui.


E que sorte tenho eu por o estar a fazer.






(vídeo no YouTube: EM BREVE


E que sorte temos nós de te ter a escrever. Mais PERSONAGENS aí virão.
 

PERSONAGENS DA MINHA VIDA #10


Depois de um período de pausa para comemorar o novo ano, eis que estamos de volta para a décima edição das "Personagens da Minha Vida".



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.



Desde já agradeço ao SAMUEL ANDRADE (Keyser Soze's Place) por ter aceite o convite.



- Personagens da Minha Vida #10 -





Passo a palavra ao Samuel, para que ele explique então as suas escolhas:


Chuck / Chuck

Só por (muito) mero acaso — o acidental choque eléctrico representa uma boa hipótese — é que eu me tornaria num super-espião com acesso imediato aos segredos mais confidenciais do mundo. Obviamente (e na sequência da caracterização do personagem anterior), tremeria perante o mínimo indício de dor física. Se, no final, eu ficaria com a loura ou não, essa já é outra conversa…




Timothy P. Upham / O Resgate do Soldado Ryan (Saving Private Ryan)

Pelo meu carácter tímido e com tendência para me sentir deslocado em muitas ocasiões, eu seria como o soldado Upham se fosse recrutado para um conflito armado. Muito possivelmente, escolhiam-me como alvo predilecto de chacota, paralisaria numa situação de perigo e nunca colaboraria com adeptos de “violência gratuita” contra prisioneiros de guerra. No entanto, não toleraria, de amigos ou inimigos, quaisquer abusos de confiança…



Scar / O Rei Leão

Tirando os planos maquiavélicos e a sua inclinação para o homicídio, identifico-me muito com esta personagem quando diz: «No que toca ao cérebro, tenho a parte de leão. Mas em termos de força bruta... receio ser um mau representante da espécie». Contextualizem esta noção para a minha figura humana e ficam a conhecer-me melhor. E sim, "you have no idea" acerca do quão estranho eu posso ser...




(vídeo no YouTube: EM BREVE)



Voltamos amanhã com mais Personagens...

PERSONAGENS DA MINHA VIDA #9


Bem-vindos à nona edição de mais uma iniciativa do nosso blogue, Dial P For Popcorn. Esta rubrica, "Personagens da Minha Vida", conta com a participação de vários cinéfilos, sejam eles bloggers ou simplesmente amantes de cinema. Esperemos que participem, que comentem, que opinem e que isto corra bem.



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.

Vamos à NONA edição desta rubrica. 

Desde já agradeço ao NUNO REIS (Antestreia) por ter aceite o meu convite.



- Personagens da Minha Vida #9 -




Deixo-vos então com o Nuno, que vai explicar o porquê destas escolhas:
 
  • David Lightman / War Games
Um dia salv(ar)ei o mundo usando um computador apenas porque não consigo ficar quieto. De todas as personagens informáticas que me lembro é o mais adequado porque não é um super-herói que faz tudo bem, também faz asneiras.

  • Frank Goode / Everybody's Fine
É assim que quero envelhecer. Seria perfeitamente capaz de passar parte final da vida a visitar os que me são queridos com prejuízo da minha saúde. E faria a viagem publicitando o meu trabalho que veria em toda a parte.

  • Um Goonie / The Goonies
Os ideiais goonie fazem parte de mim. Um novo goonie, ou qualquer um deles. Talvez o Data ou o Brand por pequenas coisas.

  • Peter Bretter / Forgetting Sarah Marshall
Pela capacidade de, com um pequeno empurrão, transformar desgostos em criatividade.

  • Randy / Scream
Apenas com os conhecimentos cinematográficos seria capaz de escapar a uma situação crítica ou, se impossível, prever quando morreria e ainda deixar pistas.

  • Ted Mosby / How I Met Your Mother
Esta é a única série a que sou fiel e isso deve-se não só a ser muito divertida, mas especialmente porque podia ser sobre mim. Identifico-me com o Ted na forma de falar e corrigir os outros, na atitude perante a vida, no casal que o apoia e na relação com a irmã. E também seria capaz de contar toda a história da minha vida em resposta a uma pergunta simples.


E a esta lista o Nuno acrescentou posteriormente uma personagem suplementar:



  • Monstro das Bolachas (Cookie Monster) / Rua Sésamo
Este não foi escolha minha, mas quando disse a algumas pessoas quem tinha escolhido para me representar nesta lista ouvi que eu era o Monstro por ser "fofo, querido, guloso e com um grande sorriso". Como podia negar algo assim?




(vídeo no YouTube: EM BREVE)



E chegamos a meio da rubrica. Vamos agora de interregno por mais uns dias. Espero que tenham gostado.

PERSONAGENS DA MINHA VIDA #8


Bem-vindos à oitava edição de mais uma iniciativa do nosso blogue, Dial P For Popcorn. Esta rubrica, "Personagens da Minha Vida", conta com a participação de vários cinéfilos, sejam eles bloggers ou simplesmente amantes de cinema. Esperemos que participem, que comentem, que opinem e que isto corra bem.



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.

Vamos à OITAVA edição desta rubrica. 

Desde já agradeço ao ROBERTO SIMÕES (Cineroad) por ter aceite o meu convite.



- Personagens da Minha Vida #8 -




Passo a palavra ao Roberto, para que ele explique então as suas escolhas:



CHRIS MCCANDLESS, de Into the Wild (2007):
A coragem para me desprender de bens materiais e de percursos que potencialmente me frustrem ou prendem para abraçar e ficar-me pelo essencial. As pequenas coisas e sobretudo os sentimentos. Viver com verdade.




DR. GREGORY HOUSE, de HOUSE M.D.:
O mau feitio e a arrogância q.b. quando é preciso, sobretudo para me proteger e refugiar, escondendo a minha natureza. Aquele prazer especial em saber que irrito os outros, sendo do contra. Mas no final, lá tenho a minha razão.
HOWARD HUGHES, de The Aviator (2004):
O perfeccionismo. A ambição. E até a paranóia dos micróbios, que à data ainda não se intensificou tanto assim. Identifico-me, uma vez mais.






TYLER DURDEN, de Fight Club (1999):
A irreverência. O despudor. O desconcertante e o politicamente incorrecto. Sobretudo, a capacidade de me descortinar da hipocrisia e de me esbater com a verdade.
Identifico-me muito com a personagem do Pitt e julgo que aprendi muito com ela. É uma referência.




(vídeo no YouTube: EM BREVE)
E as PERSONAGENS voltam amanhã. Até lá... o que acham destas?


PERSONAGENS DA MINHA VIDA #7


Pedimos desculpa pela ausência de artigos desta rubrica ontem e dia 25 mas considerem-na como se fosse a nossa pausa natalícia. Vamos ter uma igual na passagem de ano. Como tal, a ordem dos artigos vai sofrer mais um pequeno atraso.


Bem-vindos à sétima edição de mais uma iniciativa do nosso blogue, Dial P For Popcorn. Esta rubrica, "Personagens da Minha Vida", conta com a participação de vários cinéfilos, sejam eles bloggers ou simplesmente amantes de cinema. Esperemos que participem, que comentem, que opinem e que isto corra bem.



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.

Vamos à SÉTIMA edição desta rubrica. Desde já agradeço ao TIAGO RAMOS (Split Screen Blog) por ter aceite o meu convite.



- Personagens da Minha Vida #7 -




Passo a palavra ao Tiago, para que ele explique então as suas escolhas:

 
  • April e Frank Wheeler | "Revolutionary Road"
  • Ismaël Bénoliel | "Les Chansons d'Amour"
  • Christopher McCandeless | "Into the Wild"
  • Pato Donald | "Duck Tales"
  • Sawyer | "LOST"

A verdade é que ao pensar durante vários dias sobre quais seriam as personagens da minha vida, aquelas com as quais me identifico mais a nível de personalidade essencialmente, não deixo de pensar que ou tenho uma baixa auto-estima ou de facto a minha forma de ver o mundo é peculiar. Cada uma destas personagens contêm algumas pequenas nuances da minha própria personalidade. Ou pela visão que têm do mundo e do amor, pela ligação (ou falta dela) que têm à família, a forma como gerem as expectativas e as desilusões, a forma como por vezes camuflam aquilo que são verdadeiramente, estas serão as personagens da minha vida. A justificação? Deixo-a subentendida, é sempre bem mais interessante.






N.B. * - no fragmento de vídeo da personagem "Donald Duck", o vídeo que passa não é da série mencionada, DUCK TALES. Mas eu considerei, tendo em conta a falta de cenas da série disponível online, que este mítico cartoon faria uma justa homenagem de igual forma.

(vídeo no YouTube: AQUI)



Quase a meio da iniciativa, que vos parece? Muitas PERSONAGENS com que se identificam?





PERSONAGENS DA MINHA VIDA #6


Bem-vindos à sexta edição de mais uma iniciativa do nosso blogue, Dial P For Popcorn. Esta rubrica, "Personagens da Minha Vida", conta com a participação de vários cinéfilos, sejam eles bloggers ou simplesmente amantes de cinema. Esperemos que participem, que comentem, que opinem e que isto corra bem.



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.

Vamos à sexta edição desta rubrica. Desde já agradeço ao PEDRO PONTE (Ante-Cinema) por ter aceite o meu convite.



- Personagens da Minha Vida #6 -





Deixo-vos agora com o Pedro, para que ele explique estas escolhas:



Em primeiro lugar devo dizer que este exercício, embora interessante e inteligente (reconhecermo-nos em personagens de que gostamos é algo perfeitamente normal e saudável), não me é propriamente fácil visto que sou péssimo a auto-julgar-me - apesar de ter mais facilidade em apontar defeitos que qualidades. Ainda assim, depois de pensar um pouco no assunto e de recorrer a alguns filmes/séries favoritos, cheguei a cinco personagens com as quais me identifico bastante e em relação às quais me considero, de certa forma, semelhante. A começar por Rob Gordon, de "High Fidelity", no qual me revejo imenso pela sua devoção a uma arte e pela forma como se refugia frequentemente nela, revelando também um incapacidade crónica para compreender o sexo feminino. Alvy Singer, a mítica criação de Woody Allen, porque nunca neguei identificar-me com o seu alter-ego neurótico e misantropo, apesar de este obviamente ir a um extremo do qual não me aproximo. Ferris Bueller, do clássico teen dos anos 80 de John Hughes, não tanto por quem sou hoje mas principalmente por me fazer lembrar uma versão adolescente de mim mesmo: rebelde, criativo e propício à revolta e a planos rebuscados e absurdos - mesmo que na sua própria imaginação. Bob Harris, de "Lost in Translation", por partilharmos tantos defeitos (solidão, alienação, insónia) e talvez por ver nele uma figura paternal peculiar. Por último, uma escolha muito especial em representação da TV, meio que também adoro (apesar de nunca se aproximar daquilo que o cinema representa para mim): Dale Cooper, o agente especial do FBI de "Twin Peaks". Apesar de não me achar de todo ao seu 'nível', revejo-me inteiramente nas suas idiossincrasias e maneirismos, no seu sentido de humor distinto e no seu gosto por uma "damn fine cup of coffee."



(vídeo no YouTube: EM BREVE)






E vocês, que Personagens vos definem?

PERSONAGENS DA MINHA VIDA #5


Bem-vindos à quinta edição de mais uma iniciativa do nosso blogue, Dial P For Popcorn. Esta rubrica, "Personagens da Minha Vida", conta com a participação de vários cinéfilos, sejam eles bloggers ou simplesmente amantes de cinema. Esperemos que participem, que comentem, que opinem e que isto corra bem.



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.

Vamos à quinta edição desta rubrica. Desde já agradeço ao Filipe Coutinho (Cinema Is My Life) por ter aceite o meu convite.



- Personagens da Minha Vida #5 -



Passo a palavra ao Filipe Coutinho para explicar as suas escolhas:


Alvy Singer / "Annie Hall" - O homem que não acredita em felicidade. Só existem duas condições possíveis: ou estamos tristes, ou somos miseráveis. Não há lugar para a efemeridade da felicidade. Apenas existe racionalidade, a força do intelecto perante todas as demais e "fúteis" emoções. Alvy Singer percebe que quando começamos a pensar deixamos de começar a sentir. Já Fernando Pessoa dizia o mesmo. Alvy usa o humor para se manter são, para continuar a acreditar em si e nas pessoas que o rodeiam. E no fim, tudo o que sobra é um "La Di Da"...



Andrew Largeman / "Garden State" - Andrew Largeman, o homem que precisa de uma morte para começar a viver. Totalmente inebriado pela sua própria condição, Andrew passa os dias inconsciente, sobre o efeito de anti-depressivos que o tornam ainda menos racional. Tem a fortuna de conhecer uma mulher que lhe diz isto: "This is your one opportunity to do something that no one has ever done before and that no one will copy throughout human existence. And if nothing else, you will be remembered as the one guy who ever did this. This one thing." Por vezes, tudo o que é preciso é conhecer alguém e a nossa vida muda. Deixamos de deixar a vida passar à nossa frente e começamos a viver. Novamente questiono, quem nunca se sentiu deslocado à busca da pessoa que nos puxa para a realidade? 


Donnie Darko / "Donnie Darko" - Esta é a escolha que mais dificuldades tenho em justificar. A um nível bastante emocional identifico-me com a mente de Donnie Darko. É sim uma fabricação perigosa de um outsider que nem se preocupa em se integrar. Darko não podia estar menos preocupado com o que os outros pensam sobre ele, porque afinal, ele é superior. A restante sociedade é, aos seus olhos, um bando de idiotas com conhecimentos muito inferiores aos seus que não o entende na maior parte das ocasiões. Esclarecimento: eu não estou a chamar indirectamente os leitores e o resto da sociedade um bando de idiotas. Mas acredito que muitas vezes não sou compreendido e, a par do Darko, isso pode ser simplesmente um estado de confusão mental cuja fabricação de um mundo idílico não é mais que um produto de uma vívida imaginação.

 George Bailey / "It's a Wonderful Life" - É uma das mais bondosas e identificáveis personagens de sempre. George Baley emana genorosidade, sacrifício, luta, trabalho, insipiração. E num mundo que tantas vezes carece desse espírito do dito "homem comum", há valores que merecem ser lembrados e emulados. Quero acreditar que existe um George Bailey dentro de mim, caso contrário, torno-me em apenas mais um dos infidáveis egoistas que por aqui habitam.


Marcello Rubini / "La Dolce Vita" - Seria impossível não escolher uma das personagens intepretadas por Mastroianni para incluir nesta lista. Das várias disponíveis acabei por escolher este jornalista em busca do próximo escândalo social. Mas ele não é um jornalista. É um homem à procura de um rumo, um homem afectado pela insanidade da sociedade em que vive. Marcello vagueia por Roma em busca de uma luz que lhe mostre que não é louco, que existe esperança e que viver ainda vale a pena. É uma das personagens mais complexas de Fellini e, ao mesmo tempo, aquela que menos parece (sobretudo quando existe o Guido do "8 1/2"). E sejemos sinceros, quem nunca questionou se somos nós ou a sociedade que enlouqueceu de vez?


Tyler Durden / "Fight Club" - É, muito discutivelmente, a melhor personagem de sempre. Facto é que é (e aqui sem grandes margens para dúvida) uma das mais carismáticas, cuja personalidade explode pelo ecrã como a bomba-relógio que literal e metaforicamente representa.Tyler Durden marcou-me de forma muito particular numa altura em que ainda pouco esperava sobre o poder do cinema. De certo modo, a par de Fight Club, foi o grande motivo que me levou a seguir a sétima arte de modo totalmente distinto. Lembro-me do dia em que o vi com uma clareza indefectível, lembro-me das emoções, da incendiária mensagem, do ataque ao consumismo, dos métodos extremos de anarquia. Tyler é a balança da justiça que representa tudo o que há de mal e tudo que há de bom com a nossa sociedade. Nunca desarma das suas convicções e creio que é a sua persistência e a representação de que um homem (por mais esquizofrénico que seja) pode fazer a diferença, que me levaram a enaltecer o poder do mundo cinematográfico. Identifico-me com o Tyler Durden. Afinal, foi ele quem me abriu os olhos.



V / "V for Vendetta" - A luta pelos ideais, a luta pelo fim da opressão, a luta pela utopia. V é um sonhador que faz mais do que sonhar. Ele recorre a todos os meios necessários para ver o seu sonho cumprido. No processo é chamado de terrorista, um terrorista que acredita na liberdade do homem. Quem nunca lutou pelos seus ideais, pelos seus sonhos, não sabe aquilo em que acredita. E V percebe o mundo em que vive, sabe como ele opera e, em instância última, percebe que só um mundo de caos pode quebrar um mundo de o.rganização. Não é transmite uma mensagem de esperança. Não existem adereços a embelezar esta utopia e a tornar credível. Mas ela não precisa de ser cumprida. Tudo o que é preciso é que esta seja lembrada.



 

(vídeo no YouTube: AQUI)


E vocês, que Personagens nos definem?


PERSONAGENS DA MINHA VIDA #4


Bem-vindos à quarta edição de mais uma iniciativa do nosso blogue, Dial P For Popcorn. Esta rubrica, "Personagens da Minha Vida", conta com a participação de vários cinéfilos, sejam eles bloggers ou simplesmente amantes de cinema. Esperemos que participem, que comentem, que opinem e que isto corra bem. A ver vamos. Pode ser que correndo bem tenhamos a renovação para uma segunda temporada em 2011.



"Se a minha vida fosse transportada para o ecrã, que personagem seria eu?"

O objectivo da rubrica é colocar as pessoas a pensar em personagens, tanto cinematográficas como televisivas, que partilhem características, sejam físicas ou psicológicas, com eles.

Vamos à quarta edição desta rubrica. Desde já agradeço à Andreia Mandim (Cinema's Challenge) por ter aceite o meu convite.



- Personagens da Minha Vida #4 -



Passo a palavra à Andreia Mandim para que ela explique estas escolhas:

As escolhas apresentadas a cima são justificadas principalmente por achar que me assemelho psicologicamente à maioria das personagens referidas. 
Excepto a Alice do filme "Closer", cuja semelhança que vejo entre nós é também a de alguma presença física/facial, além da de personalidade inconstante. Da mesma forma, posso apontar a personagem Clementine, muito dramática, mas também, por vezes, real e insubordinada. 

Já a personagem de "Whatever Works", Boris, assemelha-se à minha mania para questionar tudo e, muitas vezes sem grande lógica, me preocupar quase de uma forma maníaca, não esquecendo o lado hipocondríaco e de grande escárnio.

A personagem Barney é uma das minhas preferidas, tenho um pouco o lado sensível e boémio do mesmo, contudo, nos momentos mais decisivos, estou sempre lá, ao lado dos meus amigos, tendo atitudes que de certo modo menosprezo em mim - embora admita que a idade tem ajudado a combater isso. Abe é a personagem que simboliza a minha paixão pelo cinema e quase pressão para que o mundo em volta também a tenha, vivendo um pouco na ilusão de que fazemos parte de um filme constante que termina no dia da nossa morte!

Tyler Durden é aquele alter-ego que desperto de quando a quando, causando grandes estragos... E, por fim, Nick Naylor é a minha faceta de orador, aquele que gosta de comunicar e tenta dar a entender a todo o custo o seu ponto de vista! 


(vídeo no YouTube: AQUI)



E vocês, que Personagens vos definem?