Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

EMMY 2011: Actor e Actriz - Comédia


 

Melhor Actriz - Comédia


Edie Falco, "Nurse Jackie"
Tina Fey, "30 Rock"
Laura Linney, "The Big C"
Melissa McCarthy, "Mike & Molly"
Martha Plimpton, "Raising Hope"
Amy Poehler, "Parks & Recreation"

Quem ficou de fora: Embora não seja uma comédia, o trabalho de Toni Collette esta temporada foi superior ao de todas estas actrizes - se bem que devia ser premiado na categoria de drama, não aqui. Como o ano passado, as duas roubadas são Patricia Heaton ("The Middle") e Courteney Cox ("Cougar Town"). Se a primeira não me chateia, até porque tem três Emmys já, a segunda é de me trespassar o coração. Vinte anos a trabalhar na indústria, duas séries de sucesso (uma de imenso sucesso) e continua a ser das poucas grandes actrizes da televisão sem uma nomeação no seu currículo.

Quem devia ganhar:Amy Poehler,  que é absolutamente brilhante e inesquecível como Leslie Knope sem nunca chegar a ser insuportável, algo que o seu tipo de personagem tende a ser.

Quem vai ganhar: Não há sequer outra possibilidade (a haver seria um dos mais gigantescos upsets da história da Academia) além de Laura Linney que com o piloto da sua série apresenta a personagem, deixa-nos entrar nas suas emoções e na sua dor e permite-nos avaliar, em primeira mão, o seu enorme talento enquanto actriz. Se formos pelo episódio em si, seria Martha Plimpton ("Say Cheese") ou Amy Poehler ("Flu Season") a vencer. A nomeação de Edie Falco (escolheu "Rat Falls") e Tina Fey (optou por "Double Edged-Sword"), tendo em conta o seu pedigree na indústria, não surpreende ninguém, pois são comodidades tidas em muita consideração e finalmente um prémio curioso para Melissa McCarthy (escolheu "First Date"), esta nomeação, pelo high-profile que a actriz teve todo o Verão à custa da sua série, do seu papel em "Bridesmaids" e do facto de anunciar as nomeações deste ano. Tudo isto culminou na sua nomeação e eu, que me recordava com alegria dela em "Gilmore Girls", fico feliz.

Melhor Actor - Comédia:


Alec Baldwin, "30 Rock"
Louis C.K., "Louie"
Steve Carell, "The Office"
Johnny Galecki, "The Big Bang Theory"
Matt LeBlanc, "Episodes"
Jim Parsons, "The Big Bang Theory"

Quem ficou de fora: Não sei que mais tem Matthew Perry ("Mr. Sunshine") de fazer para voltar a se estabelecer na televisão. Similarmente, qual é o problema da Academia com Jeff McHale? E só mais uma coisa: Matt LeBlanc? A sério? E Stephen Mangan, o verdadeiro protagonista da série, mil vezes melhor? Não? Já nem falo de Zachary Levi ("Chuck")...

Quem devia ganhar: Jim Parsons ou Louis C.K., os únicos verdadeiros comediantes da categoria. Se formos pelo episódio e mesmo até pela temporada, eu diria que Steve Carell merece ganhar.

Quem vai ganhar: Desde o momento que Steve Carell anunciou o seu fim em "The Office" e submeteu para avaliação "Goodbye, Michael" que o Emmy é dele.

EMMY 2011: Melhor Série - Comédia

 

MELHOR SÉRIE - COMÉDIA

THE BIG BANG THEORY
GLEE
MODERN FAMILY
THE OFFICE
PARKS & RECREATION
30 ROCK

Uma categoria sem grande história esta, com os regressos (todos esperados) de "30 Rock", que continua uma das séries favoritas da indústria, com 13 nomeações para a sua quinta temporada, "Modern Family" que é a nova coqueluche, premiada o ano passado com o Emmy de Melhor Comédia e este ano aumentou o seu total de nomeações para 17, o que só pode significar maior aprovação para a comédia que este ano levou com algumas críticas mas que continuou quase tão engraçada como na primeira temporada, "The Office", que está aqui, muito provavelmente, pela ainda grande fidelidade que a Academia tem a Greg Daniels e a Steve Carell, que está a despedir-se da televisão, para já e finalmente "Glee", que se tem tornado tão falada que até quase já mete impressão. A segunda temporada não foi assim tão boa, com altos e baixos, mas continua a não haver nada como a série em televisão e só por isso merece ser nomeada. A estas juntou-se finalmente (!) "Parks & Recreation", a melhor comédia em televisão hoje em dia e "The Big Bang Theory", que anda a ser prevista nesta categoria há três anos e só agora, à quinta tentativa, conseguiu ser nomeada. É, das seis, a série com mais seguidores, mais fãs e mais audiências.


Quem ficou de fora:
Acho que só "The Big C" se pode queixar de ter sido ignorado, porque esperava-se que conseguisse ser nomeado. "Nurse Jackie", nomeado o ano passado, também pode ter fãs queixosos. Já outros - fãs de "Community", "Cougar Town", "Chuck", "Raising Hope" ou "Bored to Death" - devem sentir-se felizes por conhecerem séries tão boas ou melhores até que a maioria dos nomeados e que a Academia teima em nomear. Os Emmys não são, no fim de contas, assim tão importantes.
Quem devia ganhar:
"Parks & Recreation", a melhor comédia na televisão.

Quem vai ganhar: 
Este ano é ainda mais certo que em 2010: "Modern Family" vai coleccionar mais uns troféus este ano.


Lista de episódios submetidos:

THE BIG BANG THEORY
"The Herb Garden Germination" e "The 21-Second Excitation"
"The Justice League Recombination" e "The Engagement Reaction "
"The Love Car Displacement" e "The Agreement Dissection"

GLEE
"Audition" e "Silly Love Songs"
"Original Song" e "The Substitute"
"Duets" e "Never Been Kissed"

MODERN FAMILY
"Old Wagon" e "Someone to Watch Over Lily"
"Mother's Day" e "Caught in the Act"
"Manny, Get Your Gun" e "The Kiss"

THE OFFICE
"Andy's Play" e "China"
"PDA" e "Threat Level Midnight"
"Garage Sale" e "Good-Bye Michael" 

PARKS AND RECREATION
"Flu Season" e "Ron and Tammy: Part Two
"Fancy Party" e "Harvest Festival"
"The Fight" e "Li'l Sebastian"

30 ROCK
"When It Rains, It Pours" e "Live Show (West Coast)"
"Reaganing" e "Double-Edged Sword"
"Operation Righteous Cowboy Lightning" e "TGS Hates Women"

Discutindo os Emmy 2011: Melhor Actor e Melhor Actriz - Comédia

A contar os dias para o anúncio dos nomeados para os Emmy 2011 - que ocorrerá esta quinta-feira 14 de Julho, venho oferecer a minha opinião sobre quais os candidatos mais fortes nas principais corridas e tentar a minha sorte no jogo preditivo, tal e qual como faço para os Óscares. Para concluir, deixo-vos ficar com a minha opinião sobre Melhor Actor e Melhor Actriz - Comédia.

MELHOR ACTOR - COMÉDIA



PREVISÃO:
Alec Baldwin, 30 Rock
Steve Carell, The Office
Rob Lowe, Parks & Recreation
Joel McHale, Community
Matthew Morrison, Glee
Jim Parsons, The Big Bang Theory


A categoria menos interessante de prever e seguir, dada a falta de candidatos para os seis nomeados, é mesmo Melhor Actor - Comédia. Não é portanto surpreendente que a grande maioria de nós que prevê os Emmy esteja a apostar que quatro dos seis nomeados do ano passado retorne; os dois lugares que faltam terão de ser ocupados por novos nomeados uma vez que Shalhoub terminou a sua cruzada em "Monk" e "Curb Your Enthusiasm" não emitiu episódios em 2010 para Larry David poder submeter.
Steve Carell encerrou a sua última temporada em "The Office" em grande, gerando grande buzz para finalmente clamar vitória ao fim daquela que será a sua sexta nomeação consecutiva. Alec Baldwin ("30 Rock") e o vencedor de 2010, Jim Parsons ("The Big Bang Theory"), continuam tão ou ainda mais populares que o ano passado e portanto é certíssimo que vão amealhar a sua quinta e terceira nomeações, respectivamente. A eles se deve juntar Matthew Morrison ("Glee") não pela qualidade da sua interpretação mas sobretudo pela falta de alternativas viáveis ao lugar. Apesar disso, tal como a sua proeminência na série, também aqui há uma franca possibilidade de Morrison ficar de fora em detrimento de alguém que é um verdadeiro protagonista.

O mesmo problema terá Rob Lowe em "Parks & Recreation", ele que nem sequer é o actor secundário com maior tempo de ecrã. Contudo, a jogada inteligente de se submeter em Melhor Actor e não em Melhor Actor Secundário, onde enfrentaria competição dura - até da sua própria série - pode ser um sucesso. Esta seria uma boa oportunidade da Academia premiar "Parks & Recreation", mesmo que não seja propriamente merecida. Além disso, funcionou para Lowe em 2001 quando fez o mesmo em "The West Wing". Outros dois antigos nomeados que poderão estar de volta são os dois "Friends", Matt LeBlanc ("Episodes") e Matthew Perry ("Mr. Sunshine"). O segundo não terá grandes hipóteses, até porque a sua série foi cancelada (nem vamos voltar a esse assunto; só dizer que eu acho que foi o melhor actor em comédia em 2010-2011). Já o primeiro... Troquei-o agora à última da hora por Joel McHale, o que diz tudo sobre aquilo que penso das suas possibilidades. Embora nunca tenha percebido bem como, a Academia adorava Joey Tribbiani, tendo dado a LeBlanc três nomeações (2002-2004) e portanto é bem capaz de lhe dar outra por interpretar uma versão exagerada dele próprio. No entanto, não estou a ver outras categorias em que "Episodes" possa ter impacto, o que me leva a pensar que também ele será esquecido.

Devendo ter ficado mesmo à beira de uma nomeação em 2010 e com a sua série a atingir níveis ainda maiores de sucesso crítico, Joel McHale ("Community") é a minha última aposta para a lista dos nomeados. A sua popularidade vem a crescer e muita gente considerou injusto a sua exclusão em 2010, ainda para mais com ele a apresentar os nomeados. Tudo isto a juntar a uma categoria fraca de qualidade... Dará nomeação. Provavelmente. Ou então não. A série não é propriamente fácil de digerir e não é sem dúvida para qualquer pessoa. Na mesma situação de McHale está outro homem que muitos julgavam ser possível ver nomeado em 2010, Thomas Jane ("Hung"), que voltou a ser nomeado para o Globo de Ouro mas que provavelmente se vai voltar a ver ignorado pela Academia.

Das séries estreantes, há que ter um olho em cima de Louie C.K. ("Louie"), Billy Gardell ("Mike & Molly") e Lucas Neff ("Raising Hope"). Só o primeiro me parece ter possibilidade de ser nomeado mas nunca se sabe.

Com hipóteses mais remotas temos Johnny Galecki ("The Big Bang Theory"), sempre na sombra do mais ousado Jim Parsons na série; o polémico Danny McBride ("Eastbound and Down"); Neil Flynn ("The Middle"); Josh Radnor ("How I Met Your Mother"); Jason Schwartzmann ("Bored to Death") e Zachary Levi ("Chuck"). E claro que nunca podemos excluir David Duchovny ("Californication") da conversa, até porque ele tem quatro nomeações anteriores - se bem que nenhuma por esta série, pela qual contudo ele venceu dois Globos de Ouro.




MELHOR ACTRIZ - COMÉDIA




PREVISÃO:
Toni Collette, United States of Tara
Edie Falco, Nurse Jackie
Tina Fey, 30 Rock
Laura Linney, The Big C
Martha Plimpton, Raising Hope
Amy Poehler, Parks & Recreation


Edie Falco ("Nurse Jackie", 2010), Toni Collette ("United States of Tara", 2009) e Tina Fey ("30 Rock", 2008), as últimas três vencedoras da categoria, estarão certamente de volta ao certame este ano. Da restante lista de nomeados, resta-nos Julia-Louis Dreyfus cuja série foi cancelada o ano passado e portanto novo nomeado terá que ser encontrado, Lea Michele ("Glee") e Amy Poehler ("Parks & Recreation"). Estas duas últimas têm boas possibilidades de repetir a nomeação, embora tal possa não acontecer. Eu aposto que a última repetirá quase de certeza, até porque a sua série só melhorou ainda mais (ao contrário de "Glee"), a sua interpretação ainda é mais admirada (ao contrário da de Michele, excepto o trabalho vocal que sim é impressionante) e a sua série tem muito para crescer ainda (ao contrário da de Michele, que conseguiu dezassete nomeações em 2010). Por tudo isto, Amy Poehler deve-se juntar às outras três acima (claro que Michele também o poderá fazer; é, neste momento, para mim, o sétimo lugar da tabela).


Quem também tem lugar garantido - e até previsivelmente a vitória - é Laura Linney, que decidiu este ano voltar à televisão para protagonizar "The Big C", que fala de Cathy, que descobre que tem uma forma terminal de cancro e que tem apenas um ano para aproveitar a vida que lhe resta. Material irresistível para os ouvidos e olhos da Academia, pois claro.

Depois, na luta pelo sexto lugar com a supra-mencionada Michele, temos duas veteranas que tiveram este ano um surpreendente sucesso com as suas respectivas séries - Martha Plimpton ("Raising Hope") e Melissa McCarthy ("Mike & Molly"). Eu aposto na primeira, que anda há muito a tentar a transição entre o teatro (onde é uma estrela) e a televisão (onde é consideravelmente reconhecida mas nunca totalmente abraçada pelos seus pares) e que finalmente consegue um papel no qual brilha, numa série quirky de um criador que já trouxe a uma antiga colaboradora (Jaime Pressly, "My Name Is Earl") um Emmy e num canal que conseguiu, com "Raising Hope", voltar ao estilo das boas comédias familiares perdido com o fim de "Malcolm in the Middle". A última tem a seu favor o facto da sua série ser um sucesso de audiências (o que na CBS não é, contudo, grande feito), ter tido uma onda de sucesso recente (efeito "Bridesmaids") e o bónus de ir apresentar os nomeados hoje - embora não tenha surtido efeito para Joel McHale o ano passado, sete dos últimos 8 apresentadores (portanto desde 2008) foram nomeados também nesse ano. Será, portanto, pelo menos de desconfiar a inclusão de McCarthy aqui, até porque Joshua Jackson, o outro apresentador, não terá hipótese de figurar nos nomeados da sua categoria (Melhor Actor - Drama).

A competir com estas três temos outras três actrizes no topo da sua forma, criticamente aclamadas e consideravelmente respeitadas no seio da Academia. Courteney Cox é a única dos "Friends" que nunca foi nomeada e infelizmente continuou essa senda em 2010, com "Cougar Town" a ser ignorada pela Academia. Em 2011 parece continuar a ser essa a sua sina, por muito merecida que já seja essa maldita primeira nomeação. Também Patricia Heaton foi ignorada o ano passado, ela que já tem dois galardões em casa por "Everybody Loves Raymond". "The Middle" gerou de facto mais interesse este ano e solidificou a sua posição na quarta-feira de comédia da ABC, a ponto de ter sido logo renovada para uma terceira temporada. Acredito que ela terá votos, mas serão eles suficientes? Não me parece. Finalmente, a terceira actriz que quero referir é Kaley Cuoco, para muitos o segundo maior talento comédico a sair de "The Big Bang Theory" (após Jim Parsons, claro) e que tem muito crédito por parte dos seus pares. Infelizmente, ninguém dessa série salvo Parsons tem conseguido uma nomeação e parece que a tendência é para continuar. Com muita pena minha.

Outras possibilidades incluem Jennifer Finnigan ou a Joanna Garcia, embora "Better With You" tenha sido cancelada, "Better With You" poderá trazer a nomeação e Billie Piper, que pode finalmente receber a nomeação há muito merecida agora que "Secret Diary of a Call Girl" terminou. Também há ainda que ter em conta as senhoras de "Desperate Housewives" e Mary Louise Parker ("Weeds"), antigas nomeadas, se bem que as suas séries parecem ter definitivamente saído do radar.


Discutindo os Emmy 2011: Melhor Série - Comédia


A contar os dias para o anúncio dos nomeados para os Emmy 2011 - que ocorrerá esta quinta-feira 14 de Julho, venho oferecer a minha opinião sobre quais os candidatos mais fortes nas principais corridas e tentar a minha sorte no jogo preditivo, tal e qual como faço para os Óscares. A próxima: Melhor Série - Comédia.

MELHOR SÉRIE - COMÉDIA


PREVISÃO:
"30 Rock"
"Glee"
"Hot in Cleveland"
"Modern Family"
"Nurse Jackie"
"The Office"

Esta categoria tem dois nomeados fortíssimos, cada um por razões diferentes mas independentemente disso seguros que irão conseguir a sua segunda nomeação: "Glee" e "Modern Family". Também será entre estes dois que a luta decorrerá para vencer. A eles se deve juntar "30 Rock" que irá para a sua quinta nomeação consecutiva e que, após três vitórias consecutivas, cedeu o ano passado o título a "Modern Family" e tem vindo a cair ligeiramente em popularidade e "The Office", que pelo menos este ano ainda deverá constar da lista dos nomeados, naquele que foi o ano de despedida da sua estrela, Steve Carell.

"Curb Your Enthusiasm" não emitiu episódios este ano e por isso alguém novo terá de entrar para o seu lugar. O sexto nomeado em 2010 foi "Nurse Jackie", que terá bastante dificuldade em repetir o feito, dado o facto da sua segunda temporada ter decaído um pouco em qualidade em relação à primeira. Ainda assim, estou a prever que se mantenha, sobretudo porque a concorrência, embora de peso, não é bem tida em conta na Academia.

"The Big Bang Theory" ocupa a linha da frente para ser nomeado há já três anos, desde que o buzz que paira sobre a série vem aumentando de forma ensurdecedora. Ainda assim, perdeu o lugar para "How I Met Your Mother" em 2009 e para "Nurse Jackie" em 2010, algo que ninguém previa em ambas as ocasiões. Assim não dá para não desconfiar que será este ano que finalmente será nomeada - embora seja bastante possível que aconteça. O mesmo se passa com "Parks & Recreation", que apesar de merecer já o ano passado constar dos seis nomeados, só Amy Poehler é que conseguiu a nomeação para Melhor Actriz. Todo o mundo espera que este ano a série se safe melhor - até porque é, para muitos (incluindo eu), a melhor comédia na televisão actual. A elas se junta "Community", a série mais criticamente aclamada dos últimos dois anos, que muita gente admira mas que não conseguiu favores o ano passado na Academia - e da qual se espera mais em 2011. Veremos.

Entre os nomeados anteriores que entretanto saíram da lista, não há nenhum que me pareça talhado a regressar, embora tenham que ser tidos em conta à mesma: afinal, "Entourage" sempre conseguiu três nomeações e "Weeds" duas e mesmo "Family Guy" e "How I Met Your Mother" surgiram em 2009 batendo adversários de grande peso, tornando-se a primeira série animada e a primeira série de duas câmaras a serem nomeadas em muito tempo.

Das novas séries, há duas que merecem que se preste atenção: "The Big C" tem muito buzz para a sua estrela, Laura Linney, que pode trazer atrás de si nomeações extra, como muita gente pensa ter sucedido com Edie Falco e "Nurse Jackie" o ano passado, curiosamente também da Showtime; e "Hot in Cleveland", de regresso ao tradicional formato de sitcom com laugh track e com actrizes de renome, lideradas pela carismática Betty White de regresso de forma regular à televisão. Suspeito que esta combinação de tradição com o peso dos nomes do elenco será impossível de resistir à Academia, apesar de não me surpreender se for outro o sexto nomeado. "Raising Hope", "Mike & Molly", "Louie" e "Episodes" são outras séries novas que têm possibilidade de serem tidas em consideração, embora eu não tenha muita esperança que sejam. A elas se juntam "The Middle", que até potencialmente merecia um lugar entre os seis nomeados, mas que a Academia ignorou em 2010 apesar de ter Patricia Heaton, duas vezes vencedora do Emmy por "Everybody Loves Raymond", no elenco.

Discutindo os Emmy 2011: Melhor Actor Secundário e Actriz Secundária - Comédia

A contar os dias para o anúncio dos nomeados para os Emmy 2011 - que ocorrerá esta quinta-feira 14 de Julho, venho oferecer a minha opinião sobre quais os candidatos mais fortes nas principais corridas e tentar a minha sorte no jogo preditivo, tal e qual como faço para os Óscares. Pego agora em Melhor Actor Secundário e Melhor Actriz Secundária em Comédia.

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIA - COMÉDIA


PREVISÃO:
Julie Bowen, Modern Family
Jane Krakowski, 30 Rock
Jane Lynch, Glee
Sofia Vergara, Modern Family
Betty White, Hot in Cleveland
Kristen Wiig, Saturday Night Live 

Do grupo de nomeadas do ano passado, Sofia Vergara e Julie Bowen ("Modern Family") e a vencedora Jane Lynch ("Glee") irão certamente repetir a nomeação, até porque as suas séries continuam populares e as suas interpretações ainda são agradavelmente relembradas. Jane Lynch tem ainda como bónus o facto de ser a apresentadora da cerimónia deste ano, algo que só a fará ganhar mais votos e reconhecimento. A elas deve-se juntar a rejuvenescida Betty White que, aos oitenta e nove anos, monta um comeback que só tem paralelo com o de Meryl Streep na sétima arte. "Hot in Cleveland" pode não ser para todos, mas o seu estilo tradicional e o facto de ter no seu elenco Betty White, um dos pilares da televisão das últimas quatro décadas, ajuda. Além disso, o resto do elenco também é bastante reconhecido, daí que não me surpreendia se mais alguém conseguisse ser nomeada; provavelmente a mais forte candidata será Wendie Malick, mas Jane Leeves e Valerie Bartinelli também são possibilidades.

Estou a arriscar um pouco nas restantes previsões ao apostar que Jane Krakowski ("30 Rock") e Kristen Wiig ("Saturday Night Live") vão manter o seu estatuto de nomeadas por mais um ano quando não é como se "30 Rock" e "Saturday Night Live" - e particularmente o seu papel nelas - tenham ganho fãs. Wiig terá provavelmente mais hipóteses de manter o lugar do que Krakowski, uma vez que a sua incursão mais recente no cinema ("Bridesmaids") foi um sucesso estrondoso e também porque o tempo de ecrã de Krakowski foi bastante reduzido este ano em "30 Rock".

A principal vantagem delas é que as candidatas de luxo desta categoria têm todas handicaps difíceis de combater. Busy Philipps e Christa Miller ("Cougar Town"), Alison Brie e Gillian Jacobs ("Community"), Mayim Blahik ("The Big Bang Theory") e Aubrey Plaza e Rashida Jones ("Parks & Recreation") teriam todas lugar cativo na minha linha da frente de candidatas dado o seu brilhante trabalho esta temporada, mas a verdade é que as suas séries têm mostrado dificuldade em conseguir muitas nomeações (embora estas fossem merecidas) e portanto mais um ano deve passar sem que elas sejam reconhecidas. As maiores candidatas, depois das supra-mencionadas, talvez sejam Phyllis Sommervile ("The Big C"), que está numa série que será definitivamente visionada pela Academia e talvez possa benificiar do estatuto de provável vencedora de Laura Linney na categoria de Melhor Actriz (o mesmo se passa com Oliver Platt) e Vanessa Williams, que decidiu continuar a espalhar a sua diva interior agora pelas ruas de Wisteria Lane em "Desperate Housewives". Outras potenciais candidatas a ter em consideração são Kathryn Joosten ("Desperate Housewives") que já venceu anteriormente por este papel em Melhor Actriz Convidada e que agora é candidata como Melhor Actriz Secundária, Anne Heche, Jane Adams e Rebecca Crestoff ("Hung"), Kaitilin Olson ("It's Always Sunny in Philadelphia"), Merritt Wever ("Nurse Jackie") que não percebo como não foi nomeada o ano passado, ainda por cima com "Nurse Jackie" a conseguir nomeação para Melhor Série,  Allison Janney ("Mr. Sunshine"), Holland Taylor ("Two and a Half Men") e Jenna Fischer ("The Office").

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO - COMÉDIA


PREVISÃO:
Ty Burrell, Modern Family
Chris Colfer, Glee
Neil Patrick Harris, How I Met Your Mother
Ed O'Neill, Modern Family
Oliver Platt, The Big C
Eric Stonestreet, Modern Family
 
Já na categoria de Melhor Actor Secundário, as contas são mais simples. A única coisa que é difícil de estimar é mesmo a proporção do domínio da categoria pelos homens de "Modern Family". Depois das confusões do ano passado, Ed O'Neill deve-se juntar aos seguríssimos Eric Stonestreet e Ty Burrell na categoria, podendo ou não (eis a questão) ter como companhia o também nomeado o ano passado Jesse Tyler Ferguson. A minha aposta é que este fique de fora para dar lugar a O'Neill, apesar de tal poder não acontecer. A questão então seria: quem terá que sair para dar lugar à entrada de O'Neill? 

Chris Colfer ("Glee") não será, até porque a sua personagem é mais popular que nunca e ele é considerado o favorito à vitória, a par de Burrell. Neil Patrick Harris ("How I Met Your Mother") ainda não venceu este troféu nesta categoria, apesar da sua interpretação de Barney Stinson ser das coisas mais lendárias da última década em televisão. Provavelmente manter-se-á na discussão até à última temporada de "How I Met Your Mother" para então ser premiado (ou até a série decair substancialmente em qualidade, o que está prestes a acontecer), portanto penso que deverá manter-se nomeado, embora não me choque se for deixado de fora.

Quem deverá abandonar a lista de nomeados é Jon Cryer ("Two and a Half Men") que, com tudo o que se passou este ano, terá sorte se a sua série, quando voltar, se mantiver com o sucesso de audiências que ainda possuía. Os Emmys não serão o que o preocupa mais - embora esta situação e a boa vontade que daí possa surgir em seu favor o possa de facto beneficiar. Quem também não deverá voltar são os antigos nomeados Rainn Wilson ("The Office"), Jeremy Piven e Kevin Dillon ("Entourage"), Jack McBrayer e Tracy Morgan ("30 Rock").

Um antigo nomeado que estará potencialmente de volta é Oliver Platt, que depois de conseguir duas nomeações consecutivas por "Huff" retorna agora com "The Big C", beneficiando em muito do estatuto de favorita de Laura Linney na categoria de Melhor Actriz, o que vai impulsionar muitos votantes a visionar a série e possivelmente a considerar outras nomeações, como a dele. Também John Benjamin Hickey, de "The Big C", não deve ser posto de parte.

Tal como na categoria de Melhor Actriz Secundária, aqui haviam outros candidatos com bastante qualidade e que mereciam ser incluídos, mas estão em séries que ainda não encontraram favores na Academia, como Danny Pudi, Donald Glover e Chevy Chase ("Community") e Ted Danson ("Bored to Death"). Também Jason Segel ("How I Met Your Mother"), John Krasinki e Ed Helms ("The Office") e Simon Helberg e Kunal Nayyar ("The Big Bang Theory") não têm conseguido buzz pelas suas interpretações, apesar das suas séries serem bem vistas pela Academia e terem inclusive nomeados nas categorias de interpretação, se bem que para os seus elementos mais... impressionantes, digamos. Finalmente, quem devia absolutamente ser tido em conta - e que é o candidato mais forte a ocupar um dos seis lugares depois dos seis que mencionei serem as minhas previsões - é Nick Offerman, que rouba cenas a torto e a direito na melhor comédia do ano ("Parks & Recreation") e que, se houvesse justiça, já tinha sido nomeado o ano passado e era o favorito a vencer neste. Também Aziz Ansari e Chris Pratt, da mesma série, deviam ser tidos em consideração.

Revisão da Televisão em 2010: Parte 4

A nova temporada televisiva já começou há quase dois meses, daí que eu precise mesmo de arrumar com a minha revisão das temporadas das séries em 2010.

Vamos à quarta e última parte da minha revisão (partes anteriores em #31-40, #30-21 e #20-11 e este, #10-1) Espero que deixem ficar a vossa opinião.



10. PARKS AND RECREATION

Temporada: 2
Nota: B+

Crítica: Depois de uma primeira temporada interessante, a comédia que era suposto ser um parente pobre de "The Office" deu um salto substancial em qualidade. Muito mais engraçada, muito mais madura, com piadas muito mais eficientes e muito menos ilógicas, como algumas das storylines do ano transacto. E enquanto Leslie Knope (Amy Poehler) continuou nos seus devaneios do costume, as verdadeiras estrelas do show apareceram, desculpe-me Tom (Aziz Ansari) que parece ser de quem toda a gente gosta, são April (Aubrey Plaza) e Ron (Nick Offerman), que é uma versão bastante mais aprimorada do sr. Michael Scott. Parabéns a uma série que consegue ter tanta riqueza e extrair tão bom potencial para histórias a partir dos seus personagens secundários como esta. Estaria mais alto não fosse o facto de ainda assim continuar a ter alguns episódios em que escapa para a piada fácil.

Melhor Episódio: Um empate entre "Sweetums" e "The Stakeout" (2.15 e 2.02, B+).
Quem sobressaiu: Aubrey Plaza. Tudo o que ela disse esta temporada foi mágico.


9. THE GOOD WIFE

Temporada: 1
Nota: B+


Crítica: Se alguém me dissesse que um drama legal muito subtil e ligeiro se fosse tornar na minha série favorita das que estreou na nova temporada, não acreditaria. Mas foi de facto verdade. "The Good Wife" ganhou-me a pouco e pouco e agora é a série que mais falta me faz durante a semana. "Modern Family" é de longe a série que eu mais gostei de acompanhar o ano passado, mas esta é que se tornou das minhas favoritas. Excelentes casos, brilhante a forma como captura o ambiente dos tribunais e ao mesmo tempo tece bem a dicotomia entre a vida profissional e a outra vida, a pessoal, a privada e impecável ao explorar a bipolaridade das personagens, nunca nos emburrecendo, nunca nos tomando como garantidos, sempre surpreendendo sem recorrer a clichés ou a jogadas duplas, como tão frequente é ver neste tipo de séries. E nem vamos falar do valor incalculável deste elenco. Josh Charles e Chris Noth têm pura e simplesmente os papéis de uma vida, Archie Panjabi já levou o Emmy e Christine Baranski é grande candidata a levar o próximo, ainda por cima se continuar assim. E depois disso temos Julianna Margulies. Que interpretação soberba. Sabe quando deve deixar a sua personagem falar por si, sabe quando usar as expressões faciais, sabe quando deve subir o tom e descê-lo. É impressionante. Foi-lhe roubado um Emmy este ano, mas em 2011 não lhe escapa.


Melhor Episódio: "Boom" (1.19, B+) e "Unplugged" (1.21, B+).

Quem sobressaiu: Todos excelentes, mas Julianna Margulies é a MVP da série.


8. FRIDAY NIGHT LIGHTS


Temporada: 4
Nota: A-/B+


Crítica: Que há a dizer de "Friday Night Lights" que ainda já não foi dito? Que é capaz de ser o melhor drama da televisão norte-americana? Sim. Que tem um dos melhores elencos em televisão? Sim. Que tem argumentistas fantásticos que conseguem aliar o drama ao inspiracional e a geniais momentos de comédia? Sim. Que tem em Kyle Chandler e em Connie Britton dois dos melhores actores da sua faixa etária? Sim. Que apesar de falar primariamente em futebol americano pouquíssimo do interesse da série reside no desporto em si? Sim. Que quem vir "The Son", do ano passado, e não passar a seguir a série religiosamente é porque não tem coração? Obviamente. Acho que já disse tudo, portanto.

 
Melhor Episódio: "The Son" (4.05, A) é o melhor episódio dramático do ano passado, só a par do season finale de Mad Men e Breaking Bad.

Quem sobressaiu: Connie Britton continua, ao fim de quatro temporadas, simplesmente espectacular.


7. LOST


Temporada: 6
Nota: A-/B+

Crítica: Esta nota é capaz de ser um pouco alta demais para uma temporada tão confusa e incerta como esta última de "Lost" foi, mas a verdade é que a série terminou em grande, diga-se o que se quiser dizer do episódio final, que iria sempre causar imensa controvérsia. Uns optam por dizer que foi dos piores finais da história, eu opto por dizer que achei o final perfeito e totalmente condizente com o rumo que a série tomou. "Lost" nunca foi apenas uma série de mitologia, nunca foi apenas uma série de ficção científica. "Lost" sempre foi uma série que se focou nas pessoas, focou-se em explorá-las, focou-se em mostrar o seu lado bom e o seu lado mau e focou-se em tentar expô-las a situações que testassem a sua personalidade. Claro que foi fascinante ver algumas questões finalmente resolvidas mas para mim o mais importante foi ver que o desígnio final para as personagens era justo e assentava bem no que tínhamos vindo a conhecer de cada um deles. Admito que me veio lágrimas aos olhos no final. No fim de contas, estamos a falar da série mais icónica da nossa década, da nossa geração até, a terminar.


Melhor Episódio: Vários ao longo da temporada, mas só para ser teimoso, vou realçar o final ("The End: Part 1 and 2", A-).
Quem sobressaiu: Terry O'Quinn. Assombroso.



6. CHUCK


Temporada: 3
Nota: A-/B+


Crítica: Peço desculpa por dizer já isto, mas para quem não gosta de "Chuck", não vale a pena sequer tentar compreender esta nota. Esta é uma nota de uma pessoa que se diverte imenso todas as semanas ao seguir as desaventuras do sr. Chuck Bartowski e Cª. Tenho pena que com esta série só tenha percebido o seu valor muito mais tarde do que a maioria das pessoas. Ainda bem, contudo, que eu ainda cheguei a tempo. A terceira temporada de "Chuck" foi a mais forte até agora, parece-me a mim. Finalmente o nosso herói é treinado para ser espião, finalmente obtivemos uma resolução quanto à relação entre Chuck e Sarah, finalmente Morgan serve para mais do que comic relief e finalmente Ellie e Awesome têm uma participação mais activa na série. A única coisa que não gostei nesta temporada foi a adição de Brandon Routh como o super-espião Shaw. Admito, surpreendeu-me pela positiva inicialmente, todavia com o andar das coisas e as complicações que ele foi aos poucos inserindo na relação de Chuck e Sarah e no treino de Chuck foram demovendo-me da minha apreciação inicial. E depois aqueles seis últimos episódios, com a sua dupla face mostrada... Não há paciência. Foram momentos difíceis para mim sempre que ele surgia no ecrã. De resto, foi um ano bastante bom para a equipa de "Chuck", que manteve as audiências minimamente altas e conseguiu uma renovação completa de 24 episódios. Not bad.


Melhor Episódio: Para mim, "Chuck vs. the Mask" (3.07, B+).
Quem sobressaiu: Acho que esta foi, até agora, a melhor temporada de Joshua Gomez.

 
5. SONS OF ANARCHY

Temporada: 2
Nota: A-


Crítica: É mesmo uma pena que pouca gente dê valor a "Sons of Anarchy", um dos melhores dramas da televisão por cabo nos EUA. É uma série que não respeita convenções e que pisa a linha do inaceitável vezes demais, mas a verdade é que não há outra coisa como ela. Faz-me lembrar algo do género de "Rescue Me", mas mais pesado ainda. Abordar de forma tão brusca e poderosa uma violação, como fez a série o ano passado, não é para todos (viu-se pelo episódio de "Private Practice" esta semana). Felizmente, conta com um elenco fabuloso e com um grupo de argumentistas com muito talento para contar histórias. O que me admira é a falta de amor que os prémios como os Emmy têm pela série. É que por exemplo Katey Sagal teria ganho um Emmy de caras. E já agora, lembram-se de uma série fantástica que passava há uns anos na televisão, chamada "The Shield", que também não tinha sucesso com os Emmy? Pois é, adivinhem quem era o argumentista principal dessa série? O criador desta.


Melhor Episódio: "So" (2.01, A-) e "Service" (2.11, A-).
Quem sobressaiu: Katey Sagal. Aquela cena da violação ainda me está gravada na memória.


4. DEXTER

Temporada: 4
Nota: A-


Crítica: Quando pensamos que "Dexter" não consegue ficar melhor, eis que os argumentistas sobem o nível mais uma vez e nos presenteiam com a melhor temporada da história da série. Uma temporada verdadeiramente excitante, com a adição acertada do extraordinário John Lithgow - finalmente um nemesis à altura de Dexter Morgan - e com um final tão espectacular quanto chocante. Quem poderia prever que seria aquele o destino de Rita? A minha única crítica - e que é recorrente, já não é de agora - é a série não ter mais ninguém com o mínimo interesse, à excepção de Dexter, claro. Não é por culpa dos actores, pois estes desempenham bem os seus papéis. Acho mesmo que é por culpa das personagens e das suas caracterizações, que as tornam muito unidimensionais, além do pouco material que têm os actores secundários para trabalhar.




Melhor Episódio: O final seria óbvio, mas "Hungry Man" é capaz mesmo de ser o melhor (4.09, A).
Quem sobressaiu: John Lithgow e Michael C. Hall.




3. BREAKING BAD


Temporada: 3
Nota: A


Crítica: O primeiro A da minha lista vai para esta brilhante e inovadora série que desafia toda a espécie de lógica ou lei. Não basta dizer só que é inteligente, bem escrita, bem interpretada e interessante. Não. Esta terceira temporada rebentou com todos os fusíveis. Foi excepcional e não houve um episódio que não me tivesse deixado de boca aberta. Ainda por cima, este elenco é fantástico - Bryan Cranston, Anna Gunn e Aaron Paul, o núcleo duro da série, são geniais e todos mereciam um Emmy (só a mulher não levou um Emmy para casa - nem sequer foi nomeada; Paul ganhou o seu primeiro este ano, Cranston vai no terceiro consecutivo) e tem uma química explosiva e é maravilhoso presenciar a transformação que as personagens vêm vindo a sofrer. Finalmente, só uma palavra de apreço para a AMC: obrigado pela boa televisão que nos tem dado. "Mad Men", "Rubicon", "Breaking Bad" e "The Walking Dead"? Obrigado.

Melhor Episódio: o final de temporada, "Full Measure" (3.13, A).
Quem sobressaiu: Aaron Paul ser destacado era merecido, mas como "Peekaboo" já foi a temporada passada, é Bryan Cranston que para mim foi o melhor da série.


2. MODERN FAMILY

Temporada: 1
Nota: A

Crítica: Que lufada de ar fresco foi "Modern Family" no panorama de séries com base situacional (as tais sitcoms)! Um elenco irrepreensível e indubitavelmente talentoso, histórias originais, frescas, bem elaboradas e exploradas (e, muito importante, absolutamente engraçadas), uma direcção cuidada, que deve ter sido crucial para obter tão bons resultados em termos de timing comédico e pronunciação de falas não de um, ou de dois, mas de quatro actores infantis, e uma série que não teve medo de lidar com preconceitos (tem gays; tem estrangeiros; tem um casamento com uma diferença de idades grande) e que vincou bem o seu lugar na temporada televisiva de 2009-2010. Foram tantos e tão saborosos os momentos que me proporcionou que nem dá sequer para singularizar dez, quanto mais só um ou dois. "Modern Family" não promete. Chegou, viu e venceu. Tão simples quanto isso.

Melhores Episódios: Não dá para pegar só num. O piloto, "Fifteen Percent", "Moon Landing", "Fears", "Family Portrait" são alguns que destaco (1.01, 1.14, 1.15, 1.16, 1.24, todos A-).
Quem sobressaiu: Ty Burrell, Sofia Vergara e Eric Stonestreet. Que três.


1. MAD MEN


Temporada: 3
Nota: A+

Crítica: Bem sei que não se deve falar em perfeição porque normalmente esse é um objectivo inatingível, mas a terceira temporada de "Mad Men" foi, sem dúvida, perfeita. Treze episódios fortíssimos, um estilo de escrita ímpar por parte de Weiner e Cª, storylines que mudaram (bem) um pouco o rumo da série e abordam de tudo um pouco, de divórcios a gravidezes a casamentos apresentando-nos sempre mais e mais camadas de complexidade destas personagens que aprendemos a tanto respeitar, um elenco extraordinário, onde não há um ponto fraco - e onde Moss, Hamm e Jones brilham acima de todos os restantes - e uma maravilhosa exploração do dia-a-dia, do ambiente, da história dos anos 60 tornam esta na melhor série dos últimos anos e muito provavelmente na série da década, lado a lado com "The Sopranos", "The Wire" e "Six Feet Under". E se dúvidas haviam da magnitude do calibre de Mad Men, esta temporada deve tê-las aniquilado todas. Esta vai ser uma série que vai ganhar o Emmy de Melhor Drama até ao dia em que decidir terminar.

Melhor Episódio: o trio final, "The Gypsy and The Hobo", "The Grown-Ups" e o soberbo final "Shut the Door, Have a Seat" (3.11, 3.12, 3.13, todos A), a juntar ao espectacular "Guy Walks Into Advertising Agency" (3.06, A-).
Quem sobressaiu: January Jones e Jon Hamm.



E cá está a minha revisão da temporada televisiva passada concluída. Espero que tenham gostado e que não vos tenha maçado muito. Alguma sugestão a como fazer a análise da temporada vindoura será bem-vinda. E obviamente que peço desculpa por ter-me demorado tanto em voltar à escrita no blogue.