Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

O Ano em Revista: Bandas Sonoras



A nossa Revisão do Ano começa hoje, aqui no DIAL P FOR POPCORN. E decidi começar, como há dias já tinha preconizado, com as Bandas Sonoras (num período menos poético e mais cerebral em que me encontro, música é do que preciso para manter minimamente viva a minha imaginação, o que explica a grande quantidade de artigos desse foro nos últimos tempos).


2010 foi um ano especialmente bom para bandas sonoras. Quase todos os grandes compositores do ramo trabalharam, quase todos entregaram bons trabalhos, uma boa parte deles conseguiu fazer dos melhores da sua carreira; outros que, com uma carreira recheada de êxitos, conseguiram voltar aos bons velhos tempos; e ainda outros que, na sua primeira aventura em composição para filmes, foram um sucesso estrondoso. Tivemos de tudo, este ano.

Depois de 2009 ter sido o ano da Mulher, como muitos o caracterizaram, 2010 foi, para mim, o ano das Bandas Sonoras, mesmo tendo as mulheres feito por merecer de novo o título este ano. Na minha cabeça, este foi um dos melhores anos de sempre nesse aspecto. Deixo-vos ficar, abaixo, com trechos daquelas que são as minhas favoritas composições do ano. Deixo-vos julgar por vós próprios.


L'ILLUSIONISTE, de Sylvain Chomet, foi uma experiência incrível. Não bastava ser um filme animado competente, com uma história inolvidável e compreensivelmente emocional, ainda Chomet tinha de compôr uma das mais lindas (quiçá a melhor) banda sonora do ano. Uma melodia inesquecível, a merecer destaque.


Se dissesse que me apaixonei perdidamente pela banda sonora de John Powell para HOW TO TRAIN YOUR DRAGON, também não estaria a mentir. Mantenho na minha cabeça que é a mais sólida composição musical, que serve na perfeição o filme e o eleva para maiores vôos, conseguindo ser harmoniosa, doce, subtil, imperial e arrepiante, tudo ao mesmo tempo. Mítica. Tal como o filme. Se juntarem a isto a ternurenta "Sticks & Stones" de Jónsi, o vocalista de Sigur Rós... Eu derreto-me.




É fácil desprezar a belíssima composição musical de Hans Zimmer para INCEPTION de Christopher Nolan como um conjunto de arranjos musicais bem feitos que impulsionam os momentos mais vibrantes do filme. É fácil desprezá-lo, sobretudo, porque de Zimmer já é isso que esperamos: uma banda sonora fascinante. O que me surpreende é que ele tenha conseguido manter-se original tanto tempo e, sem dúvida, este reaproveitamento que ele faz de "Je ne regrette rien" é brilhante. É fácil perdermo-nos nas explosões e estrondos sonoros típicos de um produto de Zimmer, mas o que surpreende aqui é de facto o ritmo e a tensão que ele imprime em trechos mais calmos como estes que vos deixo:



Outra banda sonora que me fascinou este ano foi o resultado da colaboração de Trent Reznor e Atticus Ross com David Fincher, para o seu THE SOCIAL NETWORK. Brilhante uso da electrónica, um som potente que se alia ao filme e cria um excelente pano de fundo à história, conferindo-lhe uma coolness e um ar de modernidade que era exactamente o que o filme precisava. Excelente trabalho, resultado espectacular.


Não é propriamente o melhor trabalho de Clint Mansell, mas ainda assim há que lhe dar os parabéns pela magistral interpretação, arranjo e mistura musical que fez com "Swan Lake" de Tchaikovsky para BLACK SWAN de Aronofsky. Que o filme resulte tão bem é testamento da qualidade do trabalho deste duo, juntos desde 2000. Transformou composições já de si virtuosas e graciosas em autênticas obras-primas musicais, com umas reviravoltas pelo meio que as tornam tão únicas, que conferem uma magia especial ao filme, convertendo este "Swan Lake" em particular no mais belo que já se viu.


Confissão (nada) surpreendente: estou mortinho para ver TRUE GRIT, dos irmãos Coen. Primeiro, porque conheço o livro e não acho que o filme de 1969 lhe seja particularmente fiel. Segundo, por causa de Jeff Bridges, Matt Damon e Josh Brolin. Terceiro, porque é um Coen Bros. e deles sai sempre algo interessante de discutir. E em último lugar, por Carter Burwell. Um dos maiores compositores a trabalhar no ramo, hoje em dia. E se o que eu ouvi é alguma indicação, eu diria que este será dos seus melhores trabalhos de sempre. A combinação do seu estilo musical muito próprio e do arranjo musical que fez nestes hinos protestantes resultou em pleno.


Quem me conhece sabe da minha verdadeira admiração por Alexandre Desplat. Acima de tudo, pelo trabalho tão diversificado, tão inspirado, tão peculiar e tão diferente de todos os outros que têm aparecido. Este ano, mais três excelentes bandas sonoras, das quais ressalvo estas duas. THE GHOST WRITER serve o filme de Polanski na perfeição e envolve-nos na trama como nenhuma outra o fez em 2010. Mantém-nos sempre na ponta do assento no cinema, à espera do que se passará a seguir. Uma grande banda sonora para um grande filme.


E como uma só não basta para Desplat, eis que, além de deixar a sua marca própria na franchise de Harry Potter, ainda veio compôr a banda sonora de um dos favoritos a vencer vários Óscares na cerimónia deste ano. A sua banda sonora para THE KING'S SPEECH pode não ser tão sonante nem tão portentosa como para o filme de Polanski, todavia é ainda assim uma bela composição, a aliar o imperial que se impõe a um filme sobre a realeza britânica com o leve e subtil que estabelece um ambiente caloroso e alegre que proporciona pano de fundo ideal à relação central do filme.



E, como seria de esperar, teríamos de chegar a Daft Punk e à magnífica banda sonora que compuseram para TRON: LEGACY. Mesmo que o filme não consiga igualar em qualidade a música, esta incursão do duo francês pelo cinema não pode nunca passar despercebida. Não conheço como se comporta a música dentro do filme, contudo o ritmo pulsante, épico, futurístico desta composição torna-a em algo muito especial e único que nos é apresentado este ano. Para ser saboreado com múltiplas audições.


John Adams é um génio musical. Isso não há dúvida. A sublime combinação da enorme qualidade da sua banda sonora com a fotografia magistral de Yorick Le Saux e a direcção firme de Luca Guadagnino transcendem o ecrã, deixando uma marca inapagável na nossa memória. Tilda Swinton pode ser o principal motivo que leve as pessoas ao cinema para ver I AM LOVE / IO SONO L'AMORE, mas estes três que apontei em cima, sobretudo a banda sonora de Adams, é que fica na nossa memória quando saímos dele. Absolutamente inesquecível. Grandiosa. Maravilhosa.


E temos agora aqui as duas escolhas mais desconhecidas - penso eu - da lista. MONSTERS, de Gareth Edwards, tem dividido as opiniões dos críticos. Eu adorei o filme. O que ficou na retina, sobretudo, além do brilhante resultado final da película, em termos de efeitos visuais e fotografia, quando consideramos o baixíssimo orçamento do filme, foi a monstruosa banda sonora de Jon Hopkins, que funciona em uníssono com a mensagem do filme. Música que nos deixa inquietos, desconfortáveis, mas ao mesmo tempo impressionados e interessados no que se passará a seguir. Excelente complemento ao poderio visual do filme.



Resta-me falar de mais uma das surpresas do ano (bem, em teoria é de 2009, mas só o descobrimos este ano no Ocidente). MOTHER, de Joon-Ho Bong, é todo ele uma impressionante película, com uma interpretação extraordinária de Kim Hye-Ja, contudo foi na banda sonora que a minha cabeça se focou quando vi o filme a primeira vez. Uma banda sonora tão atípica, a fazer-me lembrar a banda sonora de IN THE MOOD FOR LOVE, com uma batida romântica, inflamada, com um ritmo incandescente, melodramática q.b.


Esta revisão não podia, todavia, estar completa sem mencionar estes cinco outros títulos que ficaram comigo durante este ano. Podem não ser as melhores bandas sonoras para os seus filmes (como é o caso de NEVER LET ME GO e THE LAST AIRBENDER, cuja música não combina com o que se vê passar no ecrã), podem não ser o melhor trabalho do seu compositor (como é o caso de LET ME IN, uma excelente banda sonora de Giacchino, que tem passado despercebida no circuito de prémios; ou de TOY STORY 3 e Randy Newman) ou por uma razão ou por outra não constam da minha lista de "melhores" do ano (127 HOURS é uma boa questão; gosto da banda sonora mas há músicas dela que não me impressionam; SOMEWHERE tem uma das minhas bandas sonoras preferidas este ano, mas só um ou dois títulos são-me verdadeiramente queridos - como esta dos The Strokes que escolhi), não posso deixar de singularizar estas bandas sonoras do resto que se ouviu em 2010:



E vocês, que dizem de tudo isto? Terei perdido a cabeça com tanta música?

O Estado da Corrida aos Óscares: MELHOR ACTOR


Lembrei-me agora que ainda não começámos a discussão da corrida aos Óscares aqui no blogue. Portanto decidi que era hoje que lançava tal discussão, que será parte integrante de uma boa porção dos artigos neste blogue até à cerimónia dos Óscares, em Fevereiro.


Pretendia já ter opinado sobre a corrida por duas vezes (em Agosto, antes dos Festivais terem começado e em Setembro, no período pós-festival) mas a falta de tempo tornou impossível tal tarefa. Fá-lo-ei agora, na época de início de campanhas "For Your Consideration" e com a abertura oficial da temporada de Óscares (Oscar season) - o marco do início da abertura foi o início da data de envio de screeners para os membros da Academia - e "Animal Kingdom" foi o primeiro filme a ser enviado, um gesto audaz mas que poderá valer a Jacki Weaver uma nomeação. Mas já lá iremos.

Primeiro, avaliaremos o estado da corrida em finais de Agosto. Quando o último mês de Verão chegou ao fim, poucas coisas eram certas em termos de temporada de Óscares: Lesley Manville conseguiu segurar o buzz que gerou em Cannes, ao contrário de Javier Bardem que tem vindo a perder gás; Naomi Watts, Sean Penn e o seu "Fair Game" continuam a aparecer intermitentemente nos radares dos prognosticadores mais predominantes da blogosfera, mas os únicos a apostarem realmente neles têm sido os bloggers do Awards Daily (Sasha Stone escreveu há dias um artigo em que diz acreditar vivamente na nomeação de ambos para Actor e Actriz); Annette Bening, Mark Ruffalo e, em menor grau (não percebo bem porquê), Julianne Moore vão mantendo os rótulos de competidores principais na corrida desde que o filme abriu em Sundance, excelentemente acompanhados por Jennifer Lawrence de "Winter's Bone" que também estreou no festival - e pelo menos os dois primeiros esperam-se ver nomeados. Em termos de filmes, "Inception" e "Toy Story 3" confirmaram o buzz que detinham e, se bem que têm perdido protagonismo para outros filmes candidatos, como o (inesperado) tubarão "The Social Network", mantém toda a sua qualidade, base de fãs e solidez intactas.


No princípio de Setembro fomos apresentados a mais um Festival de Veneza. Dos grandes nomes de Veneza ("Somewhere", "Miral", "The Tempest", "Meek's Cutoff", "Black Swan" e "The Town") saíram três fortes incógnitas na corrida: "Black Swan", "The Town", "Somewhere". Qual será o resultado final da sua campanha? Não se sabe, é impossível prever. Têm condições para garantir algumas nomeações? Sem dúvida. A maior certeza que saiu deste Festival foi mesmo Natalie Portman. Uma interpretação arriscada num filme que será sem dúvida um dos destaques da temporada, quer para o bem, quer para o mal. Barbara Hershey, uma das actrizes secundárias da película, também foi gerando algum buzz que poderá capitalizar se alguns grupos de críticos decidirem apostar nela, sobretudo porque a categoria de Actriz Secundária é a mais difícil de ler dos últimos tempos. "Miral" e "Meek's Cutoff" conseguiram comprador no festival e vão ser distribuídos em 2011. Michelle Williams, no segundo, diz-se ser excepcional e uma grande candidata a uma nomeação no ano que vem.


Depois de Veneza, foi a vez do Colorado e o Festival de Telluride fazerem a sua estreia na temporada. Telluride trouxe-nos imensas novidades, incluindo um dos grandes favoritos à vitória, "The King's Speech", que conseguiu ondas de aplausos tanto aqui como mais tarde em Toronto, tendo vencido ambos os prémios. Além do filme de Tom Hooper, que tornou Colin Firth no favorito para vencer Melhor Actor (o que, a juntar ao buzz vindo do ano transacto por "A Single Man", parece provável), em Telluride estrearam mais dois filmes high-profile, "Never Let Me Go", cujas críticas não foram tão positivas quanto o potencial do filme adivinhava, e "127 Hours", de Danny Boyle, que subitamente se tornou num dos destaques da temporada, sendo recebido debaixo de críticas muito generosas mas ao mesmo tempo bastante intrigantes.


A maioria destes títulos também entrou no Festival de Toronto, que veio a seguir. As críticas foram iguais para todos os filmes acima mencionados; enquanto isso, "Another Year" foi consolidando o seu estatuto de "pequeno filme poderoso do ano" e veio cair na grande maioria das listas de Melhor Filme. Em Toronto estrearam ainda mais cinco grandes candidatos: "The Conspirator" (com críticas más, foi adiado para 2011); "Hereafter" e "Conviction" (esforços sólidos e críticas simpáticas mas nada que garantisse que temos neles candidatos) e "Rabbit Hole" e "The Way Back", estes sim fortes apostas. Ambos ganharam distribuidor com a sua presença no festival e vão assim estrear nesta temporada. Do primeiro o grande realce é obviamente da sua protagonista, Nicole Kidman, embora Dianne Wiest também seja, nesta altura, um dado quase adquirido entre as nomeadas na categoria de Actriz Secundária. Do segundo, sendo de Peter Weir, é difícil não imaginar coisa boa.

A chegar ao fim de Setembro começou o Festival de Nova Iorque, onde a grande maioria dos filmes de que já falámos também estreou e chegou aos cinemas o maior candidato da temporada: "The Social Network" de David Fincher, que juntou à adoração do público milhares de críticas radiantes e um buzz fervoroso. É complicado avaliar qual o nível de adulação que Fincher vai gozar quando chegar à altura de anunciar as nomeações mas é impossível descartar a grande mossa que este filme deverá fazer na cerimónia. De resto, no campo dos candidatos falta referir dois títulos que podem afirmar-se na corrida - "True Grit" e "The Fighter" - devido ao seu enorme pedigree mas que só saberemos o seu impacto quando estrearem em Dezembro. Até agora, pelo que se vê nos trailers, há potencial.



E é assim então que chegamos a Outubro e a este artigo. Durante os próximos dias vamos debater sobre cada categoria principal dos Óscares e vamos analisar quem são os competidores principais. Começamos por MELHOR ACTOR.


A categoria de Melhor Actor tem vindo, a pouco e pouco, a moldar-se. Nesta altura, dificilmente alguém deixará de fora os nomes de James Franco ("127 Hours") e Colin Firth ("The King's Speech") das suas previsões. Em teoria, o papel de Jeff Bridges em "True Grit", com os ingredientes certos, será com certeza nomeado e é por isso que também é considerado na grande maioria das previsões. Se Robert Duvall conseguir segurar um ano inteiro de buzz pela sua prestação em "Get Low", eu ficarei chocado, embora ache que é perfeitamente possível (Richard Jenkins fê-lo ainda há bem pouco tempo). Estou é a ter dificuldade em arranjar oposição com tanta coisa a favor como ele tem.
Talvez Mark Wahlberg mas "The Fighter" é um grande "se". Outro grande "se" é Sean Penn ("Fair Game"). As críticas em Cannes foram más para o filme mas excelentes para os interprétes. Mas estes vão precisar de uma campanha forte para o filme para conseguirem ter margem de manobra na luta pela nomeação. Possivelmente Paul Giamatti ("Barney's Version") mas o filme é pouco ambicioso. Kevin Spacey tem imenso buzz mas o papel é tão odioso... O mesmo se passando com Jesse Eisenberg ("The Social Network") que ainda por cima tem que lutar contra o facto de só ter 27 anos. E também não podemos ignorar nomes como Ryan Gosling, que recebeu elogios fantásticos pela sua interpretação em "Blue Valentine" como um dos dois membros de um casal cujo amor vemos florescer e depois aprodrecer, e Jake Gylenhaal ("Love and Other Drugs"), que está num dos filmes que se espera que seja uma das grandes surpresas do ano. E há que não esquecer que DiCaprio teve dois grandes papéis este ano, ambos bastante bons e pelos quais pode ser nomeado - "Inception" será menos provável que "Shutter Island", mas qualquer um dos dois pode ser opção. E há que não desprezar Javier Bardem ("Biutiful") que tem caído a pique nas previsões - se bem que Cannes já lá vai e "Biutiful" tem sido criticado a torto e a direito. Quase excluído da corrida - ou pelo menos assim parece - está Stephen Dorff ("Somewhere").

A minha aposta actual é, por ordem de probabilidade de ser nomeado:

(Nomeados)
(1) Colin Firth, The King's Speech
(2) James Franco, 127 Hours
(3) Jeff Bridges, True Grit
(4) Robert Duvall, Get Low
(5) Mark Wahlberg, The Fighter
(Candidatos Fortes)
(6) Javier Bardem, Biutiful
(7) Jesse Eisenberg, The Social Network
(8) Sean Penn, Fair Game
(Ameaças Mais Distantes)
(9) Ryan Gosling, Blue Valentine
(10) Paul Giamatti, Barney's Version


Música no Cinema: "Never Let Me Go"


Já cá virei mais tarde hoje ou amanhã para falar das críticas e do buzz que resultou dos Festivais de Veneza e Telluride, onde estrearam grande parte dos filmes candidatos a prémios este ano nos Óscares. Ainda faltam o Festival de Toronto e o Festival de Nova Iorque para a campanha terminar e a Oscar season começar a sério, mas Telluride e Veneza reuniram tantos títulos interessantes que vejo-me obrigado a falar mesmo neles. Entre eles, em Telluride, estava "Never Let Me Go", que este blogue se tem fartado de elogiar, protagonizado por Andrew Garfield, Carey Mulligan e Keira Knightley e baseado na obra-prima de Kazuo Ishiguro, também do mesmo nome. Recebeu críticas francamente positivas, mas tem sido muito divisivo, razão pelo qual as suas ambições têm que baixar para a cerimónia dos Óscares em 2011.


Mas antes de falar nesse filme e noutros no post a que já me referi acima, decidi voltar a atenção para outro aspecto deste "Never Let Me Go", que tem sido amplamente elogiado a ponto de ser um dos favoritos à nomeação na sua categoria: a banda sonora belíssima de Rachel Portman (antiga vencedora de um Óscar, em 1996, por "Emma"). 


Esta banda sonora só vai ser lançada no mercado norte-americano no dia 14 de Setembro, um dia antes da estreia a nível nacional do filme, contudo já foi posta para download no iTunes há dois dias. Custa 9,99€ e sinceramente eu aconselho-vos a comprá-la (ou então obtê-la mais tarde por meios ilícitos, vocês é que sabem) porque ela é extraordinária. Mesmo. Alguns dos temas mais poderosos e profundos ("Ruth's Betrayal" ou "The Pier, The Pier"), alguns mais leves e adocicados ("We All Complete" e "Making Tea") e ainda outros emocionantes, intensos, ecoantes (como "The Worst Thing I Ever Did" e "Kathy and Tommy"). Tem de tudo e é brilhante.

Entretanto, se quiserem, podem ouvir pequenos trechos de 30 segundos das músicas (previews) no iTunes: fica aqui o link (aconselho que tenham o QuickTime e o iTunes instalado).