Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Os Globos imitam os críticos e premiam Argo e Affleck




Acaba de terminar há poucos minutos a 70ª cerimónia dos Globos de Ouro, transmitida na NBC e apresentada pelas fabulosas Tina Fey e Amy Poehler. Uma cerimónia mais divertida e leve que anos anteriores e que andou a passo rápido, com momentos geniais com cameos de Fey e Poehler nas categorias de Actor e Actriz em Telefilme ou Minissérie (e mais tarde agarradas a Clooney e Jennifer Lopez), com um high-five de Adele e Daniel Craig, com Quentin Tarantino a cuspir bebida, com Glenn Close a fazer-se de bêbeda, com a inigualável (e inesperada) carantonha de Tommy Lee Jones (que entretanto já se tornou viral pelas redes sociais), com a fantástica apresentação de Will Ferrell e Kristen Wiig e com o extraordinário e surpreendente discurso de Jodie Foster, bastante pertinente acerca de fama e privacidade que terminou com uma saudosa despedida de Foster que, de troféu erguido, grita "a mais cinquenta anos!".

A história principal a reter da cerimónia, contudo, é que o romance entre a película de Ben Affleck e as premiações deste ano continua, com "Argo" a sair com os troféus de Melhor Filme - Drama e Melhor Realizador da cerimónia. De resto, houve distribuição equitatária dos prémios de cinema: "Lincoln" leva para casa o troféu de Melhor Actor - Drama (Day-Lewis), "Zero Dark Thirty" o de Melhor Actriz (Chastain), "Les Misérables" venceu Melhor Filme - Comédia/Musical, Anne Hathaway é a Melhor Actriz Secundária e Hugh Jackman recebeu o prémio de Melhor Actor, Jennifer Lawrence ("Silver Linings Playbook") trouxe consigo o Globo para Melhor Actriz - Comédia/Musical e Tarantino e o seu "Django Unchained" conseguiram dois prémios, Melhor Argumento e Melhor Actor Secundário (Christoph Waltz). 

A categoria de Melhor Actor Secundário está-se a tornar especialmente curiosa a um mês dos Óscares, com vencedores diferentes, o que é refrescante se tivermos em conta que há precisamente um mês atrás diríamos que o prémio iria de caras para Tommy Lee Jones. Outra categoria confusa de decifrar é a de Melhor Filme Animado, com os favoritos "Frankenweenie" e "Wreck-it Ralph" (vencedor do Critics' Choice na quinta) a ver "Brave" ficar com o troféu. Uma escolha muito pouco usada - e mais uma vez pouco consensual. "Amour" ganha o seu milésimo prémio (não menos merecido) de Melhor Filme Estrangeiro. E Adele junta aos seus inúmeros prémios de música o Globo de Ouro. Virá o Óscar a seguir?

Nas categorias de televisão, o affair com "Homeland" vai continuando a pulsar forte (três vitórias, Série, Actriz e Actor - Drama) e a HFPA parece ter ficado também encantada com a nova coqueluche da televisão, Lena Dunham, que traz para casa dois prémios (Actriz e Série - Comédia/Musical). "Game Change" também teve uma boa noite, com Julianne Moore a ganhar Melhor Actriz - Telefilme ou Minissérie, Ed Harris a ganhar Melhor Actor Secundário e o telefilme a ganhar a categoria principal. Don Cheadle ("House of Lies") vence Melhor Actor - Comédia/Musical e Maggie Smith recebe mais um prémio de Melhor Actriz Secundária pela sua condessa de "Downton Abbey". 

A lista completa de vencedores abaixo:

CINEMA

Melhor Filme - Drama
"Argo"

Melhor Actor - Drama
Daniel Day-Lewis, "Lincoln"

Melhor Actriz - Drama
Jessica Chastain, "Zero Dark Thirty"

Melhor Filme - Comédia/Musical
"Les Misérables"

Melhor Actor - Comédia/Musical
Hugh Jackman, "Les Misérables"

Melhor Actriz - Comédia/Musical
Jennifer Lawrence, "Silver Linings Playbook"

Melhor Actor Secundário
Christoph Waltz, "Django Unchained"

Melhor Actriz Secundária
Anne Hathaway, "Les Misérables"

Melhor Argumento
Quentin Tarantino - "Django Unchained"

Melhor Realizador
Ben Affleck - "Argo"

Melhor Canção Original
"Skyfall" - "Skyfall"

Melhor Banda Sonora
Mychael Danna - "Life of Pi"

TELEVISÃO

Melhor Série - Drama
"Homeland"

Melhor Actor - Drama
Damien Lewis, "Homeland"

Melhor Actriz - Drama
Claire Danes, "Homeland"

Melhor Série - Comédia/Musical
"Girls"

Melhor Actor - Comédia/Musical
Don Cheadle, "House of Lies"

Melhor Actriz - Comédia/Musical
Lena Dunham, "Girls"

Melhor Telefilme ou Minissérie
"Game Change"

Melhor Actor - Telefilme ou Minissérie
Kevin Costner, "Hatfields & McCoys"

Melhor Actriz - Telefilme ou Minissérie
Julianne Moore, "Game Change"

Melhor Actor Secundário
Ed Harris, "Game Change"

Melhor Actriz Secundária
Maggie Smith, "Downton Abbey"

Tina e Amy juntam forças para os Globos


Depois de Seth MacFarlane anunciado para apresentar os Óscares, eis que os Globos de Ouro respondem à altura: Tina Fey (o génio por detrás de "30 Rock" e "Mean Girls") e Amy Poehler (a brilhante comediante protagonista de uma das melhores comédias em televisão, "Parks & Recreation") juntam forças para apresentar a próxima cerimónia dos Globos de Ouro, sucedendo a Ricky Gervais que no início deste ano repetiu o trabalho que tanta polémica lhe trouxe em 2011.


Prova de que esta parece uma decisão acertada? Tina Fey é uma argumentista de topo, com provas dadas em comédia de televisão e com um humor bastante incisivo mas saudável, que fica bem aos olhos das estrelas e grupos da indústria cinematográfica e televisiva que comparecerão ao evento. Saberá manter a comédia ligeira mas com um travo desafiador. Amy Poehler, com a enorme química que tem com Fey (ver aqui, por exemplo) saberá complementar a escrita e o estilo da amiga. Mais provas que Tina Fey é a escolha certa (como venho dizendo há anos)? Ver as suas intervenções nas mais recentes cerimónias de Emmys, Globos de Ouro e Óscares - seja com Steve Carell, Robert Downey, Jr, Jon Hamm (por duas vezes!) ou com Julia Louis-Dreyfus, Tina Fey foi sempre um deleite.

A cerimónia dos Globos de Ouro terá lugar a 13 de Janeiro, transmitida como habitualmente pela NBC. Chegará cá a Portugal, também como de costume, através dos canais AXN.

Vencedores dos Globos de Ouro 2012




Terminou há minutos a 69ª cerimónia dos Globos de Ouro, atribuídos pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, apresentada por um muito sedado - e assim mais engraçado - Ricky Gervais. "The Artist" foi o grande vencedor, com três estatuetas (Melhor Filme - Comédia/Musical, Melhor Actor - Comédia/Musical para Jean Dujardin e Melhor Banda Sonora) e sai da cerimónia com estatuto de favorito aos Óscares intacto. "The Descendants" tem em George Clooney (vencedor do troféu de Melhor Actor - Drama) o seu grande trunfo para os Óscares, tendo recebido também o prémio de Melhor Filme - Drama mas perdendo Melhor Argumento e Melhor Realizador para os veteranos Woody Allen e Martin Scorcese, respectivamente. A Clooney juntam-se Christopher Plummer (Melhor Actor Secundário) e Octavia Spencer (Melhor Actriz Secundária), sendo certo que estes três deverão repetir nos Óscares. Entretanto, os Globos puxaram o travão a quem já está lançado no apoio à Viola Davis com vitórias para Meryl Streep (Melhor Actriz - Drama) e Michelle Williams (Melhor Actriz - Comédia/Musical) e ainda houve tempo para Madonna subir ao palco para aceitar o prémio de Melhor Canção Original. Finalmente, há que mencionar o mais justo vencedor da noite: o Melhor Filme Estrangeiro, "A Separation". Uma foto agora da estrela da noite:


Para os lados da televisão, as escolhas foram, ao contrário do que estamos habituados, simpáticas e justas. Se bem que Bryan Cranston devia receber todos os prémios possíveis e imaginários, o troféu de Melhor Actor - Drama não fica mal a Kelsey Grammer. "Homeland" foi o grande vencedor da noite nas categorias televisivas, contudo, com vitórias em Melhor Série - Drama e para Melhor Actriz - Drama: Claire Danes. "Modern Family" consegue finalmente ultrapassar a popularidade doentia de "Glee" e vencer Melhor Série - Comédia/Musical. Matt LeBlanc, negado de um prémio por todos os anos de "Friends", recebe agora o troféu de Melhor Actor - Comédia/Musical naquela que era a pior categoria do dia. Laura Dern ganhou o prémio de Melhor Actriz - Comédia/Musical, algo que me deixa muito contente - sendo fã louco da série - se bem que acho que ele ficava melhor em Amy Poehler. Apesar de "Mildred Pierce" ter mais uma vez perdido Melhor Mini-Série para "Downton Abbey", Kate Winslet (Melhor Actriz - Mini-Série) continua a arrogância insuportável nos discursos, enquanto Peter Dinklage (Melhor Actor Secundário) é sempre espectacular de ouvir e Idris Elba (Melhor Actor - Mini-Série) radiante de ver, dado que este prémio lhe chega quase uma década depois do que devia ("The Wire" já tem 10 anos!). E Jessica Lange, pois claro, deliciosamente maquiavélica em "American Horror Story", tinha mesmo que ganhar, ela que tem quase tantos Globos de Ouro como Meryl Streep. Quase. 

Aqui fica então a lista completa dos vencedores:


Prémio Carreira:
Morgan Freeman


Cinema

MELHOR FILME - DRAMA:
"The Descendants"

MELHOR FILME - COMÉDIA/MUSICAL:
"The Artist"

MELHOR ACTOR - DRAMA:
George Clooney, "The Descendants"

MELHOR ACTOR - COMÉDIA/MUSICAL:
Jean Dujardin, "The Artist"

MELHOR ACTRIZ - DRAMA:
Meryl Streep, "The Iron Lady"

MELHOR ACTRIZ - COMÉDIA/MUSICAL:
Michelle Williams, "My Week With Marilyn"

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO:
Christopher Plummer, "Beginners"

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA:
Octavia Spencer, "The Help"

MELHOR FILME ESTRANGEIRO:
"A Separation"

MELHOR FILME ANIMADO:
"The Adventures of Tintin"

MELHOR REALIZADOR:
Martin Scorcese, "Hugo"

MELHOR ARGUMENTO:
Woody Allen, "Midnight in Paris"

MELHOR BANDA SONORA:
Ludovic Bource, "The Artist"

MELHOR MÚSICA ORIGINAL:
"Masterpiece" - "W.E."


Televisão

MELHOR SÉRIE - COMÉDIA:
"Modern Family"

MELHOR SÉRIE - DRAMA:
"Homeland"

MELHOR MINISÉRIE:
"Downton Abbey"

MELHOR ACTOR - COMÉDIA:
Matt LeBlanc, "Episodes"

MELHOR ACTOR - DRAMA:
Kelsey Grammer, "Boss"

MELHOR ACTRIZ - COMÉDIA:
Laura Dern, "Enlightened"

MELHOR ACTRIZ - DRAMA:
Claire Danes, "Homeland"

MELHOR ACTOR - MINISÉRIE:
Idris Elba, "Luther"

MELHOR ACTRIZ - MINISÉRIE:
Kate Winslet, "Mildred Pierce"

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO:
Peter Dinklage, "Game of Thrones"

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA:
Jessica Lange, "American Horror Story"



(Imagens via Twitter: Golden Globe Awards e Ricky Gervais)

Globos de Ouro - Previsões (com vencedores)



Mais logo temos mais uma cerimónia, a 69ª, dos Globos de Ouro, entregues pela Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA), um dos mais importantes precursores dos Óscares, cujos nomeados são anunciados na próxima semana e cujos vencedores serão revelados dentro de um mês. A cerimónia é transmitida em Portugal pelo AXN e pelo Sony Entertainment, começando por volta da 1 hora da madrugada, apresentada por Ricky Gervais, que já prometeu ser mais contido que o ano passado.


Ao contrário do habitual, a nossa cobertura da corrida aos Óscares este ano foi miserável, um mea culpa que eu tenho que fazer, que acabei por trocar a escrita aqui no blogue pelo estudo para a universidade. Aparentemente, estudar para médico não dá grande tempo para nada. Enfim. Pudesse eu recuar a Junho e faria as coisas de forma diferente. Não podendo... We'll take what we can get

Este ano decidi ser atrevido nalgumas previsões e, até porque não sou de todo o melhor apostador para os Globos de Ouro, optei por divertir-me. Se quiser obter informação durante a cerimónia, podem seguir pelo Twitter do blogue AQUI onde vou actualizando os vencedores e na minha conta pessoal do Twitter onde vou fazendo comentários. Cá estão as minhas previsões para mais logo (a verde está o vencedor):

Cinema

MELHOR FILME - DRAMA:
"The Help"
(alternativa: "The Descendants")

MELHOR FILME - COMÉDIA/MUSICAL:
"The Artist"
(alternativa: "Bridesmaids")

MELHOR ACTOR - DRAMA:
George Clooney, "The Descendants"
(alternativa: Brad Pitt, "Moneyball")

MELHOR ACTOR - COMÉDIA/MUSICAL:
Jean Dujardin, "The Artist"
(alternativa: Ryan Gosling, "Crazy, Stupid, Love")

MELHOR ACTRIZ - DRAMA:
Meryl Streep, "The Iron Lady"
(alternativa: Viola Davis, "The Help")

MELHOR ACTRIZ - COMÉDIA/MUSICAL:
Michelle Williams, "My Week With Marilyn"
(alternativa: Kristen Wiig, "Bridesmaids")

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO:
Christopher Plummer, "Beginners"
(alternativa: Albert Brooks, "Drive")

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA:
Octavia Spencer, "The Help"
(alternativa: Berenice Bejo, "The Artist")

MELHOR FILME ESTRANGEIRO:
"A Separation"
(alternativa: "In The Land of Blood and Honey")

MELHOR FILME ANIMADO:
"Rango"
(alternativa: "The Adventures of Tintin")

MELHOR REALIZADOR:
Michel Hazanavicius, "The Artist"
(alternativa: Martin Scorcese, "Hugo")

MELHOR ARGUMENTO:
Steven Zaillian, Stan Chervin e Aaron Sorkin, "Moneyball"
(alternativa: Woody Allen, "Midnight in Paris")

MELHOR BANDA SONORA:
Ludovic Bource, "The Artist"
(alternativa: Howard Shore, "Hugo")

MELHOR MÚSICA ORIGINAL:
"The Living Proof" - "The Help"
(alternativa: "Masterpiece" - "W.E.")


Televisão

MELHOR SÉRIE - COMÉDIA:
"Modern Family"
(alternativa: "Enlightened")

MELHOR SÉRIE - DRAMA:
"Homeland"
(alternativa: "American Horror Story")

MELHOR MINISÉRIE:
"Downton Abbey"
(alternativa: "Mildred Pierce")

MELHOR ACTOR - COMÉDIA:
Matt LeBlanc, "Episodes"
(alternativa: Johnny Galecki, "The Big Bang Theory")

MELHOR ACTOR - DRAMA:
Kelsey Grammer, "Boss"
(alternativa: Bryan Cranston, "Breaking Bad")

MELHOR ACTRIZ - COMÉDIA:
 Zooey Deschanel, "New Girl"
(alternativa: Laura Dern, "Enlightened")

MELHOR ACTRIZ - DRAMA:
Claire Danes, "Homeland"
(alternativa: Madeleine Stowe, "Revenge")

MELHOR ACTOR - MINISÉRIE:
Idris Elba, "Luther"
(alternativa: Dominic West, "The Hour")

MELHOR ACTRIZ - MINISÉRIE:
Kate Winslet, "Mildred Pierce"
(alternativa: Diane Lane, "Cinema Vérité")

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO:
Guy Pearce, "Mildred Pierce"
(alternativa: Peter Dinklage, "Game of Thrones")

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA:
Jessica Lange, "American Horror Story"
(alternativa: Evan Rachel Wood, "Mildred Pierce")

Prémio Carreira:
Morgan Freeman


Acerto nas Previsões: 

18 | 25 sem alternativas (72%), 25 | 25 com alternativas (100%)

GLOBOS DE OURO: Previsões


Curioso que decidi ver o que tinha escrito sobre a cerimónia desta noite há algumas semanas e ainda hoje concordo com tudo o que disse então. Portanto se quiserem comentário mais extenso acerca das categorias, dos nomeados e dos vencedores prováveis, basta irem ao meu comentário das nomeações de Cinema (aqui) e de Televisão (aqui) para se informarem.

Abaixo vos deixo os meus palpites para vencedor provável e para potencial spoiler. Boas previsões a todos e espero que vejam os Globos de Ouro logo à noite (1h da manhã, Sony Entertainment/AXN). Adorava fazer live blogging como de costume mas não sei se vou conseguir.

Melhor Filme - Drama:
THE SOCIAL NETWORK
(alt. THE FIGHTER)

Melhor Filme - Comédia/Musical:
THE KIDS ARE ALL RIGHT
(alt. ALICE IN WONDERLAND)

Melhor Realizador:
David Fincher, THE SOCIAL NETWORK
(alt. Darren Aronofsky, BLACK SWAN)

Melhor Actor - Drama:
Colin Firth, THE KING'S SPEECH
(alt. James Franco, 127 HOURS)

Melhor Actriz - Drama:
Natalie Portman, BLACK SWAN
(alt. Nicole Kidman, RABBIT HOLE)

Melhor Actor - Comédia/Musical:
Johnny Depp, ALICE IN WONDERLAND
(alt. Kevin Spacey, CASINO JACK ou Paul Giammati, BARNEY'S VERSION)

Melhor Actriz - Comédia/Musical:
Annette Bening, THE KIDS ARE ALL RIGHT
(alt. Julianne Moore, THE KIDS ARE ALL RIGHT)


Um pequeno comentário aqui: não acho que vá haver nenhuma surpresa em nenhuma destas categorias à excepção de Melhor Actor - Comédia/Musical, onde penso que qualquer um deles tem possibilidades. Dou a vantagem a Johnny Depp sobretudo pela dupla nomeação; é sinal que gostam muito dele. E porque não sei até que ponto viram o filme do Spacey. Se viram (ou o do Giamatti, igual), é quem ganha.

Melhor Actor Secundário:
Christian Bale, THE FIGHTER
(alt. Geoffrey Rush, THE KING'S SPEECH)

Melhor Actriz Secundária:
Melissa Leo, THE FIGHTER
(alt. Amy Adams, THE FIGHTER ou Helena Bonham-Carter, THE KING'S SPEECH)


Mais um pequeno comentário: Melhor Actriz Secundária pode cair para qualquer uma das cinco (mesmo!). Melissa Leo tem a favor a corrida, mas Amy Adams e Bonham-Carter têm mais nome e são vistas como mais merecedoras do Óscar. E como em 2008 Leo conseguiu a nomeação para o Óscar mas não para o Globo de Ouro... É complicado apostar aqui. É a categoria mais volátil.

Melhor Argumento:
THE SOCIAL NETWORK
(alt. INCEPTION)

Melhor Banda Sonora Original:
Hans Zimmer, INCEPTION
(alt. Trent Reznor & Atticus Ross, THE SOCIAL NETWORK)

Esta é a categoria mais difícil de prever dos Globos, quer porque muitas vezes os nomeados dos Globos - e vencedores também - não são depois nos Óscares e vice-versa. Mas este ano parece que vão bater certo.

Melhor Música Original:
"You Haven't Seen The Last of Me", BURLESQUE
(alt. "I See The Light", TANGLED)

Uma confusão, esta categoria, complicada ainda mais pelos BFCA Critics' Choice na sexta. 

Melhor Filme Animado:
TOY STORY 3
(alt. HOW TO TRAIN YOUR DRAGON)

Melhor Filme Estrangeiro:
I AM LOVE
(alt. LE CONCERT ou BIUTIFUL)

Cuidado com o factor Weinstein na corrida. Temo muito por LE CONCERT porque é o tipo de coisa que eles gostam e porque os Weinstein têm muito poder de bastidores.


Melhor Série - Drama:
BOARDWALK EMPIRE
(alt. MAD MEN)

Melhor Actor - Drama:
Steve Buscemi, BOARDWALK EMPIRE
(alt. Bryan Cranston, BREAKING BAD ou Jon Hamm, MAD MEN)

Melhor Actriz - Drama:
Elizabeth Moss, MAD MEN
(alt. Piper Perabo, COVERT AFFAIRS ou Julianna Margulies, THE GOOD WIFE)


Tenho que comentar aqui duas coisas: Série e Actor resumem-se ao poder que BOARDWALK EMPIRE possa ter. Uma coisa é certa, com os Globos: séries novas são sempre melhores que as que já existiam. Portanto Perabo também tem uma grande chance de triunfar ainda que a sua série seja uma risota comparada com as outras na sua categoria. Felizmente, espero que isso não aconteça e que a vitória vá de novo para Margulies, Moss (finalmente nomeada este ano por MAD MEN) ou para Sagal, que conseguiu uma nomeação aqui (algo que os Emmy não fizeram). Se Buscemi não ganhar, pode ser que Cranston, triplo vencedor do Emmy mas nunca antes nomeado para os Globos de Ouro, vença.

Melhor Série - Comédia/Musical:
MODERN FAMILY
(alt. THE BIG C)

Melhor Actor - Comédia/Musical:
Jim Parsons, THE BIG BANG THEORY
(alt. Steve Carell, THE OFFICE ou Matthew Morrison, GLEE)

Melhor Actriz - Comédia/Musical:
Laura Linney, THE BIG C
(alt. Lea Michele, GLEE)

A grande dúvida reside na categoria de Actor. Conseguirá Parsons transitar dos Emmy para os Globos como vencedor? Ou será que vamos ter um velho conhecido a vencer, como Carell (já que é a sua última temporada) ou Baldwin (já que é o suspeito do costume)?

Melhor Mini-série/Tele-filme:
THE PACIFIC
(alt. CARLOS)

Melhor Actor - Mini-série/Tele-filme:
Al Pacino, YOU DON'T KNOW JACK
(alt. Edgar Ramirez, CARLOS)

Melhor Actriz - Mini-série/Tele-filme:
Claire Danes, TEMPLE GRANDIN
(alt. Judi Dench, RETURN TO CRANFORD)

Melhor Actor Secundário:
Eric Stonestreet, MODERN FAMILY
(alt. Chris Noth, THE GOOD WIFE ou David Strathairn, TEMPLE GRANDIN)

Melhor Actriz Secundária:
Jane Lynch, GLEE
(alt. Sofia Vergara, MODERN FAMILY ou Kelly MacDonald, BOARDWALK EMPIRE)


Alguma indecisão nos meus potenciais spoilers aqui mas de qualquer forma espero não me surpreender.


10 for the Oscars, Oscars for 10 - Previsão Colectiva (Globos de Ouro)

Para concluir a segunda parte do nosso encontro para a rubrica, pedi aos meus excelentíssimos convidados (aos quais agradeço, de coração, a colaboração comigo - eles sabem o chato que eu sou) que emitem o seu parecer sobre os vencedores de mais logo. À custa de algumas confusões, o Diogo Figueira (que também tinha participado na nossa conversa) não chegou a enviar as suas previsões - daí que acho bem colocar aqui o link para as previsões dele, colocadas no seu blogue, aqui.

Então os votos nas categorias de cinema ficaram assim:


Acordo na maioria das categorias, com o Pedro a apostar forte no "I Am Love" para Melhor Filme Estrangeiro, o Tiago a apostar na Helena Bonham-Carter para Melhor Actriz Secundária (e o Samuel a escolher a Melissa Leo) e alguma divisão no voto para Canção Original.

E nas categorias de televisão ficaram assim (o Samuel não deu opinião aqui, infelizmente):


Já nas categorias televisivas... tenho que dizer que a maioria das minhas previsões batem com as do Tiago. De qualquer forma, percebo e até acharia interessante se qualquer uma das apostas do Pedro e do Gonçalo no "Carlos" se revelassem frutíferas (seriam de facto surpreendentes). Acho também interessante que para os três haja uma Série - Drama diferente (qualquer uma delas com chance de vencer).


Quanto às minhas...Já cá estão (aqui).

E que pensam vocês destas previsões? Quais as vossas previsões?


10 for the Oscars, Oscars for 10 - Meeting #2 - Parte 1



O Dial P For Popcorn tem o orgulho de vos trazer esta nova iniciativa/cooperação interblogues, de seu nome "10 for the Oscars, Oscars for 10", uma série de meetings entre amigos e, por sinal, cinéfilos fidelíssimos, com o intuito de discutir tudo relacionado com Óscares, cerimónias, precursores, méritos e falhanços da temporada cinematográfica de 2010. Esperemos que além de informativo e interactivo isto nos sirva e vos sirva de alguma coisa.


Meeting #2: Fim-de-semana dos Globos de Ouro e BFCA Critics' Choice Awards


- Parte 1 -



Como a primeira parte não teve grande adesão, vamos tentar uma abordagem diferente a ver se conseguimos recolher mais opiniões dos nossos leitores e obter mais comentários acerca das nossas opiniões.
Desta vez, servi de moderador e pus algumas questões aos meus colegas bloggers, tendo participado no debate de forma conservadora (daí que a minha opinião será emitida num artigo à parte destes, para dar lugar à palavra dos meus colegas). A primeira parte das respostas deles seguem abaixo: 



GONÇALO TRINDADE (Ante-Cinema): Acho que os Globos de Ouro têm vindo a perder credibilidade ao longo do tempo. Distanciam-se cada vez mais dos Óscares, não sendo hoje em dia uma boa forma de prever os nomeados. Valem mais pela cerimónia que outra coisa qualquer. Os Óscares, por seu lado, são a opinião de Hollywood... e valem apenas como isso. Têm credibilidade, claro, e é raro poder apelidar de mau filme um que está presenta na cerimónia como nomeado, mas hoje em dia o público começa cada vez mais a abrir-se para os tipos de filmes que a Academia, ainda bastante conservadora, infelizmente não gosta de premiar.


PEDRO PONTE (Ante-Cinema): Se começar pelos Globos temo que a resposta seja um categórico "quase nenhuma". Já foi maior, não apenas a sua credibilidade, mas o seu valor em termos de reconhecimento do trabalho que foi desenvolvido ao longo do ano e a sua importância em termos de "previsões" com vista aos Óscares. Em relação a estes últimos, têm igualmente vindo a perder cada vez mais credibilidade ao longo dos anos, mas continuam a ser os Óscares e por isso mesmo devem a si mesmos manter um nível mais alto. Pelo menos é o que qualquer cinéfilo espera.


SAMUEL ANDRADE (Keyser Soze's Place): No seu estatuto de cerimónias totalmente viradas para o show business, a sua credibilidade varia conforme os gostos do espectador/cinéfilo. Contudo, e como consequência dos nomeados para a categoria Comédia ou Musical, os Globos ganharam a “má fama” de privilegiarem títulos com apelo comercial em detrimento dos que podem ser considerados dignos de prémios — e o mesmo se aplica às escolhas nas interpretações. Quanto aos Óscares, apesar de todo o espectáculo montado à sua volta, continuam a gozar de uma credibilidade muito maior, tendo em conta a sua história (sem dúvida, pelo “peso” de vencedores e vencidos anteriores) e a adesão pública por esta cerimónia.
 

TIAGO RAMOS (Split Screen): Os Globos de Ouro têm vindo a perder a credibilidade ao longo dos anos. E estas nomeações foram o culminar de algo que já se vinha a notar: são nomeações populistas, que mais se assemelham a uns meros prémios da MTV que se baseiam única e exclusivamente na visibilidade dos realizadores e actores envolvidos no filme, bem como a sua bilheteira. Os Óscares têm vindo a perder o seu interesse. A extensa corrida de prémios anteriores e o facto da cerimónia ser a última, retira-lhe todo o potencial efeito surpresa. Contudo, têm caminhado bem no sentido da reaproximação do grande público.



 
GONÇALO TRINDADE: Acho que foi uma escolha inspirada, apesar de ter medo depois do desastre que foi quando se teve a dupla Baldwin/Martin. Hathaway não tem nada a provar a ninguém, e tem um potencial cómico enorme. Creio que se vai revelar como uma verdadeira entertainer, tal como foi Hugh Jackman (naquela que foi das melhores cerimónias que alguma vez vi). Franco tem carisma, mas não lhe dou tanta confiança. Creio que se safará muito bem, mas foi uma escolha audaz e arriscada. Estou curioso para ver como se vai safar. Estas duas escolas são, claro, sinal daquilo que a Academia tenta cada vez mais fazer: chegar a um público mais jovem.


PEDRO PONTE: Em relação a Anne Hathaway e James Franco, são escolhas que fazem todo o sentido. Sempre fui da opinião que a Academia tem obrigatoriamente que apostar em sangue novo, em promover uma revolução que troque as visões do cinema antiquadas e desactualizadas que imperam por outras menos limitadas. Sendo isto obviamente aplicável aos apresentadores e a tudo o resto, especialmente aqueles que votam. Daí achar que Hathaway e Franco são precisamente o exemplo perfeito dessa mudança, dois jovens actores (americanos) imensamente talentosos, carismáticos e com excelente timing cómico. Em relação a Ricky Gervais e aos Globos, é a única opção que faz sentido. Tem sido a melhor coisa da cerimónia nos últimos anos e mudar isso seria absurdo.


SAMUEL ANDRADE: Tendo em conta o ambiente relaxado dos Globos de Ouro (com álcool à mistura), Ricky Gervais sente-se em “casa”. As escolhas de James Franco e Anne Hathaway seguem a linha de rejuvenescimento da cerimónia que a Academia, de há uns anos a esta parte, tem levado a cabo. Se é boa ou má opção, não consigo emitir opinião: são caras conhecidas do grande público, mas a pouca experiência em eventos deste género poderá saldar-se num resultado final menos positivo.


TIAGO RAMOS: Quanto aos Globos, não morro de amores por Ricky Gervais, nem percebo bem a ideia de repetir o apresentador. Mas como se diz que em equipa vencedora não se mexe... Já quanto aos Óscares, Anne Hathaway e James Franco são uma forma da Academia se aproximar de um público mais jovem, que se tem distanciado desta cerimónia. São ambos jovens, bonitos e divertidos. A participação de James Franco em SNL comprova-o, bem como o número musical de Anne Hathaway com Hugh Jackman na cerimónia de há dois anos atrás.


 
GONÇALO TRINDADE: Sim, a Academia concorda cada vez mais com o que a crítica no geral diz. Claro que houve o fenómeno Crash há uns anos, mas hoje em dia na lista de nomeados só se vêem filmes de que a crítica, no geral, gostou. A partir do momento em que um filme consegue o consenso geral da crítica como grande filme, é mais um passo para estar na cerimónia desse ano.

PEDRO PONTE: Parece-me óbvio. O reconhecimento da Academia é um reflectir do sucesso comercial e crítico, e sempre foi. Independentemente de nomearem (e inclusive premiarem) algum trabalho que passou mais um menos debaixo do radar das massas, é e sempre será uma organização que dá destaque aos filmes e aos intervenientes que reúnem consenso, não aos que dividem e promovem discussão. 


SAMUEL ANDRADE: Se atentarmos aos favoritos aos Óscares de todos os anos, observamos um consenso crítico positivo quase consensual. No entanto, nem sempre os mais aclamados arrecadam a principal estatueta. Mas não existem dúvidas de que um filme bem recebido pela imprensa especializada é sempre candidato a vencedor da noite…


TIAGO RAMOS: Tenho a opinião contrária. Cada vez menos a aclamação crítica tem importância. Ou melhor: continua com a mesma importância que tinha em anos anteriores, mas começaram a dar preferência também a outros factores, como o sucesso no box office. Um exemplo disso foi a nomeação de The Blind Side para Melhor Filme, que deu o Óscar de Melhor Actriz a Sandra Bullock.




GONÇALO TRINDADE: Acho que a Academia, no geral, gosta de premiar o extraordinário dentro do conservador. Raramente vejo filmes que possa chamar de medíocres na cerimónia, mas o gosto da Academia é, ainda, limitado.


PEDRO PONTE: Provavelmente os dois. Em primeiro lugar, é uma Academia americana e, como tal, uma grande percentagem do que nomeia e premeia provém de Hollywood. E todos sabemos que Hollywood é igualmente capaz do extraordinário e do medíocre. A sua principal responsabilidade deve ser optar pelo primeiro, mas muitas vezes não consegue resistir ao segundo, porque vem acompanhado de vestidos bonitos e caros, e o principal ancestral dos Óscares é precisamente o glamour. 


SAMUEL ANDRADE: Julgo que nem um nem outro. A Academia avalia o que é considerado como de qualidade para as massas. Numa opinião bastante pessoal, raramente o extraordinário é nomeado e/ou premiado.


TIAGO RAMOS: Acho que continua a avaliar o extraordinário. Mas tem que "jogar" com o que existe e nem sempre a oferta é excelente.




GONÇALO TRINDADE: Creio que se deverá manter o actual. A última cerimónia não correu muito bem, verdade, mas isso foi acima de tudo por causa dos apresentadores. Creio que este novo formato resulta muito bem, no geral.

PEDRO PONTE: Parece-me que manterá a teatralidade e maior rapidez dos últimos dois anos, o que provavelmente será a melhor opção. 

SAMUEL ANDRADE: Pela inusitada escolha dos apresentadores, acredito que também ocorra alguma novidade. 

TIAGO RAMOS: Para mim é-me absolutamente indiferente. No entanto gostei dos nomeados introduzidos por pessoas que efectivamente os conheciam e não apenas por anteriores vencedores da categoria.


E vocês, leitores, que pensam?
A Academia escolhe o extraordinário ou o medíocre? E qual o papel dos críticos nisto?
É melhor as apresentações dos actores serem feitas pelos amigos ou por antigos vencedores?
E qual a vossa opinião dos apresentadores deste ano?
 
[Amanhã - partes 2 e 3]


Globos de Ouro 2011 - Comentários às Nomeações (Televisão)

Depois de revelados os nomeados, depois de ponderar neles, é tempo de fazer a minha apreciação. Peço desculpa por ter demorado tanto tempo, mas mais vale tarde que nunca.

Começamos pelas categorias de TELEVISÃO:


Melhor Série - Drama
BOARDWALK EMPIRE
DEXTER
MAD MEN
THE GOOD WIFE
THE WALKING DEAD

Comentário: Continuando a tradição de abraçar de peito aberto as novas séries, os Globos decidiram trocar o sobrenatural "True Blood", a decair em popularidade com os Globos de Ouro, pelo sobrenatural "The Walking Dead" (que por só ter meia-dúzia de episódios, pensava que iam considerar em mini-série) e colocar merecidamente "Boardwalk Empire" entre os nomeados, por troca com "House", que finalmente abandona os nomeados. "Dexter" e "Mad Men", séries em topo de forma, seguram o seu lugar e "The Good Wife" vence o braço de ferro com os Globos de Ouro (que o ano passado só tinham "notado" Margulies), com múltiplas nomeações este ano.


Vencedor: "Mad Men" continua tão boa aposta como antes, mas parece-me que este ano passa a pasta para "Boardwalk Empire" ou até "The Good Wife".



Melhor Série - Comédia/Musical
30 ROCK
GLEE
MODERN FAMILY
THE BIG BANG THEORY
THE BIG C
NURSE JACKIE

Comentário: Categoria muito interessante, com "The Office" a ser completamente ignorado este ano, excepção feita a Carell, como sempre. "30 Rock", "Glee" e "Modern Family" retornam com o seu buzz habitual, às quais se junta a nova série comédica do momento, "The Big C" e, algo que igualmente me surpreende e alegra, "Nurse Jackie" e "The Big Bang Theory" a estrearem-se com nomeações de relevo, algo de inédito em particular para o segundo caso, que nem nos Emmy havia logrado tal feito.

Vencedor: Como aqui o vencedor passa normalmente a pasta ("The Office" foi o único que venceu duplamente a categoria esta década, em 2007 e 2008), veremos "Glee" a passar o testemunho a "Modern Family" ou até mesmo "The Big C".


Melhor Actor - Drama
Steve Buscemi, BOARDWALK EMPIRE
Jon Hamm, MAD MEN
Michael C. Hall, DEXTER
Hugh Laurie, HOUSE M.D.
Bryan Cranston, BREAKING BAD




Melhor Actriz - Drama
Katey Sagal, SONS OF ANARCHY
Elizabeth Moss, MAD MEN
Julianna Margulies, THE GOOD WIFE
Piper Perabo, COVERT AFFAIRS
Kyra Sedgwick, THE CLOSER

Comentário: Finalmente os Globos de Ouro a reconhecerem a qualidade de duas séries, "Sons of Anarchy" e "Breaking Bad", mesmo que seja só através dos seus dois actores. Katey Sagal e Bryan Cranston merecem-no. Margulies era óbvio que iria repetir (e é favorita para voltar a vencer), Sedgwick a mesma coisa. Continua a mania de "Mad Men" ter que repartir a riqueza na categoria de Melhor Actriz, seja nos Globos ou nos Emmy, com Elizabeth Moss a ocupar o lugar que por dois anos havia sido de January Jones (injustamente, diga-se, porque esta foi a melhor temporada de Betty Draper) e o voto populista levou a que Piper Perabo, ridiculamente, conseguisse uma nomeação nesta categoria onde todas as outras nomeadas são imensamente superiores. A restante categoria de Melhor Actor não tem outras surpresas, o que não é de admirar - porque estes cinco senhores são similarmente brlhantes, todos eles.

Vencedor: Hugh Laurie ganhou em 2006 (e 2005), Jon Hamm ganhou em 2007, Gabriel Byrne em 2008, Michael C. Hall em 2009 e portanto só resta Steve Buscemi ou Cranston. Como é o primeiro que tem a série em estreia, deve ser ele o vencedor.


Melhor Actriz - Comédia/Musical
Tina Fey, 30 ROCK
Edie Falco, NURSE JACKIE
Toni Collette, THE UNITED STATES OF TARA
Lea Michele, GLEE
Laura Linney, THE BIG C




Melhor Actor - Comédia/Musical
Alec Baldwin, 30 ROCK
Steve Carell, THE OFFICE
Jim Parsons, THE BIG BANG THEORY
Matthew Morrison, GLEE
Thomas Jane, HUNG

Comentário: Nas senhoras, temos todas elas (menos Julia Louis-Dreyfus, cuja série terminou) a repetir a nomeação aqui, depois de terem transitado com sucesso dos Globos de Ouro em 2010 para os Emmy também, com a troca pequena de Courteney Cox (injustamente roubada, uma vez mais, de uma nomeação, tanto aqui como nos Emmy) pela mulher a bater este ano em Comédia - Laura Linney. Nos senhores, os nomeados do ano passado repetem-se todos, promovendo-se só aqui a troca de David Duchovny (a perder gás) por Jim Parsons (imensamente merecida; provavelmente no seguimento da sua vitória nos Emmy).

Vencedor: Por algum motivo é o alvo a abater: Laura Linney chegou, viu e vem para vencer. E nos senhores, depois de quatro anos, se calhar é altura de Baldwin deixar o prémio para mais alguém, possivelmente será Jim Parsons ou (finalmente, até porque vai deixar a série) Steve Carell.


Melhor Actor Secundário
Scott Caan, HAWAII FIVE-0
Christ Noth, THE GOOD WIFE
Eric Stonestreet, MODERN FAMILY
Chris Colfer, GLEE
David Strathairn, TEMPLE GRANDIN



Melhor Actriz Secundária
Jane Lynch, GLEE
Sofia Vergara, MODERN FAMILY
Julia Stiles, DEXTER
Kelly Macdonald, BOARDWALK EMPIRE
Hope Davis, THE SPECIAL RELATIONSHIP

Comentário: Todos os anos acabo por ficar irritado com os Globos de Ouro e as categorias secundárias, pela escolha arbitrária de algumas interpretações e de outras não e pelo facto de colocar todos os actores secundários em dois sacos, só fazendo separação por sexo. Irrita-me isto, até porque na maioria das vezes os secundários são personagens (e interpretações) mais fascinantes que os protagonistas. Mas enfim. Considero que são dois bons grupos de nomeados, o de homens invariavelmente bem mais forte que o das mulheres. As múltiplas menções de Chris Colfer começam a embaraçar-me já, não só porque não acho que o papel seja assim tão complicado de interpretar como e sobretudo por ter sido nomeado na variante de Comédia/Musical, sendo que tudo o que envolve a sua personagem naquela série é Drama, não comédia. Aquilo é uma interpretação dramática. Dito isto, concordo com as menções de Strathairn, Stonestreet e Noth, de longe a personagem mais intrigante de "The Good Wife" (num elenco que poderia todo estar aqui - e seria merecido isso acontecer - nomeado). O voto populista em Scott Caan já é apanágio dos Globos de Ouro, acontecendo todos os anos (ver Simon Baker em 2009/2010 ou Piper Perabo este ano). Nas mulheres, Lynch é a única a repetir a nomeação e Davis é a única a transitar das categorias de Tele-Filmes e Mini-Séries dos Emmy. Vergara (merecidamente) junta-se ao lote de nomeados, que é completado pela decente escolha de MacDonald e pela não tão interessante escolha de Stiles. Baranski ou Panjabi ("The Good Wife") seriam infinitamente melhores escolhas. Ou Hendricks ("Mad Men").

Vencedor: Tendo sido roubada o ano passado, não há dúvidas que Jane Lynch é a favorita, com Sofia Vergara como uma interessante possibilidade. Para Actor Secundário, tudo em aberto, com Eric Stonestreet a ter uma (ligeira) vantagem.


Melhor Telefilme ou Mini-série
THE PACIFIC
CARLOS
TEMPLE GRANDIN
PILLARS OF THE EARTH
YOU DON'T KNOW JACK

Melhor Actor - Telefilme ou Mini-séri
Idris Elba, LUTHER
Ian McShane, PILLARS OF THE EARTH
Al Pacino, YOU DON'T KNOW JACK
Dennis Quaid, THE SPECIAL RELATIONSHIP
Edgar Ramirez, CARLOS

Melhor Actriz - Telefilme ou Mini-série
Claire Danes, TEMPLE GRANDIN
Hayley Atwell, PILLARS OF THE EARTH
Judi Dench, RETURN TO CRANFORD
Romola Garai, EMMA
Jennifer Love-Hewitt, THE CLIENT LIST

Comentário: Só deixar aqui duas notas: "Temple Grandin", "The Special Relationship" e "You Don't Know Jack" continuam a coleccionar prémios há quase mais de um ano. E "Carlos", o (supostamente) excelente filme de Assayas, como não pode ser reconhecido pela HFPA e pela Academia como Filme, ao menos tem ganho reconhecimento pela sua "transformação" televisiva.

Vencedor: Claire Danes para Melhor Actriz, Al Pacino para Melhor Actor e "Carlos" ou "The Pacific" para Melhor Mini-Série/Tele-Filme (se bem que qualquer um dos cinco na lista pode vencer).