Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Já tenho (pelo menos) um pónei na corrida a Filme Estrangeiro...



... Com a nomeação (mais que merecida) de "O Som Ao Redor", de Kléber Mendonça Filho, pelo Brasil, pátria sempre a ter em conta na corrida ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro (quatro nomeações na categoria, além de várias outras noutras categorias, de Fernanda Montenegro a melhor actriz em 1998 por "Central do Brasil" até ao filme brasileiro mais popular de sempre, "Cidade de Deus", infamemente ignorado pelo comité em 2002 mas presenteado no ano seguinte com quatro nomeações, entre elas melhor realizador e melhor argumento adaptado).


A lista completa (até agora) de submissões pode ser encontrada aqui. A submissão portuguesa é "As Linhas de Wellington", de Valeria Sarmiento (viúva de Raul Ruiz, que concluiu este que era para ser o seu último filme), que terá uma hipótese em um milhão de conseguir uma nomeação (se isso).




De resto, o ano não tem prometido grandes surpresas na categoria, com "Jagten ("The Hunt") a constituir-se como o cabeça de corrida provável se a Dinamarca o indicar ao Óscar (tendo em conta o passado recente, nunca se pode confiar nas escolhas do comité dinamarquês) e com outros títulos como "Heli" de Amat Escalante (película mexicana premiada em Cannes), o romeno "Child's Pose" (elogiado pela crítica em Berlim) e o chileno "Gloria" (elogiado em Berlim e Toronto). Não duvido que estes quatro se possam tornar, também eles, "meus" póneis. Assim gostaria. Para já, fico-me na certeza que já tenho por quem torcer na corrida... e claro está, esta é a melhor recomendação que posso fazer para que todos vejam "O Som Ao Redor". Toca a mexer!



Antecipação para 2012-2013 (II)


Peço desculpa se vos desacelerar a abertura da página mas ainda assim, para ser mais fácil, optei por juntar todos estes trailers num só (gigantesco) artigo, partido em três partes, por secções de entusiasmo.

Passando à segunda parte deste gigante artigo (Parte I AQUI):

Secção 
ESPREITAREI CERTAMENTE / SINTO-ME OPTIMISTA:


CLOUD ATLAS

O trailer parece prometer algo que o filme não pode com certeza concretizar, tal a magnitude do projecto e das narrativas em intersecção. Ainda assim, não vos parece divertido ver Tom Hanks a interpretar seis personagens diferentes num só filme? E ver a mestria de Tom Twyker e os irmãos Wachowski a trabalhar em conjunto? Este filme tem potencial para ser um espectáculo abraçado efusivamente ou um desastre épico. Será divisivo, sem dúvida. Cá estarei para ver de que lado me situo.



GEBO E A SOMBRA

Já nos cinemas, mas tenho tido preguiça de ver. Manoel de Oliveira tem-me cansado, sempre a reciclar as mesmas temáticas e preocupações existenciais de filme para filme. Este parece prometer mais do mesmo, mas o retorno à língua estrangeira atiça-me a curiosidade. Hei-de comprar bilhete, disso não duvido.




LINCOLN

O novo Spielberg. E eu digo isto com a melhor das intencionalidades. Por cada "Tintin" que me surpreende, há três ou quatro "War Horse" ou "Munich" que aí vêm. Em qual das categorias cai "Lincoln"? Pela conversa dos festivais, está no meio termo dos dois, uma espécie de "Amistad", que é quando considero que o Spielberg decidiu desistir de ser um cineasta sério, não sem antes coleccionar Óscares pelo medíocre "Saving Private Ryan". Já me convenci que o Steven não volta a fazer algo tão bom como "Schindler's List". Lá verei isto também, mas sem grande expectativa. Pode ser que goste - tem o Daniel Day-Lewis afinal.



END OF WATCH

As críticas desta película protagonizada por Jake Gylenhaal puseram-me em sobressalto, de tão boas que são. Particularmente considerando que tem pairado conversa de Óscares sobre o trabalho dele e de Michael Peña. Sinto-me interessado, contudo pouco mais que isso.



SMASHED

Aaron Paul. Mary Elizabeth Winstead. Um elenco secundário interessante (Octavia Spencer, Megan Mullally, Nick Offerman). Críticas de Sundance impecáveis. Color me curious.



CHILDREN OF SARAJEVO
LORE
OUR CHILDREN
A ROYAL AFFAIR

Contingente de filmes estrangeiros de segunda linha candidatos ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. Nos quatro casos, as críticas prevêem coisas boas. O meu grau de entusiasmo em relação a eles varia, mas quero vê-los a todos. Até porque os últimos três, pelo menos, estão garantidos como melhores do ano em muitas listas - e como prováveis nomeados para os Óscares no próximo mês de Janeiro.






SAFETY NOT GUARANTEED
TAKE THIS WALTZ
KILLER JOE

Estão os três juntos porque vá, confesso, já os vi aos três. Recomendo vivamente todos eles, se bem que com reservas porque não são típicas comédias (no caso do primeiro), dramas (no caso do terceiro) e comédia-drama (no caso do segundo). Exigem um bocadinho de paciência. Todavia, são os três dos melhores filmes que vi nos últimos tempos.





A ver se acabo o resto da lista nos próximos dias. Agora vocês: quais destes filmes vos chamam à atenção?

JOSÉ E PILAR (2010), por João Samuel Neves



"A Pilar, que ainda não havia nascido e tanto tardou a chegar."


José e Pilar. Porque José Saramago não seria Saramago sem Pilar. Porque Pilar del Río não seria Pilar sem Saramago. Um documentário fantástico, editado, filmado e produzido com imensa paixão, que explora com perspicácia a infinita imaginação de um dos maiores e mais sagazes pensadores dos tempos modernos. Um homem diferente de todos os outros, com uma visão singular do mundo e da religião, sem medo de tocar nos tabus das sociedade e de abanar os alicerces que sustentam a inabalável fé que muitos têm por Deus e pelo Cristianismo.


José e Pilar é uma honrosa e dignificante despedida de Saramago. Ao longo de todo o documentário (filmado entre 2006 e 2008) vemos um Saramago cada vez mais debilitado fisicamente. Paradoxalmente a esta deterioração exterior, facilmente percebemos que o génio continua lá. Que o humor mordaz e lacerante, que as expressões politicamente incorrectas maturaram com a idade e tornaram-se cada vez mais oportunas. Vemos um Saramago que, sentado no seu computador, produz e cria a uma velocidade improvável para os seus debilitados 85 anos. Vemos um Saramago que percorre o mundo, é adorado, admirado e procurado em qualquer ponto do Planeta. Um Saramago que não se cansa. Um Saramago que não se rende ao passar do tempo. Um Saramago que um Portugal (e Cavaco Silva) obtuso e retrógrado nunca soube acolher e compreender.


Mas José e Pilar tem mais para ver. Neste filme/documentário, o leitor poderá perceber a profunda intimidade de um casal, à partida, improvável. E, também neste documentário, o leitor perceberá que, ao lado de um grande homem, se encontra sempre uma grande mulher. E Pilar é uma grande mulher. Uma mulher que certamente deixará orgulhosa qualquer leitora que tenha a possibilidade de ver José e Pilar. É ela (como certa vez o próprio Saramago a rotulou) o seu Pilar. Em momentos de dificuldade, Pilar nunca deixa Saramago, e o amor que existe no casal respira-se em toda a película. É esta relação tocante que o realizador Miguel Gonçalves Mendes explorou de uma forma sublime. É o melhor de um filme onde o humor de Saramago nos diverte e entretém, onde a fotografia e a edição carregam o filme de uma tensão e um ambiente que envolvem o espectador e o colocam em Lanzarote, no mesmo espaço (físico e temporal) de Saramago.


Um digníssimo representante de Portugal na categoria de Melhor Filme Estrangeiro nos Oscars deste ano. Um dos melhores documentários que alguma vez vi. Um grande filme Português.


Nota Final:
A-


Trailer:




Informação Adicional:
Realização: Miguel Gonçalves Mendes
Argumento: Miguel Gonçalves Mendes
Ano: 2010
Duração: 125 minutos

UPDATE: Candidatos a Óscar de Melhor Filme Estrangeiro



Quem vai suceder a "El Secreto de Sus Ojos?"

A Academia revelou hoje oficialmente, através de um comunicado de imprensa, os 65 países que irão competir pelos cinco lugares de nomeação para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro (link).


Em comparação com a lista que publicámos há dias aqui no blog (link), que continha 62 submissões, 61 estavam correctas (só "Black Tulip", a entrada afegã, foi desqualificada). Surgiram na lista da Academia mais quatro países: a Etiópia ("The Athlete"), a Geórgia ("Street Days"), a Gronelândia ("Nuummloq") e o Quirziguistão ("The Light Thief").

Faremos uma análise mais pormenorizada mais tarde na corrida, quando soubermos mais sobre os filmes e sobre as suas hipóteses. Para já, diria que "Contracorriente" e "Incendies" são os favoritos à vitória.

 

Óscar de Melhor Filme Estrangeiro: Primeiras Impressões

Está para sair o comunicado oficial da Academia com todos os candidatos e filmes respectivos (muitas vezes há mudanças de última hora com filmes inelegíveis ou outras trocas que são feitas ou candidatos em cima do prazo que como nem sempre enviam filmes para consideração não são tidos na conta dos internautas que seguem esta corrida em particular atentamente), mas não deve fugir muito disto.

Estes são os potenciais candidatos a nomeados para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2010 (se quiserem algo esteticamente mais aprazível, podem visitar as tabelas do The Film Experience:

Afeganistão, “Black Tulip”

África do Sul, “Life, Above All”

Albânia, “East, West, East”

Alemanha, “Die Fremde (When We Leave)”

Algéria, "Hors-la-loi (Outside the Law)"

Argentina, “Carancho”

Áustria, “La Pivellina”

Azerbaijão, “Sahe (The Precinct)”

Bangladesh, “Third Person Singular Number”

Bélgica, “Illégal (Ilegal)”

Bósnia-Herzegovina, “Cirkus Columbia”

Brasil, “Lula, Filho do Brasil (Lula, Son of Brazil)”

Bulgária, “Eastern Plays”

Canadá, “Incendies (Fires)”

Chile, “La Vida de Los Peces (The Life of Fish)"

China, “Tangshan dadizhen (Aftershock)”

Colômbia, “El Vuelco Del Crangejo (Crab Trap)”

Coreia do Sul, “Maen-bal-eui Ggoom (A Barefoot Dream)”

Costa Rica, “Del Amor Y Otros Demonios (Of Love and Other Demons)”

Croácia, “Crnci (The Blacks)”

Dinamarca, “In a Better World"

Egipto, “Rassayel El Bahr (Messages From the Sea)”

Eslováquia, “Hranica (The Border)”

Eslovénia, “9:06″

Espanha, “También La Lluvia (Even the Rain)”

Estónia, “Püha Tõnu Kiusamine (The Temptation of St. Tony)”

Filipinas, “Noy”

Finlândia, “Miesten Vuoro (Steam of Life)”

França, “Of Gods and Men”

Grécia, "Kynodontas (Dogtooth)"

Holanda, “Tirza”

Hong Kong, “Sui yuet san tau (Echoes of the Rainbow)”

Hungria, “Bibliothèque Pascal”

Índia, “Peepli Live”

Indonésia, “Alangkah Lucunya (negeri ini) How Funny (This Country Is)”

Iraque, “Son of Babylon”

Irão, “بدرود بغـــداد (Farewell Baghdad)”

Islândia, “Mamma Gógó”

Israel, “The Human Resources Manager”

Itália, “La Prima Cosa Bella (The First Beautiful Thing)”

Japão, “Kokuhaku (Confessions)”

Kazakhstan, “Strayed”

Letónia, “Amaya (Honk Kong Confidential)"

Macedónia, “Mothers”

México, “Biutiful”

Nicarágua, “La Yuma”

Noruega, “Engelen (Angel)”


Perú, “Contracorriente (Undertow)”

Polónia, “Wszystko, co kocham (All That I Love)”

Portugal, “Morrer como um Homem (To Die Like a Man)”

Porto Rico, “Miente (Lie)”

Roménia, “Eu cand vreau sa fluier, fluier (If I Want To Whistle, I Whistle”

República Checa, “Kawasakiho Ruze (Kawasaki’s Rose)”

Rússia, “Kray (The Edge)”

Sérvia, “Besa”

Suécia, “I Rymden Finns Inga Känslor (Simple Simon)”

Suíça, “La petite chambre (The Tiny Room)”

Taiwan, “Báng-Kah (Monga)”

Tailândia, “Loong Boonmee Raleuk Chat (Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives)”

Turquia, “Bal (Honey)”

Uruguai, “La Vida Util (A Useful Life)”

Venezuela, “Hermano (Brother)”



Em termos de previsões, neste momento, eu diria que temos dezoito candidatos principais (seja pelas críticas, seja pela qualidade potencial, seja pelo material que está a adaptar, seja pelo país em questão):

  • "Contracorriente" (boas críticas + qualidade potencial)
  • "Of Gods and Men" (França + boas críticas + qualidade potencial)
  • "Incendies" (boas críticas + Canadá + qualidade potencial)
  • "Biutiful" (México + Innaritu + Bardem + qualidade potencial)
  • "Son of Babylon" (inspiracional + boas críticas + único asiático com real potencial)
  • "Life, Above All" (África do Sul - "Tsotsi" + único africano com potencial + inspiracional + SIDA)
  • "Hors-La-Loi" (Algéria + boas críticas + Bouchareb)
  • "Carancho" (Argentina + "El Secreto de tus Ojos + Ricardo Darín + qualidade potencial)
  • "Cirkus Colombia" ("No Man's Land" + Tanovic + qualidade potencial + adaptação literária famosa)
  • "Del Amor Y Otros Demonios" (qualidade potencial + boas críticas + Gabriel García Marquez)
  • "Crnci" (tema + inspiracional + qualidade potencial + boas críticas)
  • "In A Better World" (Susanne Bier + Dinamarca + qualidade potencial + distribuição nos EUA assegurada)
  • "Kynodontas" (sucesso do ano + qualidade reconhecida + potencial para ser o nomeado estranho)
  • "Kokuhaku" (sucesso na Ásia que se está a espalhar aos EUA)
  • "Tirza" (Holanda + polémica + típico filme de Óscar + boas críticas)
  •  "If I Want to Whistle, I Whistle" (Roménia - há de haver algum que a Academia reconheça eventualmente)
  • "También La Lluvia" (Gael García Bernal - meio caminho andado para os levar a ver o filme)
  • "Uncle Boonmee (Who Can Recall His Past Lives)" (Palme d'Or + filme único + qualidade reconhecida + excelentes críticas - mas é um filme muito estranho, supostamente)

Destes eu arriscaria dizer, para já... (sem muitas certezas):



  1. "Of Gods and Men"
  2. "Contracorriente"
  3. "Biutiful"
  4. "Kynodontas"
  5. "Incendies"

Óscar de Melhor Filme Estrangeiro: Morremos como um Homem

E depois de tanta especulação feita aqui no blogue acerca de quem seria o nosso melhor candidato para submissão à corrida do Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, eis que os jurados seleccionados pelo Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) escolheram... a coisa mais controversa, mais difícil de vender e mais complexa que havia entre as potenciais opções.

"Morrer como um Homem", realizado por João Pedro Rodrigues ("O Fantasma"), é o nosso candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2010. E posso desde já dizer que não tem qualquer hipótese de ser sequer tido em consideração para uma nomeação (leia-se: short-list), quanto mais ser nomeado mesmo.


É divisivo da pior maneira possível: "Morrer como um Homem" é um filme sobre uma transsexual de um bar drag lisboeta que se debate com problemas na sua vida profissional (substituída por dançarinas mais novas) e pessoal (namorado que a pressiona a assumir-se como mulher, coisa que ela (ele?) como religiosa que é, não consegue aceitar por completo e o seu filho, que ela (de novo: ele?) não vê há anos vem para a encontrar) e que descobre que uma infecção no silicone dos seus seios a põe em perigo de vida. Decide então partir de volta aos locais que conheceu enquanto criança mas faz uma descoberta misteriosa (para a pôr da forma mais "normal" que consigo - vários minutos de ecrã inexplicavelmente a mudar para magenta, sem nada que aconteça a não ser as duas personagens numa floresta supostamente "encantada") que lhe revolve o mundo. O filme, ao entrar no seu último terço, é uma bela duma confusão (imperceptível ao nível de "O Fantasma", na realidade) que arruina o que vimos até então, terminando previsivelmente com o protagonista a "morrer como um homem".


O filme foi bem recebido no Festival de Cinema de Cannes e no Festival de Cinema de Nova Iorque (NYFF), o que pode explicar parcialmente a decisão do júri, mas alguém acha que com um tema destes e uma história deste género este filme pode ter alguma pretensão de ir mais além? Bem, esperemos que sim. Mas eu não estou muito optimista, embora reconheça que o filme é um estudo comportamental algo fascinante - daria ao filme um B-.


E parabéns ao Tiago Ramos (Split-Screen) que acertou na previsão / sugestão.

Óscares 2010: Melhor Filme Estrangeiro


Antes de mais, gostaria de pedir aos outros bloggers com gosto pelo cinema português para, mais que opinarem aqui no blogue (que eu agradecia imenso se o fizessem), que fizessem também um post no vosso blogue indicando qual a vossa preferência para este ano e a vossa opinião sobre quem será o nomeado.



Bem, não sei se sabem mas estamos naquela altura do ano outra vez: a altura das submissões para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. Não sei se saberão ou não as regras, mas não faz mal se não as souberem, porque são muito simples: só pode ser submetido um filme por país (obviamente), têm que ser falados maioritariamente na língua desse país (se não estou em erro, 60% é o mínimo exigível - e Portugal já uma vez submeteu um filme assim, "Um Filme Falado / A Talking Picture" de Manoel de Oliveira, que partilhava o diálogo entre o francês, o inglês e o português) e têm que ter estado 1) em exibição em cinemas de Los Angeles pelo menos uma semana até à data de fecho das inscrições para os Óscares 2010 e 2) estreado no seu país entre 1 de Outubro de 2009 e 30 de Setembro de 2010.


Vários países já anunciaram oficialmente os filmes que escolheram para apreciação, outros já divulgaram as suas short-lists e noutros, como é o nosso caso, estão prestes a anunciar (procurem novidades ou no sítio das distribuidoras, ou no sítio do ICA - Instituto do Cinema e Audiovisual Português - que é a autoridade portuguesa responsável pela escolha e anúncio da mesma, ou mesmo no sítio da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas - AMPAS) o seu escolhido.

Os países que já anunciaram os seus escolhidos são os seguintes:

  • Áustria, "La Pivellina"
  • Hungria, "Bibliotheque Pascal"
  • Irão, "Son of Babilon"
  • Holanda, "Tirza"
  • Perú, "Undertow / Contracorriente"
  • Polónia, "All That I Love"
  • Roménia, "If I Want to Whistle, I Whistle"
  • Coreia do Sul, "A Barefoot Dream"
  • Suécia, "Simple Simon"
  • Taiwan, "Monga"
  • Venezuela, "Hermano"


Vencedores da categoria, 2005-2009

Portugal deve anunciar a sua decisão até 30 de Setembro, até porque é o limite do prazo de entrega da candidatura, mas muito provavelmente até à próxima semana já se saberá quem é a nossa escolha. Curioso é que, olhando para trás, o ano de 2010 foi bastante profílico em filmes portugueses (excluindo "Contraluz", é óbvio, até porque é em Inglês, mesmo sendo de um realizador português), como nenhum outro ano na década.

Ora vejamos os títulos que Portugal pode decidir submeter para avaliação da Academia:

  • "Morrer Como um Homem" de João Pedro Rodrigues;
  • "Os Sorrisos do Destino" de Fernando Lopes;
  • "Uma Aventura na Casa Assombrada" de Carlos Coelho da Silva;
  • "A Bela e o Paparazzo" de António Pedro Vasconcelos;
  • "Cinerama" de Inês de Oliveira;
  • "Como Desenhar um Círculo Perfeito" de Marco Martins;
  • "A Religiosa Portuguesa" de Eugène Green;
  • "Um Funeral à Chuva" de Telmo Martins;
  • "Duas Mulheres" de João Mário Grilo;
  • "O Inimigo sem Rosto" de José Farinha;
  • "O Último Vôo do Flamingo" de João Ribeiro;
  • "Marginais" de Hugo Diogo;
  • "O Filme do Desassossego" de João Botelho;
  • "Mistérios de Lisboa" de Raúl Ruiz; [ineligível]
  • "Embargo" de António Ferreira.

Nunca vi um ano, desde que eu sigo com atenção todas as coisas ligadas ao cinema, com tanta diversidade de realizadores e de géneros cinematográficos. Agora se me perguntarem: há aqui algum filme que achas capaz de ser nomeado para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro? E eu dificilmente conseguirei dizer que sim, não porque duvide da qualidade dos filmes (bem, 80% deles sim, mas não é essa a questão) mas porque pura e simplesmente o nosso país não tem qualquer credibilidade no mercado norte-americano, o que torna difícil qualquer publicidade fora de portas (já em Portugal a publicidade feita ao cinema português é pouca, quanto mais lá fora...). Ainda para mais, Portugal não tem um realizador com nome lá fora como os grandes países da Europa têm, como Almodovar, Buñuel e Trueba em Espanha ou Fellini em Itália ou um Bergman ou um Troell como na Suécia (já nem pegamos na França porque são demasiados e surgem aos molhos todos os anos para estar a contabilizar). E acima de tudo, Portugal não é comercial no estrangeiro. Não é. A Espanha teve o "[REC]", por exemplo. Ou o caso da Suécia com a trilogia Millenium. Fazia-nos falta um filme do género, que fosse um sucesso lá fora por muito mau que fosse em termos qualitativos. E depois é o estilo do nosso cinema e a necessidade de contar histórias sempre muito fora dos temas tipicamente Oscarizáveis, ou seja, escolhemos sempre dramas algo bizarros e nunca exploramos em condições um bom argumento (que também é coisa rara para os lados portugueses). Temos aqui um sério problema.


Eu bem gostava que alguém com mais poder que eu e que fosse referência no cinema português se preocupasse com isto. É que nós temos os meios, temos os actores (não me vão dizer que a TVI pelo menos aí não tem ajudado a formar novos actores; claro que depois é preciso separar o que é bom do que é mau mas isso um bom director de casting faz - e não, não é preciso ser a Patrícia Vasconcelos, que faz o casting de quase tudo em Portugal, e que por ter sempre que fazer esse trabalho, acaba por repetir muitas vezes os mesmos actores), nós temos o nome - os Óscares gostam de países poderosos na Europa e o nosso é talvez o mais renomado sem ter conseguido impôr-se no cinema - e temos sobretudo vontade (ou pelo menos parece-me). A Palme d'Or a Salaviza já foi um avanço. O prémio vencido este ano em Locarno pela dupla de realizadores também. Há que procurar mais. Há que surgir mais vezes em festivais internacionais, em secções competitivas. Há que exigir mais do cinema do nosso país.

Mapa dos Nomeados e Vencedores de Óscar de Melhor Filme Estrangeiro

A verde escuro estão os vencedores do prémio, a verde mais claro os que já foram nomeados para ele. Enfim... Dá para ver os poucos países que ainda não têm nomeações. Então na Europa... São tão poucos! 

Temos portanto a França, a Itália, a Espanha, a Suécia, a Holanda, a Dinamarca, a Alemanha, a República Checa, a Suíça, a Hungria, a Rússia, a Áustria, a Bósnia-Herzegovina, a Polónia, a Bélgica, a Noruega, a Grécia, a ex-Jugoslávia (agora Sérvia), a Finlândia, a Islândia, a Geórgia, o Cazaquistão e a Macedónia - isto só falando de países europeus com nomeações. Portanto... alguém consegue explicar o que se passa de errado com o cinema português?

Porque isto...

"Twenty-five Portuguese films have been submitted to the Academy for consideration for the Academy Award for Best Foreign Language Film. No Portuguese film has yet been nominated for the award and Portugal holds the record for the most submissions without an Oscar nomination."

É uma vergonha.


Vamos lá então aos favoritos à nomeação portuguesa (por ordem de probabilidade):


Muito provavelmente, vai acabar por ser o novo filme de Manoel de Oliveira, "O Estranho Caso de Angélica", que conseguiu críticas razoáveis aquando da passagem por Cannes, que vai ser escolhido para nos representar. É do único realizador português que tem nome a sério lá fora (claro que é mais pela idade avançada do que pelo seu trabalho, o que é uma pena), tem ar cuidado e internacional, esteve num festival internacional e parece ser bom. Contudo e apesar desta década ter sido pautada por muitas submissões portuguesas dos filmes de Manoel de Oliveira, penso que este ano poderá marcar uma excepção, com o segundo filme de Oliveira a ser excluído da corrida consecutivamente. Agora quem poderá ser a escolha? Bem, parece-me que temos dois candidatos de peso. Primeiro, "Mistérios de Lisboa" de Raúl Ruiz, uma produção multinacional com um elenco de luxo e com grande prestígio, que vai estar no NYFF antes de chegar a Portugal, seria um candidato perfeito, não fosse a data de estreia em terras lusas (21 de Outubro), que ultrapassa o requerimento da Academia, logo é ineligível. É por isto que acho que a conjugação de factores pode ajudar é "Embargo", do realizador António Ferreira. Só tem uma coisa contra: é a data de estreia, 30 de Setembro, que pode ser um 'handicap', uma vez que o júri pode estar algo avesso a apostar no filme. De resto, tudo a favor: críticas radiantes do Fantasporto e de outros críticos que já viram o filme, um elenco com actores conhecidos dos portugueses, elogios de grande nível (como "um filme de que os irmãos Coen se lembrariam") e é baseado na obra homónima de José Saramago que, como se sabe, faleceu este ano, podendo o filme servir de homenagem ao escritor. Finalmente, será bom não excluir a produtora/distribuidora Clap Filmes da conversa, pois é ela que produz e distribui a grande parte das nossas submissões para Óscar e parece-me que do certame disponível este ano, o que tem mais hipóteses é "Os Sorrisos do Destino", do acarinhado realizador Fernando Lopes. O meu dark horse seria "Como Desenhar Um Círculo Perfeito", até porque é do realizador da escolha de 2005, "Alice". Só para dizer que me esqueci de "Morrer como um Homem", que era um dos candidatos mais high-profile à nomeação o ano passado, mas que depois só estreou a 19 de Outubro, o que o tornava inelegível. Pode ser a escolha este ano, também. Neste momento parece-me mesmo uma corrida a cinco (estes mais "A Religiosa Portuguesa") um pouco atrás de "O Estranho Caso de Angélica".


Provável Nomeado: Então contas feitas, eu diria mesmo que o pedigree de "O Estranho Caso de Angélica" deverá ser suficiente para suplantar os outros filmes, mas não podemos descontar nenhum dos outros cinco títulos da corrida.

O Meu Favorito: Eu queria mesmo que "Embargo" (que ainda não vi, atenção, porque faltei ao Fantasporto) fosse o nomeado.



Portanto, eu peço-vos que dêem a vossa opinião sobre o que acham que está mal, o que é preciso mudar e sobre os nomeados e peço que ou partilhem este post ou que façam um sobre o assunto (eu tratarei de juntar aqui os links de todos os que quiserem - enviem-me um e-mail ou deixem no Facebook o vosso link). Pode ser que se nos juntarmos alguém com relevância leia isto.