Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

BREAKFAST AT TIFFANY'S (1961)





Mais um dos filmes seleccionados para as comemorações do mês de Agosto e, até agora, a maior das desilusões. Breakfast at Tiffany's até pode ser um dos grandes clássicos do cinema (algo que não discuto), mas para mim foi um filme tremendamente chato. Quase adormeci. Tudo isto porque achei todo o filme demasiado morno, demasiado previsível, demasiado "sem sal".


A lindíssima Holly Golightly (Audrey Hepburn), sobre quem o Jorge já falou num dos artigos mais interessantes das Personagens do Cinema, é uma jovem rapariga, solteira e muitíssimo atraente, que capta os olhares e os corações dos homens mais ricos da cidade de Nova Iorque. Sustentada pelos seus caprichos, Holly vive bem e dá-se ao luxo de negar a companhia dos senhores cujo poder não compra o amor. A chegada ao seu apartamento de um bonito homem suscita toda a sua curiosidade. Paul Varjak (George Peppard), a quem Holly carinhosamente chama de Fred (devido às variadíssimas semelhanças físicas entre ambos), é um jovem escritor cujo sucesso se ficou pelo único livro publicado. Vive, tal como Holly, da sua jovial beleza que atrai as carteiras recheadas de senhoras ricas que procuram o carinho e o prazer que já não recebem dos seus maridos.


Rapidamente desenvolvem uma paixão que é, com frequência, posta à prova pelos diversos problemas nos quais ambos se envolvem. As festas, o luxo, o poder do dinheiro, o oportunismo, são a base de Breakfast at Tiffany's, um dos maiores clássicos do cinema dos anos 60. A mim não me convenceu.


Nota Final:
C+



Trailer:





Informação Adicional:

Realização: Blake Edwards
Argumento:
Truman Capote (Original) e George Axelrod (Adaptação)
Ano: 1961
Duração:
115 minutos

Personagens do Cinema - Holly Golightly


Hoje decidi aventurar-me a pegar na rubrica que é habitualmente do João. E escolhi esta para começar (e até para balançar a forte presença masculina nas Personagens do Cinema que já abordámos), ela que é uma das personagens mais icónicas da história do próprio cinema.


Estamos em 1961. Introduzam na história uma das grandes actrizes de todos os tempos, em particular naquela época, em que definitivamente Audrey Hepburn era a mulher mais querida em Hollywood (sentimento que se mantém até hoje, com qualquer actriz mais jovem com uma carreira promissora a ser comparada a ela - as últimas duas: as britânicas Knightley e Mulligan, ambas curiosamente estiveram na luta pelo papel principal no remake de "My Fair Lady", um dos grandes papéis de Hepburn). Vencedora de um Óscar em 1954, juntou a essa nomeação mais duas antes de chegar aquele que é, indubitavelmente, o seu maior papel de sempre, o papel que a imortalizou: o de Holly Golightly.


Holly Golightly é uma mulher frágil, solitária e insegura que esconde essa sua fachada com os seus intermináveis serões e festas, com a sua atitude de espírito livre, sofisticada, moral, engraçada, divertida e charmosa, tentando agarrar o prazer fugaz que a vida traz e a que realidade não lhe traz. Audrey Hepburn empresta uma frescura e originalidade a esta personagem a que é impossível ficar indiferente. 


As suas reacções extemporâneas, o seu carácter romântico e sonhador tornam-se curiosos demais para o seu novo vizinho Paul, que acabou de se mudar para o prédio ao lado, resistir. Holly apresenta a Paul o que de facto compõe a sua vida e se bem que tudo isso é muito fascinante, torna-se ainda mais saboroso ver a  ternura, a vulnerabilidade, a simplicidade real de Holly quando está sozinha em casa, quando não está a saltar de festa em festa, em compras e gestos excessivos e chegar à conclusão que tudo aquilo com que ela se diz identificar, tudo aquilo que ela julga ser a sua vida, é uma farsa, uma falsidade. 


É, no fim de contas, a relação com Paul e a paixão que sente por ele que levam a estonteante Holly Golightly a parar para pensar e a avaliar-se a si própria realisticamente, percebendo que a vida que levava não é a vida que ela quer.


Uma personagem fascinante, uma interpretação genial, um papel que fica marcado na história. "Breakfast at Tiffany's" é Audrey Hepburn. Bem, Audrey Hepburn e "Moon River". Mas essencialmente Audrey Hepburn. E foi inesperadamente com este filme que eu fiquei embevecido por ela.