Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Retrospectiva Óscares: 2008

Como sabem, a rubrica "Retrospectiva dos Óscares" vai servir para fazer um pequeno balanço das cerimónias, desde o ano mais recente (2009) para trás, avaliando os seus pontos bons e as coisas mais fracas. Depois da análise a 2009, pegamos em 2008, um ano bastante controverso.

2008


A Surpresa e A Inclusão Mais Notória: Richard Jenkins ("The Visitor") e Melissa Leo ("Frozen River") nunca foram tidos com real consideração ao longo de toda a corrida, mas na hora de contar os votos, não foram esquecidos e com todo o mérito conseguiram as suas primeiras nomeações. Pena que havia outros que deviam ter sido nomeados (Sally Hawkins é, para mim, o exemplo mais gritante) que não tiveram a mesma sorte, tendo sido trocados por nomes mais sonoros (como o casal Jolie-Pitt).



A Exclusão Mais Significativa: este ano dói-me particularmente por os meus quatro favoritos terem sido supremamente maltratrados em todas as categorias (salvo "The Dark Knight", que recebeu 8 nomeações, mas obviamente que nas categorias técnicas iria sempre safar-se bem - era nas grandes que merecia ter sido recompensado e não foi), mas acho que a maior dor foi mesmo a exclusão de Sally Hawkins ("Happy-Go-Lucky"), completamente injustificada.


O Mais Merecido: Heath Ledger ("The Dark Knight"). Nenhuma outra vitória da noite lhe chega aos pés. Uma lenda para a eternidade, é desta forma grandiosa, abismal como The Joker, que Heath Ledger deixou a sua última imagem no mundo.

O Mais Imerecido: todo e qualquer prémio ganho por "Slumdog Millionaire" e "The Curious Case of Benjamin Button". Não consigo perdoar nenhuma das vitórias por achar que existiam bem melhores candidatos para os prémios.

O Desnecessário: mais um ano volvido, mais uma nomeação para Óscar e mais uma derrota para Meryl Streep. É um problema crónico e que me irrita profundamente, como vão poder continuar a perceber em retrospectivas mais para trás. Claro que todo o mundo sabia que Winslet nunca iria perder o Óscar, sobretudo depois de na manhã das nomeações ter sido a sua interpretação por "The Reader" a escolhida pela Academia e como protagonista, não como actriz secundária. Mas numa categoria em que só Jolie era inferior... Magoa imenso esta vitória (que, já agora, devia ter vindo há mais tempo já. Tipo 2004.)

O Pesadelo: ou a surpresa mais desagradável que podia parecer, como se queira dizer. Já bastava não um, não dois, mas três filmes medíocres fazerem parte da lista dos 5 nomeados para Melhor Filme (só "Milk" se safa nesse ano) e ainda tinha a Academia de arruinar com todas as hipóteses de eu vir a gostar minimamente da lista de nomeados ao trocar "The Dark Knight" por "The Reader" (que é, para mim, superior a "Frost/Nixon" e a "Slumdog Millionaire" de qualquer forma). Uma tragédia que, de qualquer modo, devíamos ter adivinhado pelos Globos de Ouro. Mas... e mesmo se quisessem ir contrariamente ao desejo do grande público e pegar em algo mais pequeno e mais artístico, porque não acolher "Rachel Getting Married" ou "The Wrestler" em vez disso? Enfim. É que não percebo. Podendo ter uma lista tão diversificada com "Rachel Getting Married", "The Wrestler", "Milk", "The Dark Knight" e "Wall-E", por exemplo, ou até metendo lá para o meio um dos tubarões ("Benjamin Button" ou "Doubt"), foram escolher aquilo? Ao contrário de 2007, este não é um ano para grande orgulho.

A Desgraça e O Incompreensível: como é que uma canção tão extraordinária como "The Wrestler" de Bruce Springsteen nem sequer é nomeada, semanas depois de ter vencido o Globo de Ouro, nunca hei-de saber. Além disso, como é que é possível que todo um inteiro conjunto de pessoas tenha preferido dar o prémio a uma música indiana sem qualquer chama ("Jai-Ho") em vez de o darem à ternurenta canção final de Wall-E, "Down To Earth", é algo que ainda hoje me choca. E havia mesmo necessidade de nomear duas músicas indianas sem qualquer piada?



A Melhor Vitória: Sean Penn por "Milk". Não me entendam mal, eu adorei Mickey Rourke, mas Sean Penn foi absolutamente inacreditável como Harvey Milk. Ninguém (e friso o ninguém) apostava nele quando saiu para a imprensa que o novo projecto do Gus Van Sant o ia ter como protagonista (dada a sua reputação) e ele surpreendeu-nos a todos. Aqui só um parêntesis para Penélope Cruz, que me apanhou completamente desguardado com a sua interpretação em "Vicky Cristina Barcelona". Todo o diálogo do chinês e do "geenius" é fenomenal e a sua entrega às falas é estupenda.



O Duelo da Noite: a imprensa tentou criar o duelo "The Curious Case of Benjamin Button" vs. "Slumdog Millionaire" mas... alguém acreditava que a sensação indiana não ia limpar a cerimónia? Infelizmente... foi o que sucedeu. Oito (!) Óscares para um dos piores filmes que eu vi esta década. Inacreditável. E sabem o que é pior? É vir lá na caixa: "8 Academy Awards" - que é mais que filmes clássicos como "Schindler's List" e "The Godfather" têm. 


Notas Finais:
Qualidade da cerimónia - B+ (a ideia de trazer antigos nomeados para apresentar o prémio a novos nomeados foi bastante boa)

Qualidade dos nomeados - B-
Qualidade dos apresentadores (Hugh Jackman) - B+
Qualidade da transmissão (TVI) - F

5 comentários

Comentar post