Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Especial Animação: A magia de MONSTERS, INC. (10º Aniversário)

Nesta semana especial, que abre o mês de festividades, pedimos a amigos próximos e colaboradores de outros blogues que nos ajudassem a abordar um dos nossos temas preferidos: a animação. Todos eles foram limitados a um máximo de dez imagens ou um vídeo para a sua tarefa. Sete dias, sete colaboradores, sete títulos que festejam este ano o início de uma nova década de vida. Muita diversão, emoção e magia é prometida. A ver se cumprimos. A abrir as hostes, temos a Joana Vaz, a maior comentadora cá da casa e grande amiga, que se propôs a explicar um pouco por detrás da magia de MONSTERS, INC., que celebra a 28 de Outubro deste ano 10 anos de vida. É a ela então que passamos a palavra:

"Antes de mais, gostaria de vos dar os parabéns pelo primeiro aniversário do blogue que muito aprecio e de vos agradecer o convite para participar na vossa comemoração.

Tive assim o prazer de poder escrever sobre um dos meus filmes de animação favoritos – “Monsters, Inc”. Na minha opinião, este é um dos filmes do género mais comoventes e completos, recheado de momentos ternurentos e peculiares. Deste modo, reduzir a minha escolha a apenas algumas imagens do filme que mais me tivessem impressionado não foi tarefa fácil. Depois de difíceis decisões, aqui fica a minha selecção final.


A primeira imagem apresenta-nos os dois melhores amigos, Sulley e Mike, num momento de sucesso. Um instante que capta perfeitamente a personalidade de cada um. Sulley, o grande, forte e corajoso protagonista e Mike, o irreverente, vaidoso e divertido companheiro. Ambos formam uma dupla invejável.


Esta imagem regista a primeira vez que vimos Boo no ecrã. O seu olhar de curiosidade, esplendor e encanto cativa-nos em segundos. E a sua admiração perante o “monstro” é desde logo evidente.


Esta cena representa para mim uma das características mais fascinantes do filme. Inicialmente poderíamos supor que apenas as crianças teriam medo dos monstros que saem à noite do armário, mas a verdade, é que o inverso também ocorre. Como é que algo tão grande e “assustador” pode recear uma figurinha humana tão pequena e insegura? Parece-nos impossível, mas acontece. O facto de não conhecermos outras realidades faz-nos por vezes temer desnecessariamente o desconhecido, o que nem sempre nos leva a adoptar as melhores atitudes.


  
As diferentes expressões de Boo ao longo do filme são de uma riqueza inegável. A menina, que praticamente não fala, usa sobretudo os olhos como arma da comunicação. Aqui é claro o temor que ela sente em relação a Randall. É fabuloso como ela transmite o que sente sem usar palavras.


Esta imagem mostra-nos o enorme mundo da fábrica dos gritos e as milhares de portas que fazem com que os dois universos se possam cruzar.


Para mim, este é o melhor momento de todo o filme. Penso que a imagem nem precisa de grandes explicações. O abraço enternecedor na inevitável despedida comove qualquer um... E a banda sonora que a acompanha é igualmente brilhante. É sem dúvida das cenas mais tocantes da Pixar...


Nesta cena, Mike mostra a surpresa que preparou ao melhor amigo, a reconstrução da porta do guarda-fatos de Boo. Falta apenas uma peça para completar a porta, a peça que Sulley guarda juntamente com o desenho pitoresco feito por Boo... A luz a iluminar a porta que dá acesso ao mundo da menina antecipa um final expectante... A excitação e curiosidade invocadas no público crescem a cada minuto... E assim termina este magnífico filme, com o enorme sorriso de Sulley. Não nos desvendam mais nada, mas penso que nenhum de nós precisava de ver mais."


Agradeço à Joana Vaz pela colaboração e por um belo artigo! Espero que gostem!

9 comentários

Comentar post