Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Parabéns, Mary Louise



O "fenómeno" conhecido por Meryl Streep festeja mais um aniversário. Eu sei, eu sei, passo metade da vida do blogue a falar dela. Mas ela hoje (e sempre, vá) merece. Engraçado, acho que nunca disse cá no cantinho quais as minhas cinco interpretações favoritas desta lendária actriz. 






Poderiam estar entre elas "Bridges of Madison County", "Sophie's Choice" e "Kramer vs Kramer" e na minha mente figuram bem perto entre as melhores interpretações dela, mas não fazem parte das minhas cinco melhores. Porque as minhas cinco interpretações favoritas dela mostram traços únicos que não são vistos em mais nenhuma performance da actriz: o arrojado sentido cómico de "The Devil Wears Prada", uma criação icónica, que ninguém conseguirá imitar tão cedo (basta ver-se o exemplo de Glenn Close em "101 Dalmatians" e o quão ténue é a linha entre a caricatura e a caracterização); a desconstrução de uma mulher simples, banal em "The Hours", que poucas actrizes conseguiriam preencher com tanta alma e sofreguidão como Meryl; a simplicidade com que Meryl incorpora mulheres especiais resignadas a uma vida repleta de caminhos entrecruzados, como em "Postcards from the Edge"; a capacidade extraordinária de reinventar-se uma vez mais e outra e mais outra, como Meryl consegue em "Adaptation"; e a perfeita combinação dos talentos de uma estrela de cinema à escala mundial a desaparecer numa personagem (como recentemente fez Day-Lewis em "Lincoln" ou mesmo Meryl em "The Iron Lady"), que Meryl consegue em "Silkwood"


E um bónus: se "Angels in America" contasse na filmografia oficial, seria a minha segunda interpretação favorita, atrás apenas de "Silkwood", que é para mim uma das - senão a melhor - interpretação feminina da década de 80.

E agora vocês: quais são as VOSSAS interpretações favoritas desta senhora?


Danado do Woody...



Que me sabe sempre chamar a atenção. Não se faz, pores a minha Cate Blanchett num papel tão bom, numa altura em que pouca gente lhe dá os papéis que ela merece (a moça até preferiu voltar, nos últimos anos, à cena teatral australiana, vejam lá bem!). E ainda lhe juntas mais pessoal que admiro, de Alec Baldwin a Bobby Canavale e sobretudo Sally Hawkins. A Sally Hawkins, tão roubada que ela foi de uma nomeação aos Óscares há uns anos.


Ó Woody, espero mesmo que não me desiludas, que já não tenho paciência para os teus "Midnight in Paris" e muito menos para um novo "Whatever Works". Ao menos parece pelo trailer que as peças encaixaram, que pareces estar de volta a um nível mais acídico, mais demoníaco. Promete. Para mal dos meus pecados, que habituei-me a criar distância antes de cada novo filme teu, para não me desapontar depois. 

A Disney está congelada... no passado



Começa logo bem, a mencionar os dois últimos grandes êxitos da casa, "Tangled" e "Wreck-it Ralph". O problema vem depois. Isto da Disney agora se lembrar de fazer do público-alvo dos seus filmes os rapazes tem que se lhe diga. Não aprendem nada com as receitas de bilheteira de "Brave" e "Tangled"... Se um filme for bom, os rapazes vão ver, seja ele com meninas protagonistas, com idosos ("Up!") ou com robôs ("Wall-E"). Não percebem que é a qualidade que determina no fundo o sucesso do filme?

Já conseguiram fazer do trailer do "Tangled" uma coisa completamente diferente do que o filme na realidade é (relembre-se o tenebroso trailer) e agora repetem a faceta com "Frozen", a sua nova animação, baseada no conto de fadas de Hans Christian Andersen, "A Rainha do Gelo", com Idina Menzel, Kristen Bell, Josh Gad e Jonathan Groff nas principais vozes e realizado por Chris Buck (realizou "Surf's Up!" e "Tarzan") e Jennifer Lee (escreveu "Wreck-it Ralph"). 


Parece um parente próximo de "Ice Age" ou de qualquer um dos filmes da Dreamworks e parece ter copiado a fórmula de "Tangled": a protagonista em busca de um destino maior, um parente querido com problemas (agora é a irmã, também interpretada por uma diva da Broadway como a anterior), dois sidekicks, antes o cavalo e o camaleão, agora, em terras frias, um boneco de neve e uma rena. E não falta ainda romance, com dois pretendentes pela mão da princesa Anna. Um ponto positivo: a música é de Christophe Beck, que nos presenteou com esta maravilha o ano passado.

Admito, tenho muitas expectativas. Para já não vi nada que me assuste mesmo, mas este material promocional dá cabo de mim. Espero, tal como aconteceu com "Tangled", que este trailer seja um indício traiçoeiro do que estará para vir.

E logo no mês em que vi menos filmes desde que me lembro...



É que o CCOP se lembrou de arranjar um filme que, segundo a nota, vou gostar mais que o meu tão amado "No" de Larraín. "Arrugas" é quem consegue esse enorme feito. Vou ter mesmo de reservar um tempinho para o ver.

Cá fica o trailer e, como sempre, podem consultar o top de Maio e outros tops no sítio oficial do Círculo de Críticos Online Portugueses AQUI.

Por falar em McConaughey...


Foi lançado pela HBO há uns dias isto.


Cary Fukunaga, do qual sou um confesso admirador ("Sin Nombre" e "Jane Eyre" estão na minha lista de melhores filmes dos seus respectivos anos - e o homem só tem 35 anos e já tem estas duas grandes películas assinadas por si), junta um Matthew McConaughey em estado de graça a um Woody Harrelson em profunda sub-utilização (um dos melhores actores em Hollywood - pena é Hollywood não saber o que fazer com ele). Esta minisérie "True Detective" ai dar televisão de respeito, aposto. A HBO não engana.

Preciso que alguém me explique...



Como é que o James McAvoy ainda não está no topo das listas de casting de Hollywood. Bom em biografias? Sim. Bom em romances de época? Podem apostar. Bom em franchises de superheróis? Cá está a prova. Bom em dramas? Sem dúvida. Sabe fazer comédia? A resposta (não vos) surpreende. Porra, até em televisão o homem é excelente. (Não falemos de "Trance" porque... enfim).

Há coisas que parecem inexplicáveis... Vai acontecer com ele o mesmo que McGregor, Sheen e Ruffalo? Está-me a parecer que sim... Entretanto, cá fica o trailer de FILTH, o seu novo filme:




Game on, Leonardo


Pois é, Leonardo, tu bem sabes que eu não tenho ido muito com a tua cara. Andas desde "The Aviator" basicamente a reciclar o mesmo estilo de personagem, a mesma nuance dramática, os mesmos problemas existenciais. Dirão os seus acérrimos (e são mesmo, nunca vi nada que se equivalesse e eu sou um defensor maluco da Meryl Streep, porra!) defensores que é o melhor actor da sua geração e um dos melhores de sempre já. Discordo. Vi pouco ainda em termos de variedade e versatilidade para te compararmos - e só falando dos mais recentes astros - a DeNiro, Nicholson, Day-Lewis e outros que tais. 

Se me encantaste em "Who's Eating Gilbert Grape" e "The Basketball Diaries" foi porque a tua representação tem uma leveza e ingenuidade que não encontra par no imenso calculismo das tuas últimas interpretações. Foi preciso chegar Tarantino para te soltar um pouco. E o Baz (vá, com o Baz surpreendeste-me mesmo a sério). E pareces ter gostado, tendo em conta o trailer em estreia da tua nova colaboração com o Marty, "The Wolf of Wall Street", sobre a qual já afirmaste ser a tua melhor interpretação de sempre (ou a mais completa; alguma coisa parecida a isso).


Cá estaremos para julgar. Para já o trailer surpreendeu-me - não sabia que o Marty agora fazia comédias. Pelo menos tu pareces estar-te a divertir - e o Matthew McConaughey continua a ressurreição mais impressionante de uma carreira em Hollywood que eu vi em tempos recentes. Está um monstro - e quem não concordar, que veja "Killer Joe", "The Paperboy", "Magic Mike" e "Bernie" (e "Mud", a estrear) e depois venha falar comigo.


Deixemos as conversas sobre Óscares para mais tarde - embora admita que gostava de ver ambos com uma linda estatueta dourada, uma que premiasse a consistência e ascensão estratosférica do primeiro ao topo de Hollywood (admito que merece, mesmo eu não sendo o maior fã) e a recuperação fantástica do segundo.

Três mulheres, três histórias... Always THE HOURS (2002)


Quão raro é o privilégio de sermos presenteados com um filme que não só reúne três das mais importantes e inspiradoras actrizes da actualidade como lhes dá papéis dignos do seu talento e valor, um filme que não reduz as suas personagens femininas a clichés, a reflexos dos seus pares masculinos ou as trata como figuras reactivas, existindo apenas para completar a caracterização do protagonista masculino, fazendo delas o centro, o prato principal em torno do qual toda a narrativa gira – e os homens, em “The Hours”, são pouco mais que a sobremesa dessa ementa. 

Para começar: “The Hours” junta o génio (génio, não talento, como bem distingue Penelope Cruz em “Vicky Cristina Barcelona”, outro bom exemplo que poderia constar desta rubrica) individual de Meryl Streep, Julianne Moore e Nicole Kidman (premiada com um Óscar precisamente por esta interpretação) a um elenco composto por Claire Danes, Miranda Richardson, Allison Janney e Toni Collette e ainda Ed Harris, Stephen Dillane, John C. Reilly e Jeff Daniels. São duas horas basicamente a assistir todas estas fabulosas actrizes a trocarem cenas entre si, duas horas de depressão, opressão e repressão enquanto estas actrizes e as suas personagens “vivem”, debaixo da alçada da magnífica banda sonora de Philip Glass, com um sentido de urgência no mundano, de assombração por detrás da fachada destas mulheres (aliás, continuem a ler o artigo com isto a tocar no fundo).


Virginia: [escreve] “Mrs. Dalloway said she would buy the flowers herself”


Laura: [lê] “Mrs. Dalloway said she would buy the flowers herself”


Clarissa: Sally, I think I’ll buy the flowers myself.

Um dia na vida de uma mulher – e toda a sua vida nesse dia. É assim que Virginia Woolf (Kidman) abre a sua obra-prima, “Mrs Dalloway”. Numa das muitas líricas e inteligentes sobreposições e paralelismos, a entediada e problemática Virginia Woolf surge-nos em 1921 a escrever aquele que viria a ser o seu mais aclamado romance; em 1951, a belíssima e delicada dona de casa Laura Brown (Moore) embarca na leitura do livro, procurando nele explicações para a sua própria vida, perdida de significado; e em 2001 a nervosa e preocupada Clarissa Vaughn (Streep) encarna a personagem que Woolf narrava oitenta anos antes, preparando uma festa para o seu ex-compaheiro enquanto lida com mais um dos seus conflitos existenciais. Arte criada, experienciada e vivenciada. Michael Cunningham era brilhante.

Três personagens tão diferentes e tão semelhantes entre si. Todas aprisionadas numa vida que não queriam ter. Para Laura Brown, a sua casa é a sua prisão. Quanto não lhe apetecia fugir! Para Virginia Woolf, não é a casa que é a sua prisão, é a sua vida. Da sua casa – como de praticamente tudo o resto – Virginia não se deixa aproximar, preferindo a solidão. Para Clarissa Vaughn, a prisão é ela própria, vivendo no constante medo de deixar os outros entrar e ver o que passa pela sua mente, tentando manter sempre as aparências de que tudo está bem.


A frenética e nervosa energia de Clarissa conta-nos tudo o que precisamos saber sobre a sua implosão interna, quase a ponto de deixar-se-ir, de deixar a sua raiva soltar-se. A cena em que se descai em lágrimas na cozinha é uma excelente forma de mostrar como mesmo a pessoa que nos parece a mais forte e independente, a que toma conta de todos, pode ser a que mais precisa de ajuda. Apanhada desprevenida por uma mescla de emoções, os seus falhanços vêm ao de cima e Clarissa vem-se abaixo. Com Laura Brown sucede exactamente o contrário. Por nunca ter definido a sua personalidade, Laura vê-se sem voz. Enquanto que em Clarissa é nas suas expressões que revela o que não quer, Laura é na voz. Do tom mais decidido ao quase suspiro, com múltiplas reticências, Laura mostra-nos o quão despersonalizada é. Uma personagem propositadamente vaga, ausente, perdida num espaço onde só existe ela e mais ninguém. Finalmente, Virginia. Um poço de fúria, de angústia, de revolta, tudo nos seus olhos. Feroz, determinada e complicada, Virginia não consegue estar satisfeita com a vida que tem. Ela é mesmo o que é – sem tirar nem por – e talvez por isso seja a mais incompreendida das três, arrumada para canto com a desculpa de uma doença mental que ninguém sabe muito bem como diagnosticar.

Muitos preferem ver “The Hours” como um filme que aborda três mulheres à beira do desespero, duas delas tentando mesmo o suicídio e por isso descartam-no como um desvaneio deprimente de um escritor com mania de lírico. Para mim, ao entrecruzar os três ângulos narrativos em paralelo em vez de em sequência, colocando o autor, o alter ego e o leitor no mesmo plano e forçando-nos a partilhar do fragmentado e imperfeito mundo destas três infelizes mulheres, “The Hours” mostra-nos como só o amor e o tempo são ambivalentes, complexos e intemporais. Tudo o resto, como as conexões, a humanidade, a felicidade, se esvai. “Always the love. Always the hours.”