Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Trailers da Semana

E vamos a mais uma edição dos Trailers da Semana aqui no Dial P for Popcorn, onde discutimos brevemente a nossa opinião acerca dos trailers que assomaram a Internet nos passados dias e que, a não ser que sejam de vital importância (como casos anteriores nesta rubrica de "Black Swan" ou "Another Year", por exemplo), são reunidos e compilados nesta rubrica.

O TRAILER DA SEMANA:
"Made in Dagenham"



"Made in Dagenham" conta a história da greve de 1968 na secção de Dagenham da conhecida fabricadora de automóveis Ford, organizada por mulheres, na luta contra a discriminação sexual. Além de parecer uma história que dá pano para mangas, o trailer dá-lhe um ar leve e engraçado que me diverte e um elenco composto por várias estrelas britânicas: Sally Hawkins, Rosamund Pike, Jamie Winstone, Bob Hoskins, Miranda Richardson e Richard Schiff. Há muito tempo que corre o rumor na Internet que Sally Hawkins é uma forte possibilidade para uma nomeação ao Óscar de Melhor Actriz e eu vinha esperando o trailer para confirmar essa suspeita - mal sabia eu que o trailer já existe na Internet há algum tempo - e... pelo trailer não consigo descortinar. Mas esta 'vibe' de "Norma Rae" dá-lhe fortes auspícios, não?


Outros trailers que vieram parar às minhas mãos:

"Welcome To The Rileys"


Tenho que admitir, à partida, uma coisa que até a mim me choca: quando Kristen Stewart não é Bella Swan naquele esgoto que é a saga Twilight, eu até gosto dela. Aliás, consigo ver-lhe talento. Eu sei, eu sei, também fiquei admirado. Este filme andou a correr alguns festivais (conseguiu críticas sensacionais em Sundance) e eu tenho hesitado em dar-lhe atenção. Até que vi o trailer. É que quem lê a sinopse fica com a ideia que é mais um daqueles dramas de sempre, que envolve até alguns clichés já bem gastos: "Welcome to the Rileys" conta a história de dois pais em luto pela morte da sua filha para quem a vida não faz mais sentido e conhecem uma jovem perdida (neste caso, uma stripper) no mundo dos adultos que decidem acolhê-la, aos poucos e poucos, transformando-se numa "substituta" da filha que perderam. Contudo, o trailer deu-me uma opinião diferente. E se James Gandolfini e Melissa Leo eu já sei que conseguem grandes prestações quando querem, de Stewart tinha (tenho) algumas dúvidas. Parece um papel interessante, de viragem, para ela. Veremos. Promete. Se eu tivesse que apostar em alguém para os Óscares (como algumas pessoas na Internet andam a fazer - a maior parte deles, claro, aposta em Stewart) eu ia cair em Melissa Leo. Não sei, parece diferente daqueles papéis de mãe desgostosa em luto. Há ali um elemento de loucura que não consegui perceber bem mas parece-me engraçado.


"Red"


Fiquei mesmo satisfeito de me ter "obrigado" a ver o trailer deste filme. "Red" responde a uma pergunta pertinente: o que acontece aos agentes veteranos, em idade de reforma, das grandes agências de espionagem e segredos governamentais, como a CIA? Pois bem, segundo o filme... são mortos, porque sabem demasiados segredos da agência. Faz sentido, I guess. Mas até nem é essa premissa que me excita no filme: é o elenco. Helen Mirren, Morgan Freeman, John Malkovich e Bruce Willis (e Mary-Louise Parker, que adorei no trailer - só aquela fala - "Awesome!" - fenomenal!) parecem ter todos trazido o seu A-game para esta comédia. Incontável o número de vezes que sorri e me ri ao ver o trailer. Aposto que nem vai ser grande coisa, mas ganhei expectativas para o ver.



"Buried"


Para aguentar uma hora e meia de expectativas, um filme deste género tem que ser mesmo bom. E parece que sim, que é. "Buried" narra-nos a história de Paul Conroy, que se vê aprisionado dentro de um caixão enterrado vários metros abaixo do chão, apenas com uma caixa de fósforos e um telemóvel. Realizado por Rodrigo Cortés e protagonizado por Ryan Reynolds, ganhou excelentes críticas por onde passou e nos private screenings que proporcionou a alguns membros da imprensa. Além disso, tem tido uma campanha de marketing excelente por trás, o que só quer dizer uma coisa: o filme tem bastante potencial. Já sabemos que ele é mestre na comédia; veremos se este não será o papel dramático que dará a Reynolds a hipótese de experimentar vôos mais altos.


"The Way"


Famosíssimo tanto pela sua carreira televisiva ("The West Wing") como pela sua carreira cinematográfica, Martin Sheen tem aqui um papel que nos poderá voltar a mostrar o seu enorme talento e conferir-lhe melhores papéis no seu futuro. Emilio Estevez ("Bobby"), filho de Sheen, escreve, realiza e protagoniza (desempenha o papel do filho morto) "The Way", que nos fala da história de Tom Avert, que acaba de perder um filho que percorria os conhecidos Caminhos de Santiago. Pois bem, Tom viaja para a França para recuperar o seu corpo, crema-o e decide agarrar nas suas cinzas e pôr-se à estrada, percorrendo até ao final a caminhada que o filho tanto ambicionava completar.

3 comentários

Comentar post