Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

TANGLED (2010)



"And at last I see the light, [...]
All at once everything looks different,
Now that I see you"
 

Podemos dizer... a Disney está de volta! Desde que comprou a antiga rival Pixar e a colocou debaixo da alçada Disney e se passou a dedicar a animação por CGI, os estúdios Walt Disney têm sofrido com projectos maus, com maus resultados de bilheteira e com queda de prestígios. O ano passado iniciou uma espécie de remontada rumo a melhores tempos, com "The Princess and the Frog", mas esse filme sempre pareceu mais uma homenagem nostálgica a outros tempos de glória da Disney do que propriamente um filme que se possa orgulhar de si próprio.


Quando muitos se preparavam para declarar o fim da Disney enquanto terra de princesas e de contos de fadas, eis que Nathan Greno e Byron Howard  (os responsáveis, juntamente com Chris Williams e Dan Fogelman, por "Bolt") se propuseram a ressuscitar o género dedicando-se à única princesa derradeira que faltava no currículo da Disney: Rapunzel. Com eles voltou Alan Menken, disposto a criar música que relembrasse os seus melhores dias, e um elenco fabuloso, composto por três excelentes vozes e personalidades que encaixam como luva nas suas personagens. A isto se junta uma enorme alma e vontade de fazer as coisas bem, revigorando o género dos contos de fada com uma muito necessitada modernidade, tornando as coisas frescas, cómicas, divertidas mas simultaneamente inteligentes e interessantes. Mesmo com as mensagens e lições de sempre, o filme consegue ser absolutamente original e mágico.


Do conto dos irmãos Grimm, Howard e Greno mantiveram o básico: Rapunzel, a princesa, é raptada pela egoísta e egocêntrica Mother Gothel que a prende numa torre no meio de uma floresta nas montanhas, para poder usufruir do dom do seu cabelo mágico, capaz de rejuvenescer uma pessoa e de curar feridas. Rapunzel abandona a torre após um casual encontro com um ladrão chamado Flynn Rider, por volta do seu 18º aniversário e descobre que é uma princesa desaparecida. Até aqui, tudo igual à história original. Howard e Greno pegam depois neste conceito e conferem-lhe uns pequenos ajustes. A história de Rapunzel e Flynn passa a ser a de uma aventura na estrada, encontrando alguns perigos, encontrando algumas personagens estranhas ao longo do caminho e inevitavelmente apaixonando-se no fim.

A adição de algumas personagens, como o cavalo Maximus que faria Sherlock Holmes corar pela sua dedicação ao seu papel de investigador e que parece saído de um dos antigos cartoons da Disney, e o toque de irreverência que deram na vilã da história, a Mother Gothel, que consegue ser malévola não pelo seu abuso de poder e intimidação mas pela forma passivo-agressiva com que controla a vida de Rapunzel e lhe dedica o seu amor (pelo menos, a sua "ideia" de amor), tornam-na numa personagem imensamente agradável de assistir, tão deliciosamente diva e bem-humorada a vemos a orquestrar os seus planos.


O casting dos actores foi impecável - Mandy Moore (na versão portuguesa: Bárbara Lourenço) empresta a Rapunzel uma doçura na voz e uma delicada ingenuidade e infantilidade que encaixam bem na personagem; Donna Murphy (na versão portuguesa: Rita Alagão) é fenomenal nas poucas cenas em que aparece, transformando "Mother Knows Best" numa das melhores músicas de vilões Disney de sempre, alternando o cómico e o sério de forma bestial; Zachary Levi (na versão portuguesa: Pedro Caeiro) é engraçado e cómico e confere ao "seu" Flynn um ar charmoso e confiante. É bonito ver a excelente relação e calor humano que Levi e Moore conseguem emprestar às suas personagens, ainda por cima se considerarmos que nunca se encontraram antes de gravarem o dueto musical com Menken.


As músicas de Alan Menken, mesmo não estando ao nível de "Beauty and The Beast" ou "The Little Mermaid", são ainda assim do melhor que a Disney já viu em muito tempo, com "I See The Light" a trazer memórias de grandes clássicos musicais da Disney como "An Ideal World" e "Can You Feel The Love Tonight". A cena desta música é, sem sombra de dúvidas, uma das melhores cenas que vi no cinema este ano. Capaz de nos derreter com tanta beleza e ternura (SPOILER ALERT: deixo parte da cena abaixo).



Tudo tido em consideração, "Tangled" é um relato moderno, divertido e curiosíssimo de uma das mais antigas histórias de contos de fada, trazendo a ideia de princesa para os dias de hoje, oferecendo-nos uma princesa confiante, determinada e independente e um príncipe fora das convenções, que teve que aprender a sobreviver num mundo que nunca lhe deu a mão. É um conto tão antigo quanto o tempo, contudo é contado de forma tão bela, tão maravilhosa, tão fresca, que o transforma num feito tão especial e brilhante.




NOTA FINAL:
B+/A-


Informação Adicional:
Realização: Nathan Greno, Byron Howard
Elenco: Mandy Moore, Zachary Levi, Donna Murphy
Argumento: Dan Fogelman (adaptado do conto dos irmãos Grimm)
Banda Sonora: Alan Menken


Abaixo vos deixo as principais canções do filme:







8 comentários

Comentar post