Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

Personagens do Cinema - Anton Chigurh


Anton Chigurh é um dos grandes personagens da última década.

Aliás, o ano de 2007 ficou marcado nos Oscars como um dos (poucos) anos onde existiu uma unânime aclamação relativamente à estatueta de Melhor Actor Principal e Melhor Actor Secundário. Num ano que ficou marcado por uma forte disputa entre No Country for Old Men (dos Irmãos Coen) e There Will Be Blood (de Paul Thomas Anderson) pelas estatuetas douradas, 2007 é recordado como um dos melhores anos da ultima década (para mim, talvez o melhor) a nível cinematográfico!


O papel que deu a Javier Bardem o reconhecimento há muito merecido (um dos melhores actores que a Espanha, e a própria Europa, produziu até hoje) garantiu uma reviravolta na sua carreira, tornando-o actualmente num dos mais conceituados e desejados actores para alguns dos melhores realizadores (desde Iñarritu até Woody Allen).

No papel de um serial-killer implacável que impressiona pela frieza e prazer com que executa os seus actos, fica para sempre marcado como um dos mais originais (e estranhos) penteados da história do cinema. Em relação a este, o próprio Javier Bardem no discurso após receber o Oscar de Melhor Actor Secundário, se referiu a ele e aos Irmãos Coen com a frase: "Obrigado aos irmãos Coen por serem loucos o suficiente para acreditarem que eu seria capaz de fazer este papel e me terem colocado na cabeça um dos cortes de cabelo mais horríveis que já tive."


Memorável é também a cena em que Anton Chigurh, com uma frieza e tranquilidade impressionantes, demonstra uma inesperada compaixão por um vendedor de gasolina e decide dar-lhe uma chance para viver, através de uma curiosa aposta com uma moeda. Esta cena que aqui vos deixo, para além de inesquecível é sem dúvida o ponto alto do filme, onde Anton demonstra o completo desprezo que sente pelos restantes seres vivos e de como se sente muito superior em relação a todos eles. Esta irónica compaixão não é mais do que a auto-satisfação do próprio ego, de uma forma original.



3 comentários

Comentar post