Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DIAL P FOR POPCORN

DIAL P FOR POPCORN

A Morte da 7ª Arte (Variação Groucho)

"O Dial P For Popcorn tem o prazer de vos apresentar o nosso mais recente colaborador! Axel Ferreira, nosso colega e amigo, aceitou o convite para a elaboração de uma crónica quinzenal. Com uma visão peculiar e distinta da realidade cinematográfica, A Morte da 7.ª Arte deixa apenas uma promessa: Ninguém a poderá evitar."


O Clarinete de Woody Allen


Seguindo características maliciosas de gente que pensa que pensa e não pensa, analisando uma a uma as sequências de ideias que não se enquadram dentro do que acho provável e possível, não existe para além da desorientação imensa uma linha definidora, um esboço que separe arte do que não o é. A afinidade intrínseca em utilizar um saco qualificador, a insistência em usar escalas, comparar e, mais do que nada, normalizar. Uma atitude cultural pouco saudável que não admite a existência de cultura. A falsa confiança transmitida por algum tipo de linguagem longínqua e comum, a participação deste ou daquele, o magnífico, sensacional, bizarro, genial da obra primorosamente prima. Óbvio que a ideia da idiossincrasia em círculo, os elogios dados a si próprios quando felicitam alguém por ter exactamente a mesma opinião ou similar, não passa de algo pobre e não gerador de nada novo. A ilusão da vida é uma ideia, uma ideia simples, a ideia de que se têm ideias novas e não já infinitamente repetidas. Ter uma ideia fora desta ideia já é um crime, existe o rótulo, a nova arma, és original mas não original como nós. Pois maior crime que este se levante.


Algo que fascina ainda é o esboço da qualidade no bom cinema. E diluindo a ideia em analogia, não passa de uma arte um pouco necrófaga, recolher o que já foi feito e tentar juntar tudo em apenas um movimento e um sentido. A tarefa será então juntar as características que o fazem transparecer como algo digno do nome de cinema. Começando pelo essencial, que será ter algo para fazer. No inicio será a história (ou o verbo), de uma maneira canónica dará a definição a tudo o que será o filme, não sendo este facto obrigatório ou sequer necessário à existência do mesmo. A sua origem (literária, factual ou escrita pelas mãos de um esquizofrénico que sempre recusou tratamento) passará sempre pela irrelevância histórica de existir. Não deixa de ser verdade que os irmão Marx nunca precisaram de mais que uma história. Sabendo até que não tem de existir no início, como pode existir apenas no fim, quando cada hino à estética se juntar em sequência formando “Fa Yeung Nin Wa”. Partindo daqui, e dizendo que a conclusão será ainda nenhuma, será a altura de concretizar a visão. Então serão precisos os adornos de sala, vêm por aí os actores, será das primeiras condicionantes. Não terei uma perspectiva muito favorável, a maioria dos melhores filmes que vi tem gente desta de que nunca ouvi falar ou que não toma esta como a sua profissão. Considerar classicamente um filme será sempre uma história em imagem, conceito que muito tentam deitar abaixo com pouco acerto. Aproximando a estrutura moderna a esta ideia acabamos na imagem, e com as muitas maneiras de a obtemos. Desde o conceito de teatro filmado de Manuel de Oliveira, ao conceito da filmagem em movimento de Kusturika e a câmara tremida de Trier no “Dancer In the Dark”, tudo é mais ou menos permitido e tudo é mais ou menos abusado. Não pensar na maneira mas na forma, não se espantar com a medida dos enormes recursos que hoje em dia existem mas conjecturar algo que se aproxime e se afaste de tudo o que já se demonstrou possível. Mesmo existindo a ideia de o cinema depender sempre de como é filmado, também pode existir o filme com fraca ideação fotográfica, ou com uma cena completamente monocromática e tornar-se em algo que se sobrepõe a este mesmo conceito. Em “Jour de FêteTati usou duas câmaras, uma a preto e branco (por precaução) e uma a cores. A verdade é que filmou os mesmos planos com as duas, mas depois de pensar o filme a cores e depois de saber que o estúdio não tinha dinheiro para editar o filme a cores lançou a versão a preto e branco. Não foi por estes subterfúgios, pela forma não atingir a qualidade do conteúdo que o filme passou por irrelevante. Na realidade ele nunca ficou contente com esta versão, filmou novas cenas e coloriu ele mesmo certas partes do filme à mão (versão que é hoje a mais conhecida). Entramos então na música que acompanha a imagem, sendo que muito raramente será feita pelos próprios realizadores (o Woody Allen fê-lo em “Sweet and Lowdown”), mesmo que sejam músicos. Até Kusturika em pose Rockerman da música popular jugoslava prefere utilizar as músicas de Goran Bregovic, e ainda bem. Indagar no mundo imenso da música e escolher o melhor para determinado momento, imagem, sentimento, será uma das coisas que muitas vezes fica um pouco à quem do esperado. Mais uma vez devido à materialização da imaginação humana ser sempre uma replica relativa a quem a fez e não aos outros ou, ainda, à própria ignorância. Se bem que a realidade permita que o filme não imita um som e continue a ser a obra que é, sendo que até prefiro alguns filmes mudos sem um único som. E esperando que ainda não haja cheiros nem texturas, serão, em versões distintas e muito latas, estas as formas usadas por todos e com que tanto se tenta inventar.


Saber, sei que a mesma obra pode ser executada de novo, distinguindo-se da primeira com superioridade exacerbante, quem já tocou o céu com a “Hallelujah” de Jeff Buckley sabe disso. A execução excepcional também constrói um novo conceito, que ainda não tinha sido alcançado, o mesmo acontece com um excelente realizador e um fraco argumento. Não percebo é este novo conceito de ter directores de fotografia, de som, de efeitos sonoros, de maquilhagem e vestuário, de ter compositores e editores de imagem, editores de som, argumentistas e produtores. O realizador já se marginalizou a si mesmo para ser o banana que diz alguma coisa de vez em quando, abençoada forma de esconder a própria mediocridade, abençoada maneira de termos excelentemente executado sempre o mesmo filme. O que o irá distinguir será a visão e o conceito novo que sem a obsessão de controlar cada detalhe não poderá existir (regra que como todas as outras terá as suas excepções, não fosse a única coisa que interessa o resultado final). Conclusão não se chega a nenhuma, um filme não se distingue por ser bom em cada uma das suas formas, mas pelas ideias que o compõe, se existem de novo ou já foram e as conjuram de nova maneira. Por isso tenho a minha dificuldade em separar filmes em escolas e movimentos e todos os subterfúgios classificatórios, não passam de algo detractor de algo que é único individual, e com alguma esperança original. O problema é que as ideias são pessoais, não são colectivas, isso simplesmente não existe.


Axel Ferreira

11 comentários

Comentar post

Pág. 1/2